Pular para o conteúdo principal

Hello Roo

Durante o segundo semestre de 2009 tomei conhecimento a respeito da iniciativa de produtividade da Springsource conhecida como Spring Roo. Posteriormente, tive um contato muito convincente com essa ferramenta durante a passagem de Rod Johnson no Brasil no evento TDC 2009.
Atualmente utilizo essa ferramenta em um projeto, e espero compartilhar algumas experiências no Casual Class de Spring, dia 26 fev 2010. Este evento marcará o lançamento do Spring Brasil User Group.

 O que é Spring Roo ?
 - Roo é uma ferramenta Open Source de produtividade Java, baseada em
    - uma plataforma modularizável capaz de evoluir através de add-ons
    - um terminal de comandos, chamado Roo Shel.
 - Sem dúvida o principal atrativo de produtividade do Roo é a geração de código. Justamente por utilizar uma plataforma modularizável não podemos dizer que o Roo é apenas um gerador de código, e entendo que muitas etapas do ciclo de vida de um projeto Java poderão se beneficiar dessa ferramenta. Por exemplo, Roo já oferece suporte para automação de testes.
 - Roo representa uma evolução em relação a outros geradores de código, ao suportar desenvolvimento interativo, onde o código gerado (camadas web, persistência e testes) não é definitivo. Em outras palavras, através do Roo, o código gerado evolui automaticamente, junto com o modelo de entidades.
 - A distribuição atual do Roo (1.0.1):
    - fornece geradores de código para aplicações web baseadas em Spring MVC 3.0, AspectJ e nos padrões Bean Validation e JPA
    - fornece geradores de testes JUnit e Selenium
    - é baseada no Apache Maven
 - Além do terminal de comandos (Roo Shell) há o suporte no IDE SpringSoruce Tools Suite (STS), onde encontramos um Roo Shell embutido.
 - Outro destaque é o grau de dependência introduzido: mínimo. Um projeto iniciado com o Roo não precisa utilizá-lo eternamente, sendo razoavelmente simples continuar o projeto desenvolvendo "na mão", sem utilizar o Roo Shell.

O que não é Spring Roo:
 - Roo não é um framework: um projeto criado em Roo não necessita de nenhuma biblioteca Roo em tempo de execução. Sim, existem annotations @Roo, entretanto estas possuem retenção no código fonte, e servem para orientar o gerador de código do Roo e o AspectJ.
 - Roo não determina uma arquitetura para seus projetos: como foi dito a distribuição atual gera aplicações Spring MVC / JPA, mas não tardatá surgir add-ons para outras arquiteturas (a Springsource tem demonstrado um interesse muito grande em add-ons para GWT).
 - Roo não é a salvação para desastres iminentes em projetos, onde pelo menos dois dos seguintes fatores estão presentes: requisitos mal especificados / cronogramas e orçamentos surreais / equipes de desenvolvimento inexperientes. Suspeito que, nesses casos a salvação não se encontrá em uma ferramenta, em um framework ou em promessa alguma de mágica tecnológica.

Gostinho de Produtividade
No vídeo abaixo, Massimiliano Dessi (Spring Framework Italian Group) demonstra a construção de um projeto com o Roo Shell.
Notem que o vídeo utiliza uma versão antiga (Milestone 2) do Roo, e a versão atual (Release) possui vários comandos simplificados, como veremos a seguir.



Preparando seu Hello World
- JDK 6
- Apache Tomcat 6
- Apache Maven 2.0.9 ou superior
   -  http://maven.apache.org/index.html
   -  http://docs.codehaus.org/display/MAVENUSER/Getting+Started+with+Maven
- instale o Roo 1.0.x com Roo Shell (terminal de comandos)
  - download em http://www.springsource.com/download/community?project=Spring%20Roo
  - descompacte o zip em um diretório de sua preferência
  - crie uma variável de ambiente ROO_HOME, apontando para o diretório de instalação
  - ajuste sua variável de ambiente PATH, acrescentando o caminho ROO_HOME/bin

Criando um projeto via terminal de comandos
Como exemplo criaremos um cadastro de bookmarks. Na primeira execução do Roo o Maven será acionado para fazer diversos downloads de bibliotecas - uns 10 minutos de paciência.
- crie um diretório (ex: roo_teste1) posicione-se (cd roo_teste1)
- inicie o Roo Shell (aqui começa a diversão), digitando roo.sh ou roo.bat

Dois comandos iniciais no Roo Shell: help e hint. O comando help exibe todos os comandos disponíveis no shell. Já comando hint fornece uma ajuda contextualizada, sugerindo o que você pode fazer em determinado estágio do seu projeto.
Não deixe de utilizar autocomplete do Roo Shell, que é ativado com a tecla TAB no terminal de comandos (ou com CTRL+SPACE no STS).
Digite no Roo Shell os seguintes comandos (em negrito).
Para criar o projeto e definir a esturura de pacotes principal:
project --topLevelPackage globalcoders.bookmarks
Para definir a camada de persistência:
persistence setup --database HYPERSONIC_IN_MEMORY --provider HIBERNATE
Para definir uma classe de entidade, para as categorias de bookmarks (o símbolo ~ significa o pacote top level)
entity --class ~.model.Categoria
Para definir um campo ná última entidade:
field string --fieldName nome
Mais uma entidade, para os bookmarks:
entity --class ~.model.Bookmark
Campos, com restrições e relacionamentos:
field string --fieldName url --sizeMin 5 --sizeMax 200 --notNull
field reference --fieldName categoria --type ~.model.Categoria
field date --fieldName dataCadastro --type java.util.Date
Para gerar a camada web, com controllers Spring MVC e views .jspx e Tiles:
controller all --package ~.web
Para compilar e gerar um .war (via Maven):
perform package
Para adaptar o projeto para o Eclipse:
perform eclipse
Para fechar o Roo Shell:
quit

Vamos executar a aplicação, colocando o Tomcat no ar e fazendo o deployment via Maven.
No terminal de comandos, com o Roo Shell fechado (quit), execute:
mvn tomcat:run
No browser de sua preferência: http://localhost:8080/bookmarks

Onde estão os métodos das Entidades e Controllers ?
Você pode conferir o código gerado na pasta src/main do seu projeto.
Ao inspecionar os arquivos Categoria.java e Bookmark.java verificamos que não existem métodos get/set ou toString().
E inspecionando os contollers CategoriaController.java e BookmarkController.java não encontramos métodos.
As implementações de tais métodos ocorrem através de um mecanismo suportado em AspectJ chamado Inter-type declarations (ITD). Ao navegar nos diretórios onde se encontram os arquivos .java das entidades e controllers encontraremos arquivos com a extensão .aj que implementam os métodos em questão.
Uma dica importante: os ITDs são gerados automaticamente pelo Roo e não devem ser editados. É possível editar os arquivos .java - no  vídeo do Massimiliano o método toString de uma das classes foi redefinido em um arquivo .java.
Outra dica: utilizar a IDE (baseada no Eclipse) Springsource Tool Suite 2.3.0 ou superior pois suporta AspectJ, e consequentemente os ITDs.

Sugestões para experiências adicionais
 - Edite diretamente o arquivo Bookmark.java, adicionando um atributo String descricao com annotations @Size e @NotNull (da especificação Bean Validation, JSR 303). Execute o Roo Shell novamente e observe as mensagens geradas. Saia do Roo Shell, e execute o tomcat (mvn tomcat:run) e via browser verifique o que mudou no formulário de criação de Bookmarks.
 - Em Categoria.java defina um método toString ao seu gosto  e remova a annotation @RooToString. Que mensagem surge no Roo Shell após salvar este arquivo código fonte ? Execute novamente o tomcat e verifique o combo box de Categorias no formulário de Bookmarks;
 - No Roo Shell digite finder list --class ~.model.Bookmark. Ainda no Roo Shell digite finder add findBookmarksByDataCadastroLessThan. Execute o tomcat e veja o que mudou no menu da aplicação.

Onde encontrar mais informações:
- Muitos links em http://forum.springsource.org/showthread.php?t=71985
- Não perca o Casual Class da Globalcode
- Acompanhe meu blog

Renato Bellia
http://twitter.com/renatobellia
http://notasingleshot.blogspot.com

Comentários

Yara Senger disse…
Parabéns pelo post Renato, ficou ótimo, completo. Adorei os videos que você incluiu no post.

Você vai mesmo utilizar Spring Roo em projetos reais ?

[]s
Yara
rbellia disse…
Opa, já estamos utilizando.
Melissa Villela disse…
Se você encontrar a mensagem 'Could not locate Maven executable; please ensure mvn command is in your path', acrescente na variável PATH o caminho do diretório bin de onde você instalou o maven.
Anônimo disse…
GC-CBR

Parabéns mesmo pelo post, ficou totalmente completo, até com videos para ajuda a entender melhor.
Robert Willian disse…
Não gostei muito do excesso de Aspect, onde eu vou colocar meus finders complexos, aqueles que só na unha é possivel de ser fazer?

Postagens mais visitadas deste blog

2º Bate Papo do SP-GTUG - Divulgação

Pessoal, Para aqueles que já estiveram presentes nas atividades do SP-GTUG (encontros ou bate papos na Globalcode), e para os que ainda não puderam estar presentes, teremos um novo bate papo acerca de mais duas tecnologias do Google: AdSense e Python no GAE. Este será o nosso segundo bate papo do SP-GTUG, nos mesmos moldes dos minicursos da Globalcode . Local e data O bate papo acontecerá no dia 27/03/10, das 10:00 às 13:00 na Globalcode. Para fazer sua inscrição e participar acesse a home da Globalcode e vá até a parte de "Minicursos Gratuitos da Semana ". Conteúdo das apresentações Abaixo seguem as descrições passadas pelos palestrantes: Título: "Algoritmos em Python" Resumo: Python é uma linguagem considerada frugal, simples, sem ser simplória! Entenda como construir algoritmos ninjas com essa linguagem, adotada pela Google e pelo MIT. Veremos muito, muito código, desde algoritmos clássicos até tutoriais do

10 reasons why we love JSF

1. One-slide technology: it's so simple that I can explain basic JSF with one slide. 2. Easy to extend: components, listeners, render kit, Events, Controller, etc. 3. Real-world adoption: JBoss, Exadel, Oracle, IBM, ... 4. Architecture model: you can choose between more than 100 different architecture. 5. Open-mind community: using JSF you are going to meet very interesting people. 6. We are using JSF the last 5 years and we found very good market for JSF in Brazil 7. Progress: look to JSf 1.1 to JSF 1.2, JSF 1.2 to JSF 2.0. People are working really hard! 8. Many professionals now available 9. It's a standard. It's JCP. Before complain, report and help! 10. Ed Burns, spec leader, is an old Globalcode community friend! EXTRA: My wife is specialist in JSF. She's my F1 for JSF :) Nice job JSF community! -Vinicius Senger

JSF 2 - Composite Components, você não precisa mais ser um ninja

Estamos em uma nova era da computação, os dados não estão mais localizados em um banco dentro de sua empresa, vivemos a explosão de redes sociais, informações são geradas a todo instante, e se torna essencial que sua aplicação conheça os serviços disponíveis na web e consumam suas APIs geralmente disponíveis por serviços REST. Legal, mas como ficam meus aplicativos Java EE neste novo cenário? Para quem vem acompanhando a evolução da plataforma, é notório que todo esforço vem sendo utilizado para aumentar a produtividade e a integração com novos serviços. Basicamente duas especificações surgem com muita força para atender este cenário, a JSR - 314 (JSF-2) e JSR - 311 (JAX-RS), neste post exploraremos a JSR-314 (JSF2) e sua nova forma de criar Composite Components. Uma das grandes queixas dos desenvolvedores JSF era a complexidade em criar composite components, era necessário um vasto conhecimento sobre o ciclo de vida de uma aplicação JSF. Agora, você não precisa ser mais um “ninja” em

Gosta de informática e sonha ser programador Java um dia ?

A Globalcode está procurando jovens que queiram ser programadores no futuro, para fazer parte de sua equipe de vendas e operacional na unidade Paraíso em São Paulo somente. O grande diferencial é o planejamento para carreira de programador. O planejamento de cursos do portifólio da Globalcode: Academia do Programador, Academia Java, Academia Web, Robótica, Eletrônica, etc, será realizado periodicamente de acordo com o desempenho e interesse individual. Atenção : Este não é um estágio para trabalhar com Java, são duas vagas CLT administrativas para pessoas que queiram ser programadores no futuro. Perfil : Conhecimentos de informática básica, saber lidar com pessoas e trabalhar em equipe. Deve ter concluído o ensino médio, ter boa escrita, ser organizado, responsável, comprometido e dinâmico. Interesse por computação, programação, internet, robótica, eletrônica,... Temos duas vagas para jovem-aprendiz abertas: 1) Setor operacional No dia a dia Serviços externos Controle de estoqu

JavaMail: Enviando mensagem HTML com anexos

Introdução Depois do post "JavaMail: Enviando e-mail com Java" , que apresentava como enviar um e-mail com Java, resolvi complementar a assunto apresentando como enviar uma mensagem formatada, em HTML , e também como realizar o envio de anexos. Bibliotecas Além da biblioteca JavaMail, veja mais no post anterior , é necessário incluir o JavaBeans Activation Framework (JAF), apenas se a versão utilizada for anterior ao JSE 6.0 , que já tem o JAF incluso. O JAF está disponível em http://www.oracle.com/technetwork/java/javase/downloads/index-135046.html , e neste download encontramos, alguns exemplos na pasta demo , documentação, incluindo javadocs, na pasta docs e a biblioteca activation.jar , que deve ser acrescentada no classpath da aplicação para versões anteriores ao JSE 6.0. Exemplo Primeiramente devemos realizar a configuração da javax.mail.Session e da javax.mail.internet.MimeMessage , estes passos podem ser vistos no post anterior . Agora vamos montar um

TDC INNOVATION lança University Pass

Modalidade de ingresso tem como objetivo ajudar na capacitação dos universitários Uma pesquisa realizada em 2020 pela Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom) diz que até o ano de 2024 o Brasil precisará de cerca de 420 mil profissionais na área de Tecnologia da Informação. Porém, por ano, a mesma pesquisa diz que o país forma apenas 46 mil profissionais capacitados no nicho. Pensando nisso, para ajudar na formação e capacitação desses jovens profissionais, o TDC INNOVATION, segunda edição do ano do The Developer's Conference, lança o University Pass, modalidade de ingresso que possibilita aceso digital gratuito a todas as palestras do evento, ou com 50% de desconto para quem preferir ir pessoalmente. Com o tema central “Desafios para a criação do futuro Digital”, o TDC INNOVATION ocorrerá entre 1 e 3 de junho, de forma híbrida: presencialmente no Centro de Convenções CentroSul, em Florianópolis, e com transmissão simultaneamente pela