Pular para o conteúdo principal

Aplicação web com Spring no Cloud Foundry

Um tempo atrás experimentei o mecanismo de cloud da SpringSource chamado de Cloud Foundry (CF). Para isso foi necessário criar uma conta na Amazon Web Services (AWS - infra estrutura de cloud da Amazon) e deixar o número do meu cartão de crédito.

Pude notar que o Cloud Foundry é uma ferramenta que permite a criação e configuração de uma máquina virtual (VM) na AWS com apenas alguns cliques na interface administrativa. A VM criada pelo CF é composta por um Linux da distribuição CentOS, um Apache Web Server, um SpringSource tc Server (Tomcat adaptado) e uma instância de MySQL. Já o AWS é quem hospeda a VM totalmente configurada pelo CF. Também é possível criar diferentes máquinas virtuais diretamente na interface administrativa do AWS.

Tudo começa com a criação de uma conta no AWS e a indicação de um cartão de crédito para as cobranças. Após aguardar até 24h para confirmação do número do cartão, o AWS disponibiliza o acesso à interface administrativa. Através desta interface torna-se possível criar uma VM com qualquer um dos sistemas operacionais disponíveis (CentOS, Windows, Fedora, Ubuntu, etc). Contudo, a máquina criada estará vazia mas acessível via SSH. A partir daí o desenvolvedor deve fazer upload dos softwares necessários e configurar por conta própria estas instalações dentro da VM. Mas, o que mais interessa para testar o CF da SpringSource é a criação um par de chaves digitais para autorizar o CF a acessar a conta no AWS e fazer todas as configurações necessárias, além de criar a VM com todos os softwares indicados anteriormente.

Após ter a conta no AWS e um par de chaves digitais, o próximo passo é criar uma conta no CF e fazer o upload das chaves. A partir desse momento, torna-se possível fazer o upload de um WAR contendo a aplicação web desejada. Esta aplicação pode usar ou não Spring Framework, além de qualquer outra tecnologia Java acessível a partir de um conteiner web.

Através da interface administrativa do CF é possível configurar algumas características do MySQL (se será uma instância única ou um cluster de banco de dados a ser distribuído geograficamente em VMs no AWS). Além do upload do WAR da aplicação a ser instalada automaticamente na VM criada pelo CF, a interface permite indicar o usuário, senha e esquema a serem criados no MySQL e o nome da instância no tc Server para a aplicação.

Ao ativar a VM configurada através do CF, a VM começa a rodar no AWS com um IP e nome na web atribuídos dinamicamente pelo AWS (ou um IP fixo se adquirido no AWS).

Após ter a conta disponível no AWS e no CF, em alguns minutos uma VM estará rodando e acessível através da web com todos os softwares indicados já configurados e em execução. Os maiores tempos são gastos aguardando validação do cartão de crédito pelo AWS e o upload do WAR para o CF.

Para realizar estes testes e conhecer a infra do AWS e CF, escolhi a VM mais barata que está baseada numa máquina com pouca capacidade de processamento e uso de linux (U$ 0.085 / hora para uma VM com 10GB HD, ˜2GB ram, ˜1GB swap e CPU Intel Xeon 2.66GHz). Esta configuração pode ser alterada a qualquer momento, resultando em acréscimos no valor hora.

O CF no momento suporta apenas a infra do AWS. Mas, com a aquisição da SpringSource pela VMware, em breve a infra da VMware também estará disponível. Por enquanto, o CF é beta e, por isso, ainda é gratuito. Portanto, a SpringSource não está cobrando, por enquanto, pelo uso do CF. Mas, não podemos nos iludir, ainda temos que pagar pelo tempo de uso do AWS.

A idéia do CF é legal, principalmente para quem não deseja ter trabalho ou não tem skill para uma configuração detalhada de um linux com as ferramentas indicadas. Contudo, quem domina a administração de um linux e a configuração em cluster de um MySQL, talvez não queira pagar pelo custo do CF no futuro ou deseja ter controle total sobre as otimizações.

Vejo uma vantagem no AWS e CF ao usar uma VM. Neste caso podemos instalar qualquer software e usar qualquer tecnologia plenamente. Contudo, a distribuição é limitada à clusterização de máquinas e serviços (como banco de dados ou servidor de aplicações). Já o mecanismo de cloud da Google impõe restrições na aplicação Java em favor de uma distribuição transparente da aplicação. O Google controla onde a aplicação executa, o JPA não é completamente implementado e as operações de JNDI e acesso a disco não são permitidos. Ambos os modelos são interessantes. Podemos escolher o melhor de acordo os requisitos da aplicação.



O exemplo ilustrado acima foi comentado num post no blog do Spring Brasil User Group com o título: Aplicação web completa com Spring Framework 2.5 disponível.

By Spock
http://blog.spock.com.br/
http://twitter.spock.com.br/
http://www.springbrasil.com.br/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que é Lógica de programação?

Este é o segundo de uma série de posts voltados aos leitores do blog que estão dando início à carreira de desenvolvimento de software. O assunto de hoje é a lógica de programação. Para ler antes: Entendendo como funciona a programação de computadores: linguagens de programação, lógica, banco de dados A lógica de programação é um pré-requisito para quem quer se tornar um desenvolvedor de software, independente da linguagem de programação que se pretende utilizar. Mas o que é de fato a Lógica de Programação e como saber se eu tenho esse pré-requisito? A lógica de programação nada mais é do que a organização coerente das instruções do programa para que seu objetivo seja alcançado. Para criar essa organização, instruções simples do programa, como mudar o valor de uma variável ou desenhar uma imagem na tela do computador, são interconectadas a estruturas lógicas que guiam o fluxo da execução do programa. Isso é muito próximo ao que usamos em nosso cotidiano para realizar atividad

Devo fazer um curso ou ler um livro?

Acredito que todos os instrutores ou professores, independentemente da área, escola ou centro de treinamento, já devam ter recebido essa pergunta alguma vez na vida: devo fazer um curso ou ler um livro? Para responder a essa pergunta, precisamos avaliar os prós e contras de cada opção. Trabalho com treinamento há algum tempo e, hoje, recebi essa pergunta de um aluno. Não adianta responder a ou b sem argumentar, demonstrando as opções conforme a situação do aluno. O conteúdo, a forma de transmissão e a capacidade de assimilação do indivíduo são chaves para haver benefício maior de aprendizado. Tanto em um bom curso quanto em um bom livro, o conteúdo é a premissa básica . Por conteúdo entendemos: se está organizado; se respeita pré-requisitos; se promove o aprendizado guiado e incremental; se aborda de forma satisfatória os principais pontos; se tem bom balanço entre teoria, exemplos e prática (favorecendo exemplos e prática); se tem como premissa a acessibilidade possível (e cabível) pa

TDC ONLINE: SUA PLATAFORMA DE PALESTRAS GRAVADAS DO TDC DISPONÍVEL

Além do conteúdo ao vivo transmitido online nas edições do TDC, agora você pode ter acesso à centenas de palestras gravadas, através da nossa nova plataforma de vídeos - o TDC Online, que reúne todas as Trilhas premium, Stadium e Salas dos Patrocinadores das edições anteriores de 2022, TDC Innovation e TDC Connections.  Para acessar, basta clicar na edição em que você participou ( TDC Innovation ou TDC Connections ); Fazer o mesmo login (com e-mail e senha) cadastrados na hora de adquirir ou resgatar o seu ingresso no TDC; E clicar na Trilha de sua opção, e de acordo com a modalidade do seu ingresso. Logo em seguida, você será direcionado para a seguinte página com a lista de todas as palestras por Trilha: Pronto! Agora você tem acesso à centenas de palestras gravadas da sua área de interesse, para assistir como e quando quiser! Caso tenha esquecido a senha, clique na opção "Esqueci a senha" , insira o e-mail que você realizou para o cadastro no evento, e aparecerá a op

10 reasons why we love JSF

1. One-slide technology: it's so simple that I can explain basic JSF with one slide. 2. Easy to extend: components, listeners, render kit, Events, Controller, etc. 3. Real-world adoption: JBoss, Exadel, Oracle, IBM, ... 4. Architecture model: you can choose between more than 100 different architecture. 5. Open-mind community: using JSF you are going to meet very interesting people. 6. We are using JSF the last 5 years and we found very good market for JSF in Brazil 7. Progress: look to JSf 1.1 to JSF 1.2, JSF 1.2 to JSF 2.0. People are working really hard! 8. Many professionals now available 9. It's a standard. It's JCP. Before complain, report and help! 10. Ed Burns, spec leader, is an old Globalcode community friend! EXTRA: My wife is specialist in JSF. She's my F1 for JSF :) Nice job JSF community! -Vinicius Senger

Lançamento do JDK 7 no TDC2011 em São Paulo

O The Developer's Conference foi realmente um grande momento para toda comunidade de desenvolvedores, um encontro de comunidades de TI onde foi possível interagir com pessoas incríveis das comunidades .NET, PHP, Python, Cloud, Games e tantas outras. Com mais de 200 palestrantes e 25 coordenadores é difícil até citar nomes sem ser injusta. Neste post gostaria de falar um pouco sobre um acontecimento muito especial para a comunidade Java, o Lançamento mundial do JDK 7! A história toda começou há muito tempo atrás, num relacionamento construído ao longo de vários anos de atuação dos membros do SouJava, participando do JavaOne, das JSRs e muito networking. Mas, durante o último JustJava conversamos com Roger Brinkley e Bruno Souza, e tivemos a felicidade de ter o TDC2011 exatamente no dia planejado para o Lançamento Mundial do JDK7. O grande mérito foi do SouJava e do amigo Bruno Souza (JavaMan). Com a participação formal no Executive Committeé do JCP estamos ficando cada vez ma

Saiba como programar para Arduino sem ter nenhum hardware disponível

O Arduino já é uma tecnologia muito difundida entre os amantes de tecnologia. É difícil encontrar um profissional da computação que não brincou um pouco com esta ferramenta de prototipagem ou, que gostaria de fazer isso. Porém, em alguns casos, o programador quer conhecer o arduino mas não dispõe de nenhum hardware, nem mesmo da placa. Como isso poderia ser resolvido? A primeira resposta seria aquela mais simples e direta: ir as compras. Isso pode ser feito em uma loja física ou pela internet. No meu caso, por exemplo, tive a felicidade de encontrar em um site (não me lembro qual) um kit arduino, com um conjunto de sensores e um DVD com 41 vídeo aulas. Mas digamos que o profissional não esteja passando por um bom momento financeiro, ou ainda, simplesmente não queira comprar o Arduino sem antes conhecê-lo um pouco melhor. Para a última situação também já existe uma resposta, e diga-se de passagem, uma excelente resposta. Trata-se do site 123D Circuits.io . Depois de criar seu u