Pular para o conteúdo principal

Reflexões sobre o Agile Brazil

Duas semanas atrás, participei do Agile Brazil, um grande evento da comunidade antenada com metodologias ágeis, que aconteceu em Porto Alegre. Participei apenas dos dois dias de palestras, não dos cursos que antecederam o evento, que segundo relatos foram ótimos. O pessoal da organização está de parabens: o nível técnico do evento foi excelente e os mais de 800 participantes em geral se mostraram muito satisfeitos com o que viram.

Por sorte, a minha palestra "Testar: impossível" foi logo no início do evento, de maneira que consegui curtir melhor o restante do evento. Alguém falou para mim que não acreditava que testar fosse impossível: nem eu, mas tentei passar a ideia de que testar não é trivial, ilustrado por uma imagem inicial inspirada no mito de Sísifo. Surpeendentemente para mim, o auditório da palestra lotou, apesar de haver 5 sessões simultâneas, até com palestrante internacional. Bom, afinal eu também sou internacional...

Acredito que o interesse da plateia se origina nas dificuldades práticas de aplicar testes quando os testes começam a ser levados à sério, que é uma característica esperada em organizações transicionando para desenvolvimento ágil. Não há agilidade sem testes.

A cada evento, percebe-se que as pessoas trazem mais questões práticas e que cada vez há menos interesse em apresentações do tipo "Agile é o máximo". Quais foram os temas mais falados no evento ?

Do meu ponto de vista (obviamente parcial), houve um número expressivo de palestras falando sobre testes. Boa parte da trilha de engenharia foi tomada por assuntos relacionados a testes.

Arquitetura foi outro tema que teve um grande apelo: ficou superada a ideia de que uma arquitetura emergisse espontaneamente sem haver algum tipo de trabalho prévio. Estamos tentando achar um equilíbrio que não inclua arquiteturas mirabolantes, genéricas e de aplicação supostamente universal nem a fé injustificada na geração espontânea de uma arquitetura consistente a partir do nada.

Relativização da aplicação de metodologias, principalmente Scrum, "by the book". Comparando, por exemplo, com as duas edições do Ágiles (Baires 2008 e Floripa 2009), parecia haver um consenso quase geral (meio "bala de prata") a favor do Scrum de carteirinha. A ideia de "Scrum but" ser necessariamente algo ruim está sendo contestada, sem que o palestrante que faz tal afirmação corra o risco de ser queimado na fogueira por blasfêmia.

As práticas de eXtreme Programming estão voltando a ser valorizadas. Muitas equipes estão descobrindo que não podem deixar de lado as práticas técnicas, e XP articula muito bem uma dinâmica que aproveita a sinergia entre essas práticas. Entre estas, falou-se bastante de integração contínua e de deploy contínuo.

Outro assunto recorrente, derivado também do esquecimento temporário da necessidade de investir na excelência do ofício, foi o da dívida técnica. Participei de uma muvuca ("open space"), convocada por Philippe Kruchten, onde este assunto foi destrinchado.

Causou bastante impacto a palestra do Klaus Wuestefeld, uma das últimas, que retomou o espírito de quando Agile era novidade. Para quem não conhece, o Klaus foi pioneiro na implantação de práticas ágeis no Brasil. Ele organizou os dois primeiros eventos sobre o assunto: XP Brasil 2002 e 2004, nos quais tive a honra de palestrar. Naquela época, "agile" não era fashion: a resistência da turma da gestão era tamanha que, depois de alguém apresentar uma palestra de XP ou Scrum na empresa, os gerentes baixavam decretos proibindo a implantação desse tipo de coisas em suas sacrossantas estruturas de comando e controle. Aconteceu exatamente isso quando convidei o Klaus para palestrar em um condomínio de empresas de tecnologia, por volta de 2003.

O paradoxo é que eu mesmo comecei a me interessar por "metodologias leves" em 2000, justamente em reação à utilização de um tal de "RUP" no projeto em que estava envolvido. Eu me questionava: deve haver uma forma mais racional (sem trocadilhos) de levar adiante o desenvolvimento de sistemas. Descobri o ensaio "A nova metodologia", escrito por Martin Fowler (também presente ao evento) em 1999: a partir dai comecei a puxar o fio da meada, começando por XP. Agora, 10 anos depois, tive a oportunidade de conversar bastante com o Philippe Kruchten, o pai do RUP, que me impressionou muito favoravelmente: afinal, o framework de processos por ele proposto tinha várias boas ideias.

Pena que essas ideias foram enlatadas e marqueteadas como metodologia proprietária por uma corporação interessada principalmente em vender ferramentas CASE por preços nada camaradas. Deu no que deu: na esmagadora maioria das implantações, virou um cascata com artefatos UML: o Processo mUmificado. Aliás, para quem trabalhava com TI nos anos 90 era natural que empresas oferecessem metodologias proprietárias: na prática, um conjunto de formulários e templates que tinha pouca utilidade fora do contexto da empresa que o havia criado. Hoje nem se fala nesse tipo de oferta: ninguém mais acha sentido.

Se tivesse que apostar nas tendências para a próxima temporada de eventos de Agile, seriam Lean, Kanban e assuntos de governança. Vamos aguardar os próximos. Torço para que Dev+Ops, naked planning, usabilidade, gestão de riscos e práticas ágeis para a qualidade entrem também na pauta.

Jorge Diz
twitter: @jorgediz

Comentários

Unknown disse…
Parabéns pelo post!

Mostra um ponto de vista mais crítico do que aquele apresentado por aí, por vários agilistas, sobre o evento e a comunidade de métodos ágeis!
Yara Senger disse…
Eu tambem gostei bastante. 100% estilo Jorge Diz.
Gostaria de mais opiniões sobre o Scrum but e o Scrum by the book. :)
[]s
Yara
Grande Jorge.
Parabéns pelo texto.
Grande abraço.

Postagens mais visitadas deste blog

2º Bate Papo do SP-GTUG - Divulgação

Pessoal, Para aqueles que já estiveram presentes nas atividades do SP-GTUG (encontros ou bate papos na Globalcode), e para os que ainda não puderam estar presentes, teremos um novo bate papo acerca de mais duas tecnologias do Google: AdSense e Python no GAE. Este será o nosso segundo bate papo do SP-GTUG, nos mesmos moldes dos minicursos da Globalcode . Local e data O bate papo acontecerá no dia 27/03/10, das 10:00 às 13:00 na Globalcode. Para fazer sua inscrição e participar acesse a home da Globalcode e vá até a parte de "Minicursos Gratuitos da Semana ". Conteúdo das apresentações Abaixo seguem as descrições passadas pelos palestrantes: Título: "Algoritmos em Python" Resumo: Python é uma linguagem considerada frugal, simples, sem ser simplória! Entenda como construir algoritmos ninjas com essa linguagem, adotada pela Google e pelo MIT. Veremos muito, muito código, desde algoritmos clássicos até tutoriais do

10 reasons why we love JSF

1. One-slide technology: it's so simple that I can explain basic JSF with one slide. 2. Easy to extend: components, listeners, render kit, Events, Controller, etc. 3. Real-world adoption: JBoss, Exadel, Oracle, IBM, ... 4. Architecture model: you can choose between more than 100 different architecture. 5. Open-mind community: using JSF you are going to meet very interesting people. 6. We are using JSF the last 5 years and we found very good market for JSF in Brazil 7. Progress: look to JSf 1.1 to JSF 1.2, JSF 1.2 to JSF 2.0. People are working really hard! 8. Many professionals now available 9. It's a standard. It's JCP. Before complain, report and help! 10. Ed Burns, spec leader, is an old Globalcode community friend! EXTRA: My wife is specialist in JSF. She's my F1 for JSF :) Nice job JSF community! -Vinicius Senger

Gosta de informática e sonha ser programador Java um dia ?

A Globalcode está procurando jovens que queiram ser programadores no futuro, para fazer parte de sua equipe de vendas e operacional na unidade Paraíso em São Paulo somente. O grande diferencial é o planejamento para carreira de programador. O planejamento de cursos do portifólio da Globalcode: Academia do Programador, Academia Java, Academia Web, Robótica, Eletrônica, etc, será realizado periodicamente de acordo com o desempenho e interesse individual. Atenção : Este não é um estágio para trabalhar com Java, são duas vagas CLT administrativas para pessoas que queiram ser programadores no futuro. Perfil : Conhecimentos de informática básica, saber lidar com pessoas e trabalhar em equipe. Deve ter concluído o ensino médio, ter boa escrita, ser organizado, responsável, comprometido e dinâmico. Interesse por computação, programação, internet, robótica, eletrônica,... Temos duas vagas para jovem-aprendiz abertas: 1) Setor operacional No dia a dia Serviços externos Controle de estoqu

JSF 2 - Composite Components, você não precisa mais ser um ninja

Estamos em uma nova era da computação, os dados não estão mais localizados em um banco dentro de sua empresa, vivemos a explosão de redes sociais, informações são geradas a todo instante, e se torna essencial que sua aplicação conheça os serviços disponíveis na web e consumam suas APIs geralmente disponíveis por serviços REST. Legal, mas como ficam meus aplicativos Java EE neste novo cenário? Para quem vem acompanhando a evolução da plataforma, é notório que todo esforço vem sendo utilizado para aumentar a produtividade e a integração com novos serviços. Basicamente duas especificações surgem com muita força para atender este cenário, a JSR - 314 (JSF-2) e JSR - 311 (JAX-RS), neste post exploraremos a JSR-314 (JSF2) e sua nova forma de criar Composite Components. Uma das grandes queixas dos desenvolvedores JSF era a complexidade em criar composite components, era necessário um vasto conhecimento sobre o ciclo de vida de uma aplicação JSF. Agora, você não precisa ser mais um “ninja” em

JavaMail: Enviando mensagem HTML com anexos

Introdução Depois do post "JavaMail: Enviando e-mail com Java" , que apresentava como enviar um e-mail com Java, resolvi complementar a assunto apresentando como enviar uma mensagem formatada, em HTML , e também como realizar o envio de anexos. Bibliotecas Além da biblioteca JavaMail, veja mais no post anterior , é necessário incluir o JavaBeans Activation Framework (JAF), apenas se a versão utilizada for anterior ao JSE 6.0 , que já tem o JAF incluso. O JAF está disponível em http://www.oracle.com/technetwork/java/javase/downloads/index-135046.html , e neste download encontramos, alguns exemplos na pasta demo , documentação, incluindo javadocs, na pasta docs e a biblioteca activation.jar , que deve ser acrescentada no classpath da aplicação para versões anteriores ao JSE 6.0. Exemplo Primeiramente devemos realizar a configuração da javax.mail.Session e da javax.mail.internet.MimeMessage , estes passos podem ser vistos no post anterior . Agora vamos montar um

TDC INNOVATION lança University Pass

Modalidade de ingresso tem como objetivo ajudar na capacitação dos universitários Uma pesquisa realizada em 2020 pela Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom) diz que até o ano de 2024 o Brasil precisará de cerca de 420 mil profissionais na área de Tecnologia da Informação. Porém, por ano, a mesma pesquisa diz que o país forma apenas 46 mil profissionais capacitados no nicho. Pensando nisso, para ajudar na formação e capacitação desses jovens profissionais, o TDC INNOVATION, segunda edição do ano do The Developer's Conference, lança o University Pass, modalidade de ingresso que possibilita aceso digital gratuito a todas as palestras do evento, ou com 50% de desconto para quem preferir ir pessoalmente. Com o tema central “Desafios para a criação do futuro Digital”, o TDC INNOVATION ocorrerá entre 1 e 3 de junho, de forma híbrida: presencialmente no Centro de Convenções CentroSul, em Florianópolis, e com transmissão simultaneamente pela