Pular para o conteúdo principal

Como Scala melhorou meu código Java

Ontem publiquei no meu blog pessoal algumas críticas ao método clone. Eu diria que esse é um assunto um pouco delicado. Resolvi escrever um pouco aqui também em homenagem a uma discussão sobre este mesmo assunto que tivemos em uma das turmas da Academia do Arquiteto, alguns meses atrás.

Antes de entrar nos detalhes, vamos deixar claro o ponto aonde vamos chegar: objetivos imutáveis podem ajudar muito na qualidade do nosso código, e estudar a linguagem Scala me ajudou a enxergar isso. Dito isso, vamos aos pormenores.

O método clone tem pelo menos dois grandes problemas. O primeiro deles é conceitual. Para suportarmos operações de clone em nossos objetos, temos que implementar a interface Cloneable. Faria todo o sentido do mundo, se o método clone estivesse definido nesta interface, e não em Object.

O segundo problema é de ordem mais prática. Vejamos o código abaixo, em Scala, que é o mesmo que usei no meu post mencionado acima:

class A(b: B) extends Cloneable {
  override def clone() = super.clone
  override def toString() = "[A: %s]".format(b)
}

class B(c: C) extends Cloneable {
  override def clone() = super.clone
  override def toString() = "[B: %s]".format(c)
}

class C(var x: Int) extends Cloneable {
  override def clone() = super.clone
  override def toString() = "[C: %d]".format(x)
}

val c = new C(10)
val b = new B(c)
val a = new A(b)

val a2 = a.clone
c.x = -99

Temos três classes, A, B e C. Criamos um objeto a, e depois clonamos ele. O clone, diferente do que pode parecer, faz apenas uma cópia rasa do objeto. Ou seja, ele não vai criar um novo b dentro do a, vai apenas copiar a referência. Se quisermos uma cópia profunda, criando novos objetos internos, temos que implementar isso na nossa sobrecarga do método clone. Veja o que acontece na versão atual:

scala> println(a)
[A: [B: [C: -99]]]

scala> println(a2)
[A: [B: [C: -99]]]

Ou seja, a última linha, c.x = -99, alterou tanto o a quanto o a2, o que não era o que gostaríamos.

E o que Scala tem a ver com tudo isso? Imutabilidade. Isso não é excluisivo desta linguagem, mas um dos pensamentos que linguagens funcionais (o que inclui Scala) traz é a preferência por estruturas de dados imutáveis.

E é aqui que Scala ajuda a melhorar nosso código - nos expondo a novas idéias. Em um pensamento "tradicional" na linguagem java, a tentação seria sobrescrever corretamente o método clone, mesmo isso dando um certo trabalho, e com grande risco de não funcionar corretamente.

Nosso novo pensamento é: vamos remover completamente a funcionalidade de clone e vamos tornar os objetos imutáveis. Algo assim:

case class A(b: B, name: String)
case class B(c: C)
case class C(x: Int)

val c = C(10)
val b = B(c)
val a = A(b, "jcranky")

Agora todos os elementos das nossas classes são imutáveis - i.e. não podem ser alterados. Se quisermos alterar alguma coisa, temos que fazer o que já sabemos fazer com Strings: criar um objeto novo, com a alteração desejada. Denovo no meu post mencionado lá em cima, eu explico um pouco mais sobre como criar esse objeto novo, sem ter que fazer muito trabalho manual.

Além da corretude do código, isso traz diversos outros benefícios, como a não necessidade de locks - o estado não muda, não precisamos bloquear o acesso a ele.

E isso, é claro, é apenas um exemplo. Scala tem muito mais recursos interessantes que, mesmo quando não estamos usando a linguagem, servem para abrir nossa cabeça.

Se quiser saber mais sobre Scala, na semana que vêm teremos mais um turma do Mini Curso gratuito de Scala. E em setembro teremos a primeira turma do Core Scala, um treinamento completo nesta linguagem.

Por fim, o Kleber também publicou dois posts muito bons sobre como começar a programar em Scala, aqui e aqui. Vale a pena ler.

----------
contatos:

blog: http://jcranky.com
twitter: http://twitter.com/jcranky
scaladores: http://scaladores.com.br
core scala:  http://www.globalcode.com.br/treinamentos/cursos/core-scala

Comentários

Yara Senger disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Yara Senger disse…
Muito bacana este post!Parabens!

Postagens mais visitadas deste blog

2º Bate Papo do SP-GTUG - Divulgação

Pessoal, Para aqueles que já estiveram presentes nas atividades do SP-GTUG (encontros ou bate papos na Globalcode), e para os que ainda não puderam estar presentes, teremos um novo bate papo acerca de mais duas tecnologias do Google: AdSense e Python no GAE. Este será o nosso segundo bate papo do SP-GTUG, nos mesmos moldes dos minicursos da Globalcode . Local e data O bate papo acontecerá no dia 27/03/10, das 10:00 às 13:00 na Globalcode. Para fazer sua inscrição e participar acesse a home da Globalcode e vá até a parte de "Minicursos Gratuitos da Semana ". Conteúdo das apresentações Abaixo seguem as descrições passadas pelos palestrantes: Título: "Algoritmos em Python" Resumo: Python é uma linguagem considerada frugal, simples, sem ser simplória! Entenda como construir algoritmos ninjas com essa linguagem, adotada pela Google e pelo MIT. Veremos muito, muito código, desde algoritmos clássicos até tutoriais do

10 reasons why we love JSF

1. One-slide technology: it's so simple that I can explain basic JSF with one slide. 2. Easy to extend: components, listeners, render kit, Events, Controller, etc. 3. Real-world adoption: JBoss, Exadel, Oracle, IBM, ... 4. Architecture model: you can choose between more than 100 different architecture. 5. Open-mind community: using JSF you are going to meet very interesting people. 6. We are using JSF the last 5 years and we found very good market for JSF in Brazil 7. Progress: look to JSf 1.1 to JSF 1.2, JSF 1.2 to JSF 2.0. People are working really hard! 8. Many professionals now available 9. It's a standard. It's JCP. Before complain, report and help! 10. Ed Burns, spec leader, is an old Globalcode community friend! EXTRA: My wife is specialist in JSF. She's my F1 for JSF :) Nice job JSF community! -Vinicius Senger

JSF 2 - Composite Components, você não precisa mais ser um ninja

Estamos em uma nova era da computação, os dados não estão mais localizados em um banco dentro de sua empresa, vivemos a explosão de redes sociais, informações são geradas a todo instante, e se torna essencial que sua aplicação conheça os serviços disponíveis na web e consumam suas APIs geralmente disponíveis por serviços REST. Legal, mas como ficam meus aplicativos Java EE neste novo cenário? Para quem vem acompanhando a evolução da plataforma, é notório que todo esforço vem sendo utilizado para aumentar a produtividade e a integração com novos serviços. Basicamente duas especificações surgem com muita força para atender este cenário, a JSR - 314 (JSF-2) e JSR - 311 (JAX-RS), neste post exploraremos a JSR-314 (JSF2) e sua nova forma de criar Composite Components. Uma das grandes queixas dos desenvolvedores JSF era a complexidade em criar composite components, era necessário um vasto conhecimento sobre o ciclo de vida de uma aplicação JSF. Agora, você não precisa ser mais um “ninja” em

Gosta de informática e sonha ser programador Java um dia ?

A Globalcode está procurando jovens que queiram ser programadores no futuro, para fazer parte de sua equipe de vendas e operacional na unidade Paraíso em São Paulo somente. O grande diferencial é o planejamento para carreira de programador. O planejamento de cursos do portifólio da Globalcode: Academia do Programador, Academia Java, Academia Web, Robótica, Eletrônica, etc, será realizado periodicamente de acordo com o desempenho e interesse individual. Atenção : Este não é um estágio para trabalhar com Java, são duas vagas CLT administrativas para pessoas que queiram ser programadores no futuro. Perfil : Conhecimentos de informática básica, saber lidar com pessoas e trabalhar em equipe. Deve ter concluído o ensino médio, ter boa escrita, ser organizado, responsável, comprometido e dinâmico. Interesse por computação, programação, internet, robótica, eletrônica,... Temos duas vagas para jovem-aprendiz abertas: 1) Setor operacional No dia a dia Serviços externos Controle de estoqu

JavaMail: Enviando mensagem HTML com anexos

Introdução Depois do post "JavaMail: Enviando e-mail com Java" , que apresentava como enviar um e-mail com Java, resolvi complementar a assunto apresentando como enviar uma mensagem formatada, em HTML , e também como realizar o envio de anexos. Bibliotecas Além da biblioteca JavaMail, veja mais no post anterior , é necessário incluir o JavaBeans Activation Framework (JAF), apenas se a versão utilizada for anterior ao JSE 6.0 , que já tem o JAF incluso. O JAF está disponível em http://www.oracle.com/technetwork/java/javase/downloads/index-135046.html , e neste download encontramos, alguns exemplos na pasta demo , documentação, incluindo javadocs, na pasta docs e a biblioteca activation.jar , que deve ser acrescentada no classpath da aplicação para versões anteriores ao JSE 6.0. Exemplo Primeiramente devemos realizar a configuração da javax.mail.Session e da javax.mail.internet.MimeMessage , estes passos podem ser vistos no post anterior . Agora vamos montar um

TDC INNOVATION lança University Pass

Modalidade de ingresso tem como objetivo ajudar na capacitação dos universitários Uma pesquisa realizada em 2020 pela Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom) diz que até o ano de 2024 o Brasil precisará de cerca de 420 mil profissionais na área de Tecnologia da Informação. Porém, por ano, a mesma pesquisa diz que o país forma apenas 46 mil profissionais capacitados no nicho. Pensando nisso, para ajudar na formação e capacitação desses jovens profissionais, o TDC INNOVATION, segunda edição do ano do The Developer's Conference, lança o University Pass, modalidade de ingresso que possibilita aceso digital gratuito a todas as palestras do evento, ou com 50% de desconto para quem preferir ir pessoalmente. Com o tema central “Desafios para a criação do futuro Digital”, o TDC INNOVATION ocorrerá entre 1 e 3 de junho, de forma híbrida: presencialmente no Centro de Convenções CentroSul, em Florianópolis, e com transmissão simultaneamente pela