Pular para o conteúdo principal

Design Patterns - Será que preciso aprender?

O termo Design Patterns (padrões de projeto) foi criado originalmente pelo engenheiro Christopher Alexander para documentar as soluções de projeto comumente utilizados na construção civil. Mais tarde, o termo passou a ser utilizado na área de informática como forma de descrever soluções para problemas encontrados no projeto de software orientado a objetos.

Com o surgimento dos frameworks mais modernos como JBoss Seam, Spring, entre outros, muito se tem discutido a respeito da importância dos Design Patterns.

Na época em que o programador escrevia grande parte do código de controle das aplicações, padrões como Singleton, Façade, DAO, Chain of Responsability, Command, entre outros, eram frequentemente utilizados para criar os pontos de extensão da aplicação, por onde novas funcionalidades podiam ser criadas sem a necessidade de mudanças drásticas no código existente.

Como atualmente a maioria das aplicações é construída sobre um framework, muitos desses padrões já estão incorporados ao projeto por fazerem parte dos frameworks. Por isso, especialistas garantem que nós não precisamos mais utilizar muitos dos Design Patterns existentes.

De fato, se pensarmos em usar os design patterns para resolver os problemas do núcleo da nossa aplicação, realmente eles não precisam ser implementados diretamente pelo programador. Porém, vários Design Patterns vão muito além dessa forma de utilização e apresentam soluções valiosíssimas para questões particulares de cada projeto. Problemas como a necessidade de executar regras específicas com base num modelo de herança complexo ou no estado de um objeto podem ser facilmente resolvidos usando Design Patterns que, além de padronizar o código, oferece facilidades para extender/alterar o modelo futuramente. Alguns exemplos de padrões que atacam essa linha são Strategy, State, Bridge, Decorator, entre outros.

Portanto, mesmo construindo aplicações a partir dos frameworks mais modernos, o conhecimento sobre Design Patterns continua sendo de grande importância para quem trabalha com linguagens orientadas a objetos, como Java, C#, etc.

E mais importante do que saber como implementar um Design Pattern, é saber qual é o problema que você pode resolver com cada padrão. Eu já ouvi várias pessoas dizendo que não entendem os padrões ou que não sabem como fazer uso eficiente deles. Isso certamente acontece porque os problemas resolvidos pelos padrões não são conhecidos.

Para quem quer começar a estudar Design Patterns, a referência principal é o catálogo GoF no livro "Padrões de Projeto - Soluções Reutilizáveis de Software Orientado a Objetos", Gamma E. et al. Esse livro descreve 23 padrões que se aplicam aos mais diferentes problemas de orientação a objetos.

Mas se você for a favor de cursos, relembrando o post do nosso amigo Julio Viegas sobre livro ou curso, a Globalcode tem um minicurso gratuito de 3hs - Introdução a Design Patterns - cujo objetivo é introduzir o conceito de Design Patterns e falar sobre alguns dos padrões mais conhecidos. Uma outra opção, mais apronfundada, é o curso - Core Patterns - de 40hs que trata dos 23 design patterns do GoF e outros 10 do catálogo Java EE BluePrints, com uma abordagem bastante voltada para os problemas resolvidos pelos padrões.

Para quem está lendo esse post em tempo, dia 19 de agosto eu mesma irei ministrar o minicurso de design patterns na Globalcode. Para se inscrever nesse minicurso ou ver outras datas disponíveis acesse o site da Globalcode.

Uma outra fonte de informação é uma entrevista onde comento um pouco mais sobre o que são os Design Patterns e como identificar a necessidade de utilizá-los em nossos projetos.

Comentários

Marcio Duran disse…
Acredito que o assunto pode mesmo também ser debatido em ambito de como eu indentifico o modelo para o think patterns a ser utilizado.

Quero aqui deixar um link que fala sobre algo já discutido nesse portal.

Compondo seu comportamento: herança, Chain of Responsibility e Interceptors

http://blog.caelum.com.br/2010/06/28/compondo-seu-comportamento-heranca-chain-of-responsibility-e-interceptors/

Nesse link foi observado se Singleton não seria o canditado ao patterns de controle.

Nesse outro link são demonstra exemplo em experiência ao Padrões de Projetos.

http://www.javabuilding.com/academy/patterns.html

Dizer que a industria já fornece os desing patterns que já são vinculados em seus frameworks em regra temos um modelo default mas na certa refatorações e transformações vão ocorrer a não ser que já seja algo em propriedade ou lincença para suporte de algum fornecedor.

Postagens mais visitadas deste blog

Melhorando Performance de JPA com Spring Web Flow

No TDC2009 realizado pela Globalcode em São Paulo foi apresentado um Lightning Talk sobre um problema específico de performance em aplicações Web com JPA e uma possível solução usando o Spring Web Flow . Num período de 15 minutos, os slides a seguir foram apresentados e seguidos de alguns vídeos de demonstração de uma aplicação Web em execução. Melhorando performance do JPA com Spring Web Flow View more presentations from Dr. Spock . Nesta apresentação foi dito que temos encontrado problemas de performance em aplicações Web que utilizam as tecnologias JSF + JPA + Ajax quando precisamos gerenciar um contexto de persistência (EntityManager). Estes problemas se manifestam quando aplicamos uma resposta errada para a pergunta: Como gerenciar o contexto de persistência numa aplicação Web? Se as aplicações não usam Ajax e limitam-se ao modelo orientado a requisições, a solução mais comum é o uso do design pattern chamado "Open Session In View Filter". Através deste design

Dica rápida: Apagando registros duplicados no MySQL

Ola pessoal, Sei que vocês estão acostumados a ver posts meus sobre tecnologia móvel ou algo relacionado, mas hoje vou falar sobre um pequeno "truque" que usei esse final de semana com o MySQL. Eu estava desenvolvendo o lado servidor de uma nova aplicação mobile (ahh, então "tem a ver" com mobile hehe), e quando fui fazer alguns testes percebi que tinha quase 7 mil registros duplicados (!!!) na minha base de dados! Bom, o meu primeiro reflexo como programador foi pensar em fazer um "programinha" Java para buscar e deletar todos esses registros duplicados. Mas ai, resolvi tirar as teias de aranha dos neurônios e usar os vários anos de experiência que passei com SQL e criar uma query que fizesse esse trabalho todo de uma vez!! E a query ficou assim: delete from TABLE_NAME USING  TABLE_NAME, TABLE_NAME  AS  auxtable WHERE   ( NOT  TABLE_NAME.id  =  auxtable.id ) AND   ( TABLE_NAME.name  =  auxtable.name ) Explicação direta: TABLE_NAME

O que é Lógica de programação?

Este é o segundo de uma série de posts voltados aos leitores do blog que estão dando início à carreira de desenvolvimento de software. O assunto de hoje é a lógica de programação. Para ler antes: Entendendo como funciona a programação de computadores: linguagens de programação, lógica, banco de dados A lógica de programação é um pré-requisito para quem quer se tornar um desenvolvedor de software, independente da linguagem de programação que se pretende utilizar. Mas o que é de fato a Lógica de Programação e como saber se eu tenho esse pré-requisito? A lógica de programação nada mais é do que a organização coerente das instruções do programa para que seu objetivo seja alcançado. Para criar essa organização, instruções simples do programa, como mudar o valor de uma variável ou desenhar uma imagem na tela do computador, são interconectadas a estruturas lógicas que guiam o fluxo da execução do programa. Isso é muito próximo ao que usamos em nosso cotidiano para realizar atividad

10 reasons why we love JSF

1. One-slide technology: it's so simple that I can explain basic JSF with one slide. 2. Easy to extend: components, listeners, render kit, Events, Controller, etc. 3. Real-world adoption: JBoss, Exadel, Oracle, IBM, ... 4. Architecture model: you can choose between more than 100 different architecture. 5. Open-mind community: using JSF you are going to meet very interesting people. 6. We are using JSF the last 5 years and we found very good market for JSF in Brazil 7. Progress: look to JSf 1.1 to JSF 1.2, JSF 1.2 to JSF 2.0. People are working really hard! 8. Many professionals now available 9. It's a standard. It's JCP. Before complain, report and help! 10. Ed Burns, spec leader, is an old Globalcode community friend! EXTRA: My wife is specialist in JSF. She's my F1 for JSF :) Nice job JSF community! -Vinicius Senger

Devo fazer um curso ou ler um livro?

Acredito que todos os instrutores ou professores, independentemente da área, escola ou centro de treinamento, já devam ter recebido essa pergunta alguma vez na vida: devo fazer um curso ou ler um livro? Para responder a essa pergunta, precisamos avaliar os prós e contras de cada opção. Trabalho com treinamento há algum tempo e, hoje, recebi essa pergunta de um aluno. Não adianta responder a ou b sem argumentar, demonstrando as opções conforme a situação do aluno. O conteúdo, a forma de transmissão e a capacidade de assimilação do indivíduo são chaves para haver benefício maior de aprendizado. Tanto em um bom curso quanto em um bom livro, o conteúdo é a premissa básica . Por conteúdo entendemos: se está organizado; se respeita pré-requisitos; se promove o aprendizado guiado e incremental; se aborda de forma satisfatória os principais pontos; se tem bom balanço entre teoria, exemplos e prática (favorecendo exemplos e prática); se tem como premissa a acessibilidade possível (e cabível) pa

JavaMail: Enviando mensagem HTML com anexos

Introdução Depois do post "JavaMail: Enviando e-mail com Java" , que apresentava como enviar um e-mail com Java, resolvi complementar a assunto apresentando como enviar uma mensagem formatada, em HTML , e também como realizar o envio de anexos. Bibliotecas Além da biblioteca JavaMail, veja mais no post anterior , é necessário incluir o JavaBeans Activation Framework (JAF), apenas se a versão utilizada for anterior ao JSE 6.0 , que já tem o JAF incluso. O JAF está disponível em http://www.oracle.com/technetwork/java/javase/downloads/index-135046.html , e neste download encontramos, alguns exemplos na pasta demo , documentação, incluindo javadocs, na pasta docs e a biblioteca activation.jar , que deve ser acrescentada no classpath da aplicação para versões anteriores ao JSE 6.0. Exemplo Primeiramente devemos realizar a configuração da javax.mail.Session e da javax.mail.internet.MimeMessage , estes passos podem ser vistos no post anterior . Agora vamos montar um