Pular para o conteúdo principal

Novas Tecnologias, Velhos Problemas

Estou envolvido em projetos que demandam diversas integrações com webservices de parceiros comerciais. Ao adotar o stack JAX-WS 2.1 do NetBeans e do Glassfish nossas aplicações facilmente se beneficiam de representações Java das operações e estruturas de dados com as quais temos que interagir. O JAX-WS também tem permitido  velocidade para expor funcionalidades implementadas em Java, para aplicações internas desenvolvidas em outras plataformas.

Toda essa facilidade de integração pode nos animar a princípio, de modo a utilizarmos intensamente esses benefícios. As armadilhas residem em :
 - ignorar o acoplamento com modelos de dados externos ao consumir webservices
 - permitir a transitividade do modelo de dados interno ao prover webservices

O fato é que um contrato de webservice estabelecido hoje pode se tornar obsoleto em alguns meses. Naturalmente existem patterns de arquiteturas orientadas a serviço, adotados do lado do provedor dos webservices, que minimizam o impacto de tais evoluções. Uma prática interessante que tenho observado é o versionamento de serviços. Quando uma nova versão de serviço é disponibilizada a versão antiga continua operante, durante mais uma ou duas evoluções.

Entretanto, o surgimento de uma nova versão de um serviço ocorre por novas necessidades de negócio, e o consumidor do webservice se verá obrigado a migrar mais cedo ou mais tarde. Sob este ponto de vista a manutenção de versões antigas simplesmente permite adiar o impacto da evolução.

Se a aplicação consumidora estabeleceu dependência indireta com as representações Java geradas por ferramentas como o JAX-WS, esta ficará protegida do impacto de evolução dos serviços consumidos. A idéia não é novidade, e é bem discutida em uma publicação de Jens Coldewey, particularmente no tópico Subsystem-Façade (uma releitura do pattern GoF Façade).

Considerando o serviço a ser consumido e sua estrutura de dados como um subsistema, procuramos evitar a utilização direta das classes geradas pelo JAX-WS. Além de utilizar um componente Façade para converter as estruturas de dados do serviço consumido para as estruturas internas da aplicação consumidora, encontramos espaço para outra prática de integração, que eu tenho nomeada como 'Wrapper', e que devo comentar num próximo post.

O mesmo princípio de separação de subsistema é aplicado quando assumimos papel de provedor de serviços via JAX-WS. Considerando que nosso modelo de dados interno pode evoluir, este não é utilizado diretamente na interface dos serviços oferecidos. Combatemos a transitividade de nosso modelo de dados interno, seguindo o design pattern Value Object: criamos um modelo de dados customizado, que pretende permanecer estável para os consumidores dos serviços, ao longo de mudanças internas.

Considero que essas práticas podem ser adotas ao criar webservices em Java utilizando outros mecanismos como o JAX-RS para REST, ou ainda com os precursores JAX-RPC e Apache Axis.

Para expor webservices sem transitividade há também a abordagem Contact-First, utilizada pelo Spring Web Services. Tal abordagem também pode ser utilizada em JAX-WS. Neste caso sempre definimos o schema de dados e operações expostas em primeiro lugar, colocando a geração dos artefatos Java como uma atividade secundária.

A versão original desta discussão pode ser lida em meu blog.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que é Lógica de programação?

Este é o segundo de uma série de posts voltados aos leitores do blog que estão dando início à carreira de desenvolvimento de software. O assunto de hoje é a lógica de programação. Para ler antes: Entendendo como funciona a programação de computadores: linguagens de programação, lógica, banco de dados A lógica de programação é um pré-requisito para quem quer se tornar um desenvolvedor de software, independente da linguagem de programação que se pretende utilizar. Mas o que é de fato a Lógica de Programação e como saber se eu tenho esse pré-requisito? A lógica de programação nada mais é do que a organização coerente das instruções do programa para que seu objetivo seja alcançado. Para criar essa organização, instruções simples do programa, como mudar o valor de uma variável ou desenhar uma imagem na tela do computador, são interconectadas a estruturas lógicas que guiam o fluxo da execução do programa. Isso é muito próximo ao que usamos em nosso cotidiano para realizar atividad

Devo fazer um curso ou ler um livro?

Acredito que todos os instrutores ou professores, independentemente da área, escola ou centro de treinamento, já devam ter recebido essa pergunta alguma vez na vida: devo fazer um curso ou ler um livro? Para responder a essa pergunta, precisamos avaliar os prós e contras de cada opção. Trabalho com treinamento há algum tempo e, hoje, recebi essa pergunta de um aluno. Não adianta responder a ou b sem argumentar, demonstrando as opções conforme a situação do aluno. O conteúdo, a forma de transmissão e a capacidade de assimilação do indivíduo são chaves para haver benefício maior de aprendizado. Tanto em um bom curso quanto em um bom livro, o conteúdo é a premissa básica . Por conteúdo entendemos: se está organizado; se respeita pré-requisitos; se promove o aprendizado guiado e incremental; se aborda de forma satisfatória os principais pontos; se tem bom balanço entre teoria, exemplos e prática (favorecendo exemplos e prática); se tem como premissa a acessibilidade possível (e cabível) pa

TDC ONLINE: SUA PLATAFORMA DE PALESTRAS GRAVADAS DO TDC DISPONÍVEL

Além do conteúdo ao vivo transmitido online nas edições do TDC, agora você pode ter acesso à centenas de palestras gravadas, através da nossa nova plataforma de vídeos - o TDC Online, que reúne todas as Trilhas premium, Stadium e Salas dos Patrocinadores das edições anteriores de 2022, TDC Innovation e TDC Connections.  Para acessar, basta clicar na edição em que você participou ( TDC Innovation ou TDC Connections ); Fazer o mesmo login (com e-mail e senha) cadastrados na hora de adquirir ou resgatar o seu ingresso no TDC; E clicar na Trilha de sua opção, e de acordo com a modalidade do seu ingresso. Logo em seguida, você será direcionado para a seguinte página com a lista de todas as palestras por Trilha: Pronto! Agora você tem acesso à centenas de palestras gravadas da sua área de interesse, para assistir como e quando quiser! Caso tenha esquecido a senha, clique na opção "Esqueci a senha" , insira o e-mail que você realizou para o cadastro no evento, e aparecerá a op

10 reasons why we love JSF

1. One-slide technology: it's so simple that I can explain basic JSF with one slide. 2. Easy to extend: components, listeners, render kit, Events, Controller, etc. 3. Real-world adoption: JBoss, Exadel, Oracle, IBM, ... 4. Architecture model: you can choose between more than 100 different architecture. 5. Open-mind community: using JSF you are going to meet very interesting people. 6. We are using JSF the last 5 years and we found very good market for JSF in Brazil 7. Progress: look to JSf 1.1 to JSF 1.2, JSF 1.2 to JSF 2.0. People are working really hard! 8. Many professionals now available 9. It's a standard. It's JCP. Before complain, report and help! 10. Ed Burns, spec leader, is an old Globalcode community friend! EXTRA: My wife is specialist in JSF. She's my F1 for JSF :) Nice job JSF community! -Vinicius Senger

Lançamento do JDK 7 no TDC2011 em São Paulo

O The Developer's Conference foi realmente um grande momento para toda comunidade de desenvolvedores, um encontro de comunidades de TI onde foi possível interagir com pessoas incríveis das comunidades .NET, PHP, Python, Cloud, Games e tantas outras. Com mais de 200 palestrantes e 25 coordenadores é difícil até citar nomes sem ser injusta. Neste post gostaria de falar um pouco sobre um acontecimento muito especial para a comunidade Java, o Lançamento mundial do JDK 7! A história toda começou há muito tempo atrás, num relacionamento construído ao longo de vários anos de atuação dos membros do SouJava, participando do JavaOne, das JSRs e muito networking. Mas, durante o último JustJava conversamos com Roger Brinkley e Bruno Souza, e tivemos a felicidade de ter o TDC2011 exatamente no dia planejado para o Lançamento Mundial do JDK7. O grande mérito foi do SouJava e do amigo Bruno Souza (JavaMan). Com a participação formal no Executive Committeé do JCP estamos ficando cada vez ma

Saiba como programar para Arduino sem ter nenhum hardware disponível

O Arduino já é uma tecnologia muito difundida entre os amantes de tecnologia. É difícil encontrar um profissional da computação que não brincou um pouco com esta ferramenta de prototipagem ou, que gostaria de fazer isso. Porém, em alguns casos, o programador quer conhecer o arduino mas não dispõe de nenhum hardware, nem mesmo da placa. Como isso poderia ser resolvido? A primeira resposta seria aquela mais simples e direta: ir as compras. Isso pode ser feito em uma loja física ou pela internet. No meu caso, por exemplo, tive a felicidade de encontrar em um site (não me lembro qual) um kit arduino, com um conjunto de sensores e um DVD com 41 vídeo aulas. Mas digamos que o profissional não esteja passando por um bom momento financeiro, ou ainda, simplesmente não queira comprar o Arduino sem antes conhecê-lo um pouco melhor. Para a última situação também já existe uma resposta, e diga-se de passagem, uma excelente resposta. Trata-se do site 123D Circuits.io . Depois de criar seu u