Pular para o conteúdo principal

Open Banking, um conceito para conhecer agora!

Open banking


A inovação tecnológica molda as novas soluções de mercado e, embora algumas delas já tenham caído nas graças do público, como o machine learning, há outro conceito mais abrangente: o Open Banking.

Teremos a primeira Trilha de Open Banking no The Developer's Conference e criamos este artigo, com a revisão e colaboração do Flávio Pimenta, um dos coordenadores membro do comitê técnico do TDC e da trilha Open Banking, para te contar porque o tema é tão importante e vale a pena se envolver agora!

Essa abordagem descreve como os bancos permitem que provedores financeiros regulamentados acessem, usem e compartilhem os dados bancários dos clientes. Porém, tudo é feito apenas com o consentimento do usuário.

Assim que a permissão é concedida, esses provedores de serviços regulamentados poderão agregar as informações que precisam, analisar e começar a criar um perfil de consumidor qualificado.

Hoje, os dados financeiros pessoais são digitais e os consumidores podem acessar, gerenciar e interagir com suas finanças em qualquer lugar, na palma das suas mãos. E, o objetivo do Open Banking é elevar a experiência de finanças pessoais dos clientes.

Embora ver o saldo da sua conta e transferir dinheiro de imediato sejam grandes feitos, eles são apenas a base do que esse conceito pode fazer.

Outros recursos de finanças pessoais oferecidos pelo Open Banking são:

  • dicas de orçamento;

  • recursos de comparação de preços;

  • aconselhamento personalizado sobre os melhores investimentos.

Dessa forma, as finanças passam de reativas a proativas, já que agora você tem um parceiro em segundo plano, analisando dados constantemente e sugerindo o melhor curso de ação considerando o bem-estar financeiro dos seus negócios.

Quer saber mais sobre o assunto? Continue a leitura e conheça os pilares do Open Banking, seu impacto e relação com os desenvolvedores.

Pilares do Open Banking

O Open Banking inclui três pilares principais, que devem ser seguidos de perto de modo que todos os envolvidos nesse ecossistema possam se beneficiar.

Embora todos sejam fundamentais para desenvolver disciplina nos negócios, cada país pode optar por prestar atenção a alguns deles visando uma implementação eficiente.

  • tech: uso de tecnologia de ponta com mecanismos seguros para proteger informações financeiras;

  • análise de dados: as informações são esmiuçadas para oferecer a melhor experiência aos usuários e clientes;

  • comportamento: o Open Banking é resultado das mudanças tecnológicas, regulatórias e, principalmente, do comportamento do cliente.

Entenda os impactos dessa tendência para o mercado

A consultoria McKinsey estima que de 75 a 80% das operações transacionais (operações contábeis gerais e processamento de pagamentos) e até 40% de atividades estratégicas (relatórios, tesouraria, planejamento e análise financeira) podem ser automatizadas.

A equipe de operações terá um conjunto variado de tarefas, portanto, precisará de habilidades diferentes.

Em vez de processar transações ou compilar dados, eles usarão a tecnologia para aconselhar os clientes sobre as melhores opções financeiras e produtos, além de realizar resolução criativa de problemas e desenvolver produtos e serviços que visam melhorar a experiência do usuário.

Os bancos, em outras palavras, vão se parecer empresas de tecnologia.

Customer Centric e Customer Experience

O Open Banking está, rapidamente, se tornando sinônimo de banco centrado no cliente. A prática permite que provedores de serviços financeiros terceirizados tenham acesso aberto aos dados, transações e histórico bancário dos usuários do banco.

Essas informações são compartilhadas com uso de APIs, que conectam bancos a serviços financeiros não bancários.

A ligação entre Open Banking, Customer Centric e Customer Experience é a flexibilidade. Quando se sabe mais sobre as preferências do cliente, históricos de pagamento e necessidades gerais, os serviços financeiros podem ser adaptados às suas necessidades.

Relacionamentos fortes podem ser formados. Além disso, é uma oportunidade dos bancos recuperarem a confiança e o respeito que, normalmente, são desgastados devido à:

  • taxas injustas;

  • violações de dados;

  • produtos sem brilho;

  • experiências de alto atrito.

Economia de APIs

A economia da API representa novos fluxos de receita emergentes devido à maior integração e conectividade entre pessoas, lugares, aplicativos, fluxos de dados e algoritmos.

Essencialmente, é o negócio de produzir valor ao compartilhar suas informações e elementos de interface com outras empresas, ou consumir seus serviços.

Ao trazer especificações padronizadas às APIs no Open Banking, o Banco Central proporciona que as instituições falem a mesma língua. Assim, o desenvolvimento das integrações ao redor desse ecossistema se torna mais rápido e fácil para os desenvolvedores. 

Agora, a partir da implementação das APIs, as áreas de negócio conseguem vislumbrar as estratégias para competir nessa nova vertente de mercado que se apresenta. 

Superapps

Uma das revoluções que esse tipo de negócio apresenta são os serviços financeiros. O WhatsApp, por exemplo, permite aos seus clientes enviarem e receberem dinheiro.

Em relação ao setor bancário, um relatório da consultoria KPMG aponta que, enquanto as instituições financeiras realizam atividades regulamentadas, esses superapps mantêm a experiência e o relacionamento com o cliente.

A consultoria recomenda que os bancos arrisquem nos mercados em que não há superapps que liderem esses serviços, e abram sua arquitetura programática pelo Open Banking e APIs para criar seus próprios superapps de serviços financeiros.

Usabilidade, personalização e inovação

À medida que mais opções de migração estão disponíveis aos clientes, as instituições precisam investir em soluções simples, intuitivas e de excelente usabilidade para atrair um público maior. Essa plataforma deve proporcionar simplicidade e agilidade nas transações.

Da mesma forma, o banco precisa compreender o cliente com intuito de apoiá-lo individualmente e oferecer uma experiência personalizada.

Por fim, a inovação permite que as instituições financeiras evoluam com as soluções que estão usando e acelerem a criação de serviços ainda melhores.

Relação Open Banking x desenvolvedores

O objetivo do Open Banking é resolver os desafios que antes eram ineficientes ou não foram tratados. Por isso, é um instrumento ideal de modo a construir uma variedade de serviços inovadores adaptados a vários negócios, incluindo:

  • auditoria;

  • e-commerce;

  • contabilidade;

  • gestão financeira.

Combinado a plataformas móveis, o Open Banking oferece acesso seguro e rápido a serviços financeiros em qualquer lugar e no formato mais confortável para o usuário.

Os desenvolvedores precisam se envolver com essa tendência e acompanhar sobre o assunto com objetivo de potencializar os resultados das suas ações.

Afinal, o papel do desenvolvedor é significativo para empresas que trabalham com esse modelo de negócio.

Se você gostou de saber mais sobre esse conceito e quer se aprofundar no assunto, acompanhe a trilha Open Banking no TDC CONNECTIONS para dar um salto em sua carreira!

O futuro é Open!

Como desdobramento do Open Banking temos o projeto Open Finance, que envolve mais serviços que terão seus dados compartilhados, como no caso dos investimentos. E, seguindo esta onda, a SUSEP se adiantou e trouxe a proposta do Open Insurance para a área de seguros, que também está a todo vapor.

Open Health e Open Education já estão sendo fomentados e, em breve, chegarão acelerando a competição nesses setores.

Além desses, quais serão as próximas iniciativas “Open”?

Fica aqui nosso convite para participar da 1.ª Trilha Open Banking do TDC Connections, que acontecerá no dia 24 de março. Saiba mais e inscreva-se!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que é Lógica de programação?

Este é o segundo de uma série de posts voltados aos leitores do blog que estão dando início à carreira de desenvolvimento de software. O assunto de hoje é a lógica de programação. Para ler antes: Entendendo como funciona a programação de computadores: linguagens de programação, lógica, banco de dados A lógica de programação é um pré-requisito para quem quer se tornar um desenvolvedor de software, independente da linguagem de programação que se pretende utilizar. Mas o que é de fato a Lógica de Programação e como saber se eu tenho esse pré-requisito? A lógica de programação nada mais é do que a organização coerente das instruções do programa para que seu objetivo seja alcançado. Para criar essa organização, instruções simples do programa, como mudar o valor de uma variável ou desenhar uma imagem na tela do computador, são interconectadas a estruturas lógicas que guiam o fluxo da execução do programa. Isso é muito próximo ao que usamos em nosso cotidiano para realizar atividad

TDC ONLINE: SUA PLATAFORMA DE PALESTRAS GRAVADAS DO TDC DISPONÍVEL

Além do conteúdo ao vivo transmitido online nas edições do TDC, agora você pode ter acesso à centenas de palestras gravadas, através da nossa nova plataforma de vídeos - o TDC Online, que reúne todas as Trilhas premium, Stadium e Salas dos Patrocinadores das edições anteriores de 2022, TDC Innovation e TDC Connections.  Para acessar, basta clicar na edição em que você participou ( TDC Innovation ou TDC Connections ); Fazer o mesmo login (com e-mail e senha) cadastrados na hora de adquirir ou resgatar o seu ingresso no TDC; E clicar na Trilha de sua opção, e de acordo com a modalidade do seu ingresso. Logo em seguida, você será direcionado para a seguinte página com a lista de todas as palestras por Trilha: Pronto! Agora você tem acesso à centenas de palestras gravadas da sua área de interesse, para assistir como e quando quiser! Caso tenha esquecido a senha, clique na opção "Esqueci a senha" , insira o e-mail que você realizou para o cadastro no evento, e aparecerá a op

Muitas vagas, otimismo e sensação de reaquecimento da economia

2010 começou cedo, contrariando a expectativa que muitos Brasileiros tem de "O ano começa mesmo depois do carnaval".  Embora o inicio do ano tenha sido "repleto" de catástrofes naturais e muita chuva aqui no Brasil, no campo profissional o otimismo está evidente, as pessoas estão cheias de energia e boas perspectivas em relação as oportunidades de JavaEE 6 e muitas outras tecnologias. Mas, parece que não são somente as pessoas que estão otimistas, os anúncios de vagas voltaram a crescer, empresas anunciando boas vagas, ou grandes quantidades de vagas, refletindo o que podemos chamar de "Otimismo corporativo" . Veja algumas empresas que anunciaram vagas: IBM SpringSource   Yahoo!  Elumini   Cyberlynxx   Google Kaizen SPC Brasil Se em 2009, um ano de crise fizemos tudo isto , imagine em 2010. E você está preparado ?  Está otimista ? []s Yara http://twitter.com/yarasenger http://twitter.com/globalcode

JavaMail: Enviando mensagem HTML com anexos

Introdução Depois do post "JavaMail: Enviando e-mail com Java" , que apresentava como enviar um e-mail com Java, resolvi complementar a assunto apresentando como enviar uma mensagem formatada, em HTML , e também como realizar o envio de anexos. Bibliotecas Além da biblioteca JavaMail, veja mais no post anterior , é necessário incluir o JavaBeans Activation Framework (JAF), apenas se a versão utilizada for anterior ao JSE 6.0 , que já tem o JAF incluso. O JAF está disponível em http://www.oracle.com/technetwork/java/javase/downloads/index-135046.html , e neste download encontramos, alguns exemplos na pasta demo , documentação, incluindo javadocs, na pasta docs e a biblioteca activation.jar , que deve ser acrescentada no classpath da aplicação para versões anteriores ao JSE 6.0. Exemplo Primeiramente devemos realizar a configuração da javax.mail.Session e da javax.mail.internet.MimeMessage , estes passos podem ser vistos no post anterior . Agora vamos montar um

Devo fazer um curso ou ler um livro?

Acredito que todos os instrutores ou professores, independentemente da área, escola ou centro de treinamento, já devam ter recebido essa pergunta alguma vez na vida: devo fazer um curso ou ler um livro? Para responder a essa pergunta, precisamos avaliar os prós e contras de cada opção. Trabalho com treinamento há algum tempo e, hoje, recebi essa pergunta de um aluno. Não adianta responder a ou b sem argumentar, demonstrando as opções conforme a situação do aluno. O conteúdo, a forma de transmissão e a capacidade de assimilação do indivíduo são chaves para haver benefício maior de aprendizado. Tanto em um bom curso quanto em um bom livro, o conteúdo é a premissa básica . Por conteúdo entendemos: se está organizado; se respeita pré-requisitos; se promove o aprendizado guiado e incremental; se aborda de forma satisfatória os principais pontos; se tem bom balanço entre teoria, exemplos e prática (favorecendo exemplos e prática); se tem como premissa a acessibilidade possível (e cabível) pa

10 reasons why we love JSF

1. One-slide technology: it's so simple that I can explain basic JSF with one slide. 2. Easy to extend: components, listeners, render kit, Events, Controller, etc. 3. Real-world adoption: JBoss, Exadel, Oracle, IBM, ... 4. Architecture model: you can choose between more than 100 different architecture. 5. Open-mind community: using JSF you are going to meet very interesting people. 6. We are using JSF the last 5 years and we found very good market for JSF in Brazil 7. Progress: look to JSf 1.1 to JSF 1.2, JSF 1.2 to JSF 2.0. People are working really hard! 8. Many professionals now available 9. It's a standard. It's JCP. Before complain, report and help! 10. Ed Burns, spec leader, is an old Globalcode community friend! EXTRA: My wife is specialist in JSF. She's my F1 for JSF :) Nice job JSF community! -Vinicius Senger