Pular para o conteúdo principal

Android SDK Tools (r21) e suas novas ferramentas

Há pouca mais de uma semana, foi lançada a nova versão do Android SDK para o Jelly Bean, o Android 4.2. Com ele, também foi atualizada a versão do ADT (Android Developer Tools). As novas features são muito interessantes, agilizam o desenvolvimento e fornecem novos meios de combater a fragmentação de hardware da plataforma. Sendo assim, vou demonstrar algumas das principais novidades aqui neste breve artigo.

Novos Templates

Nas primeiras versões do ADT existia um número muito limitado de templates de interfaces gráficas que poderíamos utilizar. No Revision 20 já foram adicionados dois itens: uma interface máster-detail com uso de fragments e, uma tela em branco, somente com a barra superior e uma área central onde inserimos nossas widgets.

E, mais recentemente, na Revision 21, foram adicionados mais três templates muito úteis.

Um deles é uma tela de preferências. Segundo o comentário na classe PreferenceActivity gerada pelo ADT: uma preferenceactivity que apresenta um conjunto de configurações da aplicação. Em dispositivos handset, configurações são apresentadas em uma lista. Em tablets, configurações são divididas em categorias, com o cabeçalho das categorias mostrada a esquerda da lista de configurações. Veja uma representação na Figura 1:

Figura 1: template de configurações.

Outro template cria uma tela para visualização de imagem ou vídeo. Ela fica full-screen até que o usuário clique na tela, neste momento, a barra de status é exibida por alguns segundos. Veja na Figura 2 uma representação. Na Figura 3 o aplicativo criado com o template sendo testado em um Galaxy Ace e, na Figura 4, o instante em que o usuário tocar a tela do Ace.

Figura 2: representação

Figura 3: aplicativo

Figura 4: aplicativo após toque na tela.

E isso não é tudo. O próprio ADT já cria três classes auxiliares: SystemUiHider, SystemUiBase e SystemUiHiderHoneycomb. Com estas classes é possível mostrar e esconder certos componentes de UI que só estão presentes em versões mais recentes do sistema operacional Android.

Veja o que a documentação da classe SystemUiHider nos diz: Uma classe utilitária que ajuda a mostrar e esconder UI do sistema, como a barra de status e a barra de sistema/navageação. Esta classe utiliza técnicas de compatibilidade com versões anteriores, para garantir que dispositivos rodando qualquer versão do Android OS sejam suportados.

O último template refere-se a uma típica de tela de login, com um campo de usuário e senha e um botão para verificar a autenticidade do mesmo. Veja na Figura 5 sua representação:

Figura 5: template de tela de login.

O template é tão bem feito que a classe Acitivyt apresenta um esqueleto completo, com uma classe AsyncTask para uma possível verificação de senha mais demorada e utilização da ViewPropertyAnimator API, disponível a partir do Honeycomb MR2. Veja este código de animação abaixo:


if (Build.VERSION.SDK_INT >= Build.VERSION_CODES.HONEYCOMB_MR2) {
 int shortAnimTime = getResources().getInteger(android.R.integer.config_shortAnimTime);

 mLoginStatusView.setVisibility(View.VISIBLE);
 mLoginStatusView.animate().setDuration(shortAnimTime)
  .alpha(show ? 1 : 0)
  .setListener(new AnimatorListenerAdapter() {
   @Override
   public void onAnimationEnd(Animator animation) {
    mLoginStatusView.setVisibility(show ? View.VISIBLE
        : View.GONE);
   }
 });

 mLoginFormView.setVisibility(View.VISIBLE);
 mLoginFormView.animate().setDuration(shortAnimTime)
  .alpha(show ? 0 : 1)
  .setListener(new AnimatorListenerAdapter() {
   @Override
   public void onAnimationEnd(Animator animation) {
    mLoginFormView.setVisibility(show ? View.GONE
        : View.VISIBLE);
   }
  });
} else {
// The ViewPropertyAnimator APIs are not available, so simply show
 // and hide the relevant UI components.
 mLoginStatusView.setVisibility(show ? View.VISIBLE : View.GONE);
 mLoginFormView.setVisibility(show ? View.GONE : View.VISIBLE);
}


Editor de UI poderoso

Quando vamos editar um arquivo XML que representa uma Activity de nossa aplicação, podemos fazer isso via código ou, através de uma representação gráfica e com ajuda do drag-and-drop. Na nova versão do ADT esta ferramenta recebeu aporte de novas e interessantes features.

Quando optamos pelo Graphical Layout, agora temos uma opção que fica no canto superior esquerdo, chamado de “Configuration to render this layout with in Eclipse”. Dentro das opções listadas por esta ferramenta, podemos escolher “Preview Representative Sample”. Sendo assim, veremos o layout que estamos construindo em diferentes tipos representativos de telas. Veja a Figura 6:

Figura 6: Graphical layout.

Desta forma, fica muito mais fácil gerenciarmos nossa interface gráfica do usuário nas diferentes versões de tela que o Android possui. Além disso, esta feature apresenta outra opção valiosa. Na opção Preview Layout Versions veremos para quais versões de tela nós estamos criando um layout. Ou seja, suponhamos que no meu aplicativo eu tenha criado um layout específico com a pasta layout-v11. Vou ver no Graphical Layout a Figura 7:

Figura 7: Graphical layout com minhas versões de tela.

E não para por aí não. O Graphical Layout apresenta um ícone de um globo, onde podemos especificar para uma versão de tela específica qual a localidade que estamos simulando.



Criação de AVD´s

O processo de criação de um Android Virtual Device também sofreu mudanças. Agora, é possível indicar em qual aparelho ele se baseará. Veja a Figura 8 e a caixa de seleção Device:

Figura 8: Criação de AVD.

Além disso, o novo ADT ainda nos fornece ferramentas como o UI Automator Test Framework, uma ferramenta gráfica para scanear e analisar os componentes de uma aplicação Android, mais uma biblioteca com APIs para criar funcionalidades automatizadas de testes e uma engine para automatizar e rodar testes em vários dispositivos físicos.

E, finalmente, conta com um instalador de SDK com somente 1 clique, baixando todos os componentes do SDK, como Tools, Platform Tools, Eclipse ADT e imagens de sistema. Tudo isso de forma muito mais conveniente.

O próximo passo é só começar a desenvolver.

Comentários

Matheus Gomes disse…
Cara, sensacional... para quem não sabe design é uma mão na roda!
Yara Senger disse…
Parabens Ricardo! Muito legal o post!
Unknown disse…
Muito bom o post!! Parabéns!

Postagens mais visitadas deste blog

JavaMail: Enviando mensagem HTML com anexos

Introdução Depois do post "JavaMail: Enviando e-mail com Java" , que apresentava como enviar um e-mail com Java, resolvi complementar a assunto apresentando como enviar uma mensagem formatada, em HTML , e também como realizar o envio de anexos. Bibliotecas Além da biblioteca JavaMail, veja mais no post anterior , é necessário incluir o JavaBeans Activation Framework (JAF), apenas se a versão utilizada for anterior ao JSE 6.0 , que já tem o JAF incluso. O JAF está disponível em http://www.oracle.com/technetwork/java/javase/downloads/index-135046.html , e neste download encontramos, alguns exemplos na pasta demo , documentação, incluindo javadocs, na pasta docs e a biblioteca activation.jar , que deve ser acrescentada no classpath da aplicação para versões anteriores ao JSE 6.0. Exemplo Primeiramente devemos realizar a configuração da javax.mail.Session e da javax.mail.internet.MimeMessage , estes passos podem ser vistos no post anterior . Agora vamos montar um

O que é Lógica de programação?

Este é o segundo de uma série de posts voltados aos leitores do blog que estão dando início à carreira de desenvolvimento de software. O assunto de hoje é a lógica de programação. Para ler antes: Entendendo como funciona a programação de computadores: linguagens de programação, lógica, banco de dados A lógica de programação é um pré-requisito para quem quer se tornar um desenvolvedor de software, independente da linguagem de programação que se pretende utilizar. Mas o que é de fato a Lógica de Programação e como saber se eu tenho esse pré-requisito? A lógica de programação nada mais é do que a organização coerente das instruções do programa para que seu objetivo seja alcançado. Para criar essa organização, instruções simples do programa, como mudar o valor de uma variável ou desenhar uma imagem na tela do computador, são interconectadas a estruturas lógicas que guiam o fluxo da execução do programa. Isso é muito próximo ao que usamos em nosso cotidiano para realizar atividad

Devo fazer um curso ou ler um livro?

Acredito que todos os instrutores ou professores, independentemente da área, escola ou centro de treinamento, já devam ter recebido essa pergunta alguma vez na vida: devo fazer um curso ou ler um livro? Para responder a essa pergunta, precisamos avaliar os prós e contras de cada opção. Trabalho com treinamento há algum tempo e, hoje, recebi essa pergunta de um aluno. Não adianta responder a ou b sem argumentar, demonstrando as opções conforme a situação do aluno. O conteúdo, a forma de transmissão e a capacidade de assimilação do indivíduo são chaves para haver benefício maior de aprendizado. Tanto em um bom curso quanto em um bom livro, o conteúdo é a premissa básica . Por conteúdo entendemos: se está organizado; se respeita pré-requisitos; se promove o aprendizado guiado e incremental; se aborda de forma satisfatória os principais pontos; se tem bom balanço entre teoria, exemplos e prática (favorecendo exemplos e prática); se tem como premissa a acessibilidade possível (e cabível) pa

Lançamento do JDK 7 no TDC2011 em São Paulo

O The Developer's Conference foi realmente um grande momento para toda comunidade de desenvolvedores, um encontro de comunidades de TI onde foi possível interagir com pessoas incríveis das comunidades .NET, PHP, Python, Cloud, Games e tantas outras. Com mais de 200 palestrantes e 25 coordenadores é difícil até citar nomes sem ser injusta. Neste post gostaria de falar um pouco sobre um acontecimento muito especial para a comunidade Java, o Lançamento mundial do JDK 7! A história toda começou há muito tempo atrás, num relacionamento construído ao longo de vários anos de atuação dos membros do SouJava, participando do JavaOne, das JSRs e muito networking. Mas, durante o último JustJava conversamos com Roger Brinkley e Bruno Souza, e tivemos a felicidade de ter o TDC2011 exatamente no dia planejado para o Lançamento Mundial do JDK7. O grande mérito foi do SouJava e do amigo Bruno Souza (JavaMan). Com a participação formal no Executive Committeé do JCP estamos ficando cada vez ma

Literais da Linguagem Java

Na última semana, tive uma conversa com um profissional Java iniciante que me apresentou dúvidas sobre o uso de valores hexadecimal na linguagem, inicialmente entendi que ele precisava da representação textual de um valor hexadecimal, então apresentei um método da classe wrapper Integer, conforme segue: int valor = 15; System.out.println(Integer.toHexString(valor)); //Imprime f Só então após mostrar este exemplo, ficou claro que ele precisava exatamente do contrário, ou seja, qual a forma mais fácil de converter um número hexadecimal para um número decimal para atribuição a uma variável primitiva inteira. Esclareci que para isso não havia necessidade de conversão, bastaria usar uma literal hexadecimal presente na linguagem Java da seguinte forma: int valor = 0xf; // ou 0XF System.out.println(valor); //Imprime 15 Este episódio me motivou a escrever este post sobre os literais da Linguagem Java, então vamos lá. De acordo com a especificação da linguagem (The Java™ Language Specification

Entendendo como funciona a programação de computadores: linguagens de programação, lógica, banco de dados

Nesse post, diferente dos últimos que foram mais enfáticos nas experiências com tecnologias, vou focar um pouco mais nos profissionais que estão começando, ou pretendem ingressar na área de desenvolvimento de software, falando sobre conceitos fundamentais relacionados a programação em geral . Mercado de trabalho para programação Conforme já sabemos, o mercado de desenvolvimento de software, especialmente no Brasil, continua em franca expansão, sendo que cada vez mais as empresas buscam desenvolver seus próprios sistemas usando as mais diferentes e novas tecnologias. Algumas matérias interessantes: As seis profissões mais valorizadas em 2010 no IDG Now! Muitas vagas e sensação de reaquecimento da economia Por isso, a área de desenvolvimento de software tem despertado interesse em muitos profissionais de outras áreas que desejam mudar de profissão, já que as oportunidades de trabalho tendem a ser maiores. Esse é um perfil presente em muitos dos clientes da Globalcode que acabou m