Pular para o conteúdo principal

Reflexões sobre o Agile Brazil

Duas semanas atrás, participei do Agile Brazil, um grande evento da comunidade antenada com metodologias ágeis, que aconteceu em Porto Alegre. Participei apenas dos dois dias de palestras, não dos cursos que antecederam o evento, que segundo relatos foram ótimos. O pessoal da organização está de parabens: o nível técnico do evento foi excelente e os mais de 800 participantes em geral se mostraram muito satisfeitos com o que viram.

Por sorte, a minha palestra "Testar: impossível" foi logo no início do evento, de maneira que consegui curtir melhor o restante do evento. Alguém falou para mim que não acreditava que testar fosse impossível: nem eu, mas tentei passar a ideia de que testar não é trivial, ilustrado por uma imagem inicial inspirada no mito de Sísifo. Surpeendentemente para mim, o auditório da palestra lotou, apesar de haver 5 sessões simultâneas, até com palestrante internacional. Bom, afinal eu também sou internacional...

Acredito que o interesse da plateia se origina nas dificuldades práticas de aplicar testes quando os testes começam a ser levados à sério, que é uma característica esperada em organizações transicionando para desenvolvimento ágil. Não há agilidade sem testes.

A cada evento, percebe-se que as pessoas trazem mais questões práticas e que cada vez há menos interesse em apresentações do tipo "Agile é o máximo". Quais foram os temas mais falados no evento ?

Do meu ponto de vista (obviamente parcial), houve um número expressivo de palestras falando sobre testes. Boa parte da trilha de engenharia foi tomada por assuntos relacionados a testes.

Arquitetura foi outro tema que teve um grande apelo: ficou superada a ideia de que uma arquitetura emergisse espontaneamente sem haver algum tipo de trabalho prévio. Estamos tentando achar um equilíbrio que não inclua arquiteturas mirabolantes, genéricas e de aplicação supostamente universal nem a fé injustificada na geração espontânea de uma arquitetura consistente a partir do nada.

Relativização da aplicação de metodologias, principalmente Scrum, "by the book". Comparando, por exemplo, com as duas edições do Ágiles (Baires 2008 e Floripa 2009), parecia haver um consenso quase geral (meio "bala de prata") a favor do Scrum de carteirinha. A ideia de "Scrum but" ser necessariamente algo ruim está sendo contestada, sem que o palestrante que faz tal afirmação corra o risco de ser queimado na fogueira por blasfêmia.

As práticas de eXtreme Programming estão voltando a ser valorizadas. Muitas equipes estão descobrindo que não podem deixar de lado as práticas técnicas, e XP articula muito bem uma dinâmica que aproveita a sinergia entre essas práticas. Entre estas, falou-se bastante de integração contínua e de deploy contínuo.

Outro assunto recorrente, derivado também do esquecimento temporário da necessidade de investir na excelência do ofício, foi o da dívida técnica. Participei de uma muvuca ("open space"), convocada por Philippe Kruchten, onde este assunto foi destrinchado.

Causou bastante impacto a palestra do Klaus Wuestefeld, uma das últimas, que retomou o espírito de quando Agile era novidade. Para quem não conhece, o Klaus foi pioneiro na implantação de práticas ágeis no Brasil. Ele organizou os dois primeiros eventos sobre o assunto: XP Brasil 2002 e 2004, nos quais tive a honra de palestrar. Naquela época, "agile" não era fashion: a resistência da turma da gestão era tamanha que, depois de alguém apresentar uma palestra de XP ou Scrum na empresa, os gerentes baixavam decretos proibindo a implantação desse tipo de coisas em suas sacrossantas estruturas de comando e controle. Aconteceu exatamente isso quando convidei o Klaus para palestrar em um condomínio de empresas de tecnologia, por volta de 2003.

O paradoxo é que eu mesmo comecei a me interessar por "metodologias leves" em 2000, justamente em reação à utilização de um tal de "RUP" no projeto em que estava envolvido. Eu me questionava: deve haver uma forma mais racional (sem trocadilhos) de levar adiante o desenvolvimento de sistemas. Descobri o ensaio "A nova metodologia", escrito por Martin Fowler (também presente ao evento) em 1999: a partir dai comecei a puxar o fio da meada, começando por XP. Agora, 10 anos depois, tive a oportunidade de conversar bastante com o Philippe Kruchten, o pai do RUP, que me impressionou muito favoravelmente: afinal, o framework de processos por ele proposto tinha várias boas ideias.

Pena que essas ideias foram enlatadas e marqueteadas como metodologia proprietária por uma corporação interessada principalmente em vender ferramentas CASE por preços nada camaradas. Deu no que deu: na esmagadora maioria das implantações, virou um cascata com artefatos UML: o Processo mUmificado. Aliás, para quem trabalhava com TI nos anos 90 era natural que empresas oferecessem metodologias proprietárias: na prática, um conjunto de formulários e templates que tinha pouca utilidade fora do contexto da empresa que o havia criado. Hoje nem se fala nesse tipo de oferta: ninguém mais acha sentido.

Se tivesse que apostar nas tendências para a próxima temporada de eventos de Agile, seriam Lean, Kanban e assuntos de governança. Vamos aguardar os próximos. Torço para que Dev+Ops, naked planning, usabilidade, gestão de riscos e práticas ágeis para a qualidade entrem também na pauta.

Jorge Diz
twitter: @jorgediz

Comentários

Unknown disse…
Parabéns pelo post!

Mostra um ponto de vista mais crítico do que aquele apresentado por aí, por vários agilistas, sobre o evento e a comunidade de métodos ágeis!
Yara Senger disse…
Eu tambem gostei bastante. 100% estilo Jorge Diz.
Gostaria de mais opiniões sobre o Scrum but e o Scrum by the book. :)
[]s
Yara
Grande Jorge.
Parabéns pelo texto.
Grande abraço.

Postagens mais visitadas deste blog

Melhorando Performance de JPA com Spring Web Flow

No TDC2009 realizado pela Globalcode em São Paulo foi apresentado um Lightning Talk sobre um problema específico de performance em aplicações Web com JPA e uma possível solução usando o Spring Web Flow . Num período de 15 minutos, os slides a seguir foram apresentados e seguidos de alguns vídeos de demonstração de uma aplicação Web em execução. Melhorando performance do JPA com Spring Web Flow View more presentations from Dr. Spock . Nesta apresentação foi dito que temos encontrado problemas de performance em aplicações Web que utilizam as tecnologias JSF + JPA + Ajax quando precisamos gerenciar um contexto de persistência (EntityManager). Estes problemas se manifestam quando aplicamos uma resposta errada para a pergunta: Como gerenciar o contexto de persistência numa aplicação Web? Se as aplicações não usam Ajax e limitam-se ao modelo orientado a requisições, a solução mais comum é o uso do design pattern chamado "Open Session In View Filter". Através deste design

O que é Lógica de programação?

Este é o segundo de uma série de posts voltados aos leitores do blog que estão dando início à carreira de desenvolvimento de software. O assunto de hoje é a lógica de programação. Para ler antes: Entendendo como funciona a programação de computadores: linguagens de programação, lógica, banco de dados A lógica de programação é um pré-requisito para quem quer se tornar um desenvolvedor de software, independente da linguagem de programação que se pretende utilizar. Mas o que é de fato a Lógica de Programação e como saber se eu tenho esse pré-requisito? A lógica de programação nada mais é do que a organização coerente das instruções do programa para que seu objetivo seja alcançado. Para criar essa organização, instruções simples do programa, como mudar o valor de uma variável ou desenhar uma imagem na tela do computador, são interconectadas a estruturas lógicas que guiam o fluxo da execução do programa. Isso é muito próximo ao que usamos em nosso cotidiano para realizar atividad

Dica rápida: Apagando registros duplicados no MySQL

Ola pessoal, Sei que vocês estão acostumados a ver posts meus sobre tecnologia móvel ou algo relacionado, mas hoje vou falar sobre um pequeno "truque" que usei esse final de semana com o MySQL. Eu estava desenvolvendo o lado servidor de uma nova aplicação mobile (ahh, então "tem a ver" com mobile hehe), e quando fui fazer alguns testes percebi que tinha quase 7 mil registros duplicados (!!!) na minha base de dados! Bom, o meu primeiro reflexo como programador foi pensar em fazer um "programinha" Java para buscar e deletar todos esses registros duplicados. Mas ai, resolvi tirar as teias de aranha dos neurônios e usar os vários anos de experiência que passei com SQL e criar uma query que fizesse esse trabalho todo de uma vez!! E a query ficou assim: delete from TABLE_NAME USING  TABLE_NAME, TABLE_NAME  AS  auxtable WHERE   ( NOT  TABLE_NAME.id  =  auxtable.id ) AND   ( TABLE_NAME.name  =  auxtable.name ) Explicação direta: TABLE_NAME

Muitas vagas, otimismo e sensação de reaquecimento da economia

2010 começou cedo, contrariando a expectativa que muitos Brasileiros tem de "O ano começa mesmo depois do carnaval".  Embora o inicio do ano tenha sido "repleto" de catástrofes naturais e muita chuva aqui no Brasil, no campo profissional o otimismo está evidente, as pessoas estão cheias de energia e boas perspectivas em relação as oportunidades de JavaEE 6 e muitas outras tecnologias. Mas, parece que não são somente as pessoas que estão otimistas, os anúncios de vagas voltaram a crescer, empresas anunciando boas vagas, ou grandes quantidades de vagas, refletindo o que podemos chamar de "Otimismo corporativo" . Veja algumas empresas que anunciaram vagas: IBM SpringSource   Yahoo!  Elumini   Cyberlynxx   Google Kaizen SPC Brasil Se em 2009, um ano de crise fizemos tudo isto , imagine em 2010. E você está preparado ?  Está otimista ? []s Yara http://twitter.com/yarasenger http://twitter.com/globalcode

Devo fazer um curso ou ler um livro?

Acredito que todos os instrutores ou professores, independentemente da área, escola ou centro de treinamento, já devam ter recebido essa pergunta alguma vez na vida: devo fazer um curso ou ler um livro? Para responder a essa pergunta, precisamos avaliar os prós e contras de cada opção. Trabalho com treinamento há algum tempo e, hoje, recebi essa pergunta de um aluno. Não adianta responder a ou b sem argumentar, demonstrando as opções conforme a situação do aluno. O conteúdo, a forma de transmissão e a capacidade de assimilação do indivíduo são chaves para haver benefício maior de aprendizado. Tanto em um bom curso quanto em um bom livro, o conteúdo é a premissa básica . Por conteúdo entendemos: se está organizado; se respeita pré-requisitos; se promove o aprendizado guiado e incremental; se aborda de forma satisfatória os principais pontos; se tem bom balanço entre teoria, exemplos e prática (favorecendo exemplos e prática); se tem como premissa a acessibilidade possível (e cabível) pa

JavaLi no Lançamento mundial do JDK7 em São Paulo

O Lançamento mundial do JDK7 foi realizado no dia 7/7 em três cidades simultaneamente: São Paulo (SouJava), Londres (London User Group) e São Francisco (Oracle) com transmissão ao vivo via satélite! Evidentemente as cidades não foram escolhidas por acaso, e podemos enxergar a escolha da cidade de São Paulo como um sinal de reconhecimento à comunidade Java Brasileira, ao SouJava e à Globalcode. Com certeza houveram várias pessoas fundamentais para isto, como o Bruno Souza e o Mauricio Leal responsáveis pela organização e realização do Mês de Java! Veja a entrevista com o JavaLi no TDC2011: Veja também as fotos do Lançamento do JDK7 na cobertura realizada aqui no Globalcoders. É isso aí pessoal, próxima parada ? Trilha Java TDC2011 Goiânia! E você, já se inscreveu? Participe, colabore, divulgue esta iniciativa. []s Yara Senger http://twitter.com/yarasenger