Pular para o conteúdo principal

Hello Roo

Durante o segundo semestre de 2009 tomei conhecimento a respeito da iniciativa de produtividade da Springsource conhecida como Spring Roo. Posteriormente, tive um contato muito convincente com essa ferramenta durante a passagem de Rod Johnson no Brasil no evento TDC 2009.
Atualmente utilizo essa ferramenta em um projeto, e espero compartilhar algumas experiências no Casual Class de Spring, dia 26 fev 2010. Este evento marcará o lançamento do Spring Brasil User Group.

 O que é Spring Roo ?
 - Roo é uma ferramenta Open Source de produtividade Java, baseada em
    - uma plataforma modularizável capaz de evoluir através de add-ons
    - um terminal de comandos, chamado Roo Shel.
 - Sem dúvida o principal atrativo de produtividade do Roo é a geração de código. Justamente por utilizar uma plataforma modularizável não podemos dizer que o Roo é apenas um gerador de código, e entendo que muitas etapas do ciclo de vida de um projeto Java poderão se beneficiar dessa ferramenta. Por exemplo, Roo já oferece suporte para automação de testes.
 - Roo representa uma evolução em relação a outros geradores de código, ao suportar desenvolvimento interativo, onde o código gerado (camadas web, persistência e testes) não é definitivo. Em outras palavras, através do Roo, o código gerado evolui automaticamente, junto com o modelo de entidades.
 - A distribuição atual do Roo (1.0.1):
    - fornece geradores de código para aplicações web baseadas em Spring MVC 3.0, AspectJ e nos padrões Bean Validation e JPA
    - fornece geradores de testes JUnit e Selenium
    - é baseada no Apache Maven
 - Além do terminal de comandos (Roo Shell) há o suporte no IDE SpringSoruce Tools Suite (STS), onde encontramos um Roo Shell embutido.
 - Outro destaque é o grau de dependência introduzido: mínimo. Um projeto iniciado com o Roo não precisa utilizá-lo eternamente, sendo razoavelmente simples continuar o projeto desenvolvendo "na mão", sem utilizar o Roo Shell.

O que não é Spring Roo:
 - Roo não é um framework: um projeto criado em Roo não necessita de nenhuma biblioteca Roo em tempo de execução. Sim, existem annotations @Roo, entretanto estas possuem retenção no código fonte, e servem para orientar o gerador de código do Roo e o AspectJ.
 - Roo não determina uma arquitetura para seus projetos: como foi dito a distribuição atual gera aplicações Spring MVC / JPA, mas não tardatá surgir add-ons para outras arquiteturas (a Springsource tem demonstrado um interesse muito grande em add-ons para GWT).
 - Roo não é a salvação para desastres iminentes em projetos, onde pelo menos dois dos seguintes fatores estão presentes: requisitos mal especificados / cronogramas e orçamentos surreais / equipes de desenvolvimento inexperientes. Suspeito que, nesses casos a salvação não se encontrá em uma ferramenta, em um framework ou em promessa alguma de mágica tecnológica.

Gostinho de Produtividade
No vídeo abaixo, Massimiliano Dessi (Spring Framework Italian Group) demonstra a construção de um projeto com o Roo Shell.
Notem que o vídeo utiliza uma versão antiga (Milestone 2) do Roo, e a versão atual (Release) possui vários comandos simplificados, como veremos a seguir.



Preparando seu Hello World
- JDK 6
- Apache Tomcat 6
- Apache Maven 2.0.9 ou superior
   -  http://maven.apache.org/index.html
   -  http://docs.codehaus.org/display/MAVENUSER/Getting+Started+with+Maven
- instale o Roo 1.0.x com Roo Shell (terminal de comandos)
  - download em http://www.springsource.com/download/community?project=Spring%20Roo
  - descompacte o zip em um diretório de sua preferência
  - crie uma variável de ambiente ROO_HOME, apontando para o diretório de instalação
  - ajuste sua variável de ambiente PATH, acrescentando o caminho ROO_HOME/bin

Criando um projeto via terminal de comandos
Como exemplo criaremos um cadastro de bookmarks. Na primeira execução do Roo o Maven será acionado para fazer diversos downloads de bibliotecas - uns 10 minutos de paciência.
- crie um diretório (ex: roo_teste1) posicione-se (cd roo_teste1)
- inicie o Roo Shell (aqui começa a diversão), digitando roo.sh ou roo.bat

Dois comandos iniciais no Roo Shell: help e hint. O comando help exibe todos os comandos disponíveis no shell. Já comando hint fornece uma ajuda contextualizada, sugerindo o que você pode fazer em determinado estágio do seu projeto.
Não deixe de utilizar autocomplete do Roo Shell, que é ativado com a tecla TAB no terminal de comandos (ou com CTRL+SPACE no STS).
Digite no Roo Shell os seguintes comandos (em negrito).
Para criar o projeto e definir a esturura de pacotes principal:
project --topLevelPackage globalcoders.bookmarks
Para definir a camada de persistência:
persistence setup --database HYPERSONIC_IN_MEMORY --provider HIBERNATE
Para definir uma classe de entidade, para as categorias de bookmarks (o símbolo ~ significa o pacote top level)
entity --class ~.model.Categoria
Para definir um campo ná última entidade:
field string --fieldName nome
Mais uma entidade, para os bookmarks:
entity --class ~.model.Bookmark
Campos, com restrições e relacionamentos:
field string --fieldName url --sizeMin 5 --sizeMax 200 --notNull
field reference --fieldName categoria --type ~.model.Categoria
field date --fieldName dataCadastro --type java.util.Date
Para gerar a camada web, com controllers Spring MVC e views .jspx e Tiles:
controller all --package ~.web
Para compilar e gerar um .war (via Maven):
perform package
Para adaptar o projeto para o Eclipse:
perform eclipse
Para fechar o Roo Shell:
quit

Vamos executar a aplicação, colocando o Tomcat no ar e fazendo o deployment via Maven.
No terminal de comandos, com o Roo Shell fechado (quit), execute:
mvn tomcat:run
No browser de sua preferência: http://localhost:8080/bookmarks

Onde estão os métodos das Entidades e Controllers ?
Você pode conferir o código gerado na pasta src/main do seu projeto.
Ao inspecionar os arquivos Categoria.java e Bookmark.java verificamos que não existem métodos get/set ou toString().
E inspecionando os contollers CategoriaController.java e BookmarkController.java não encontramos métodos.
As implementações de tais métodos ocorrem através de um mecanismo suportado em AspectJ chamado Inter-type declarations (ITD). Ao navegar nos diretórios onde se encontram os arquivos .java das entidades e controllers encontraremos arquivos com a extensão .aj que implementam os métodos em questão.
Uma dica importante: os ITDs são gerados automaticamente pelo Roo e não devem ser editados. É possível editar os arquivos .java - no  vídeo do Massimiliano o método toString de uma das classes foi redefinido em um arquivo .java.
Outra dica: utilizar a IDE (baseada no Eclipse) Springsource Tool Suite 2.3.0 ou superior pois suporta AspectJ, e consequentemente os ITDs.

Sugestões para experiências adicionais
 - Edite diretamente o arquivo Bookmark.java, adicionando um atributo String descricao com annotations @Size e @NotNull (da especificação Bean Validation, JSR 303). Execute o Roo Shell novamente e observe as mensagens geradas. Saia do Roo Shell, e execute o tomcat (mvn tomcat:run) e via browser verifique o que mudou no formulário de criação de Bookmarks.
 - Em Categoria.java defina um método toString ao seu gosto  e remova a annotation @RooToString. Que mensagem surge no Roo Shell após salvar este arquivo código fonte ? Execute novamente o tomcat e verifique o combo box de Categorias no formulário de Bookmarks;
 - No Roo Shell digite finder list --class ~.model.Bookmark. Ainda no Roo Shell digite finder add findBookmarksByDataCadastroLessThan. Execute o tomcat e veja o que mudou no menu da aplicação.

Onde encontrar mais informações:
- Muitos links em http://forum.springsource.org/showthread.php?t=71985
- Não perca o Casual Class da Globalcode
- Acompanhe meu blog

Renato Bellia
http://twitter.com/renatobellia
http://notasingleshot.blogspot.com

Comentários

Yara Senger disse…
Parabéns pelo post Renato, ficou ótimo, completo. Adorei os videos que você incluiu no post.

Você vai mesmo utilizar Spring Roo em projetos reais ?

[]s
Yara
rbellia disse…
Opa, já estamos utilizando.
Melissa Villela disse…
Se você encontrar a mensagem 'Could not locate Maven executable; please ensure mvn command is in your path', acrescente na variável PATH o caminho do diretório bin de onde você instalou o maven.
Anônimo disse…
GC-CBR

Parabéns mesmo pelo post, ficou totalmente completo, até com videos para ajuda a entender melhor.
Robert Willian disse…
Não gostei muito do excesso de Aspect, onde eu vou colocar meus finders complexos, aqueles que só na unha é possivel de ser fazer?

Postagens mais visitadas deste blog

Melhorando Performance de JPA com Spring Web Flow

No TDC2009 realizado pela Globalcode em São Paulo foi apresentado um Lightning Talk sobre um problema específico de performance em aplicações Web com JPA e uma possível solução usando o Spring Web Flow . Num período de 15 minutos, os slides a seguir foram apresentados e seguidos de alguns vídeos de demonstração de uma aplicação Web em execução. Melhorando performance do JPA com Spring Web Flow View more presentations from Dr. Spock . Nesta apresentação foi dito que temos encontrado problemas de performance em aplicações Web que utilizam as tecnologias JSF + JPA + Ajax quando precisamos gerenciar um contexto de persistência (EntityManager). Estes problemas se manifestam quando aplicamos uma resposta errada para a pergunta: Como gerenciar o contexto de persistência numa aplicação Web? Se as aplicações não usam Ajax e limitam-se ao modelo orientado a requisições, a solução mais comum é o uso do design pattern chamado "Open Session In View Filter". Através deste design

TDC ONLINE: SUA PLATAFORMA DE PALESTRAS GRAVADAS DO TDC DISPONÍVEL

Além do conteúdo ao vivo transmitido online nas edições do TDC, agora você pode ter acesso à centenas de palestras gravadas, através da nossa nova plataforma de vídeos - o TDC Online, que reúne todas as Trilhas premium, Stadium e Salas dos Patrocinadores das edições anteriores de 2022, TDC Innovation e TDC Connections.  Para acessar, basta clicar na edição em que você participou ( TDC Innovation ou TDC Connections ); Fazer o mesmo login (com e-mail e senha) cadastrados na hora de adquirir ou resgatar o seu ingresso no TDC; E clicar na Trilha de sua opção, e de acordo com a modalidade do seu ingresso. Logo em seguida, você será direcionado para a seguinte página com a lista de todas as palestras por Trilha: Pronto! Agora você tem acesso à centenas de palestras gravadas da sua área de interesse, para assistir como e quando quiser! Caso tenha esquecido a senha, clique na opção "Esqueci a senha" , insira o e-mail que você realizou para o cadastro no evento, e aparecerá a op

O que é Lógica de programação?

Este é o segundo de uma série de posts voltados aos leitores do blog que estão dando início à carreira de desenvolvimento de software. O assunto de hoje é a lógica de programação. Para ler antes: Entendendo como funciona a programação de computadores: linguagens de programação, lógica, banco de dados A lógica de programação é um pré-requisito para quem quer se tornar um desenvolvedor de software, independente da linguagem de programação que se pretende utilizar. Mas o que é de fato a Lógica de Programação e como saber se eu tenho esse pré-requisito? A lógica de programação nada mais é do que a organização coerente das instruções do programa para que seu objetivo seja alcançado. Para criar essa organização, instruções simples do programa, como mudar o valor de uma variável ou desenhar uma imagem na tela do computador, são interconectadas a estruturas lógicas que guiam o fluxo da execução do programa. Isso é muito próximo ao que usamos em nosso cotidiano para realizar atividad

Dica rápida: Apagando registros duplicados no MySQL

Ola pessoal, Sei que vocês estão acostumados a ver posts meus sobre tecnologia móvel ou algo relacionado, mas hoje vou falar sobre um pequeno "truque" que usei esse final de semana com o MySQL. Eu estava desenvolvendo o lado servidor de uma nova aplicação mobile (ahh, então "tem a ver" com mobile hehe), e quando fui fazer alguns testes percebi que tinha quase 7 mil registros duplicados (!!!) na minha base de dados! Bom, o meu primeiro reflexo como programador foi pensar em fazer um "programinha" Java para buscar e deletar todos esses registros duplicados. Mas ai, resolvi tirar as teias de aranha dos neurônios e usar os vários anos de experiência que passei com SQL e criar uma query que fizesse esse trabalho todo de uma vez!! E a query ficou assim: delete from TABLE_NAME USING  TABLE_NAME, TABLE_NAME  AS  auxtable WHERE   ( NOT  TABLE_NAME.id  =  auxtable.id ) AND   ( TABLE_NAME.name  =  auxtable.name ) Explicação direta: TABLE_NAME

JavaMail: Enviando mensagem HTML com anexos

Introdução Depois do post "JavaMail: Enviando e-mail com Java" , que apresentava como enviar um e-mail com Java, resolvi complementar a assunto apresentando como enviar uma mensagem formatada, em HTML , e também como realizar o envio de anexos. Bibliotecas Além da biblioteca JavaMail, veja mais no post anterior , é necessário incluir o JavaBeans Activation Framework (JAF), apenas se a versão utilizada for anterior ao JSE 6.0 , que já tem o JAF incluso. O JAF está disponível em http://www.oracle.com/technetwork/java/javase/downloads/index-135046.html , e neste download encontramos, alguns exemplos na pasta demo , documentação, incluindo javadocs, na pasta docs e a biblioteca activation.jar , que deve ser acrescentada no classpath da aplicação para versões anteriores ao JSE 6.0. Exemplo Primeiramente devemos realizar a configuração da javax.mail.Session e da javax.mail.internet.MimeMessage , estes passos podem ser vistos no post anterior . Agora vamos montar um

Devo fazer um curso ou ler um livro?

Acredito que todos os instrutores ou professores, independentemente da área, escola ou centro de treinamento, já devam ter recebido essa pergunta alguma vez na vida: devo fazer um curso ou ler um livro? Para responder a essa pergunta, precisamos avaliar os prós e contras de cada opção. Trabalho com treinamento há algum tempo e, hoje, recebi essa pergunta de um aluno. Não adianta responder a ou b sem argumentar, demonstrando as opções conforme a situação do aluno. O conteúdo, a forma de transmissão e a capacidade de assimilação do indivíduo são chaves para haver benefício maior de aprendizado. Tanto em um bom curso quanto em um bom livro, o conteúdo é a premissa básica . Por conteúdo entendemos: se está organizado; se respeita pré-requisitos; se promove o aprendizado guiado e incremental; se aborda de forma satisfatória os principais pontos; se tem bom balanço entre teoria, exemplos e prática (favorecendo exemplos e prática); se tem como premissa a acessibilidade possível (e cabível) pa