Pular para o conteúdo principal

Tendências: Linguagens Funcionais

A popularização obtida com a queda do custo de processadores multi-core e a dificuldade de se produzir software que fizesse um aproveitamento adequado desta arquitetura, despertou uma retomada pelo interesse e uma revisita às linguagens funcionais. Existem várias linguagens que se encaixam nessa classificação e as mais populares que temos notícias são Scheme, Haskell e ErLang. Para uma breve clarificação, as linguagens mais comumente usadas, como por exemplo C/C++, Java e etc., são classificadas como sendo linguagens imperativas. Por questões de objetividade, explorarei sucintamente ErLang mas creio que muitas de suas características valem para as outras linguagens funcionais também.

ErLang é na verdade a abreviação de Ericson Language e comumente está associada ao seu framework de produtividade chamado OTP (Open Telecom Platform). Criada em 1986, se tornou open source 12 anos depois. O suporte para SMP (Symmetric MultiProcessing) viria posteriormente em 2006.

A visão de que o mundo em si e todos os problemas a serem sistematizados são inerentemente concorrentes, sendo que seus elementos estão sujeitos à falhas, desafiam a industria de telecomunicações e são elegantemente endereçadas por esta linguagem e seu framework. Há registros de que esta plataforma atinge índices de confiabilidade de nove noves (impressionantes 99.9999999%) por ter sido desenhada e implementada para suportar aplicações distribuídas, tolerantes a falhas e hot-swappable em seu DNA. Estas características indicam que, apesar de ter em seu foco motivador uma área indústrial específica, esta linguagem se mostra excelente para uma grande diversidade de problemas.

Para entender ErLang temos que nos desatar de alguns conceitos fundamentais presentes nas linguagens imperativas.

Primeiro, em ErLang, variáveis não tem tipo pré-definido e são imutáveis: uma vez que uma atribuição é feita, o conteúdo de uma variável não poderá ser alterado. Este conceito pode gerar uma reação de espanto à primeira vista. Na verdade, devemos relembrar dos fundamentos da matemática que aprendemos no ginásio ao resolvermos um sistema de equações: ao se obter o valor de uma variável, seu conteúdo mantêm-se inalterado.

Segundo, a execução de uma função em ErLang não gera efeitos colaterais. Isto significa que, para um mesmo conjunto de argumentos, se obtêm sempre o mesmo resultado, não importando quando a função é executada. Diferentemente, uma função em uma linguagem imperativa pode ter seu o resultado variando não só pelo conteúdo de seus argumentos mas como também há uma dependência do estado em que o programa se encontra. Isto fica mais claro quando tomamos, para efeito de comparação, o paradigma da programação orientada a objetos, onde é fundamental acompanhar o estado do objeto para o entendimento do comportamento do mesmo.

Processos em ErLang são leves e é comum termos aplicações com centenas ou mesmo milhares de processos sendo executados concorrentemente. O único meio de um processo se comunicar com outro é através de envios de mensagens assíncronas. Em tempo, processos nesse ambiente são análogos a threads em Java.

Estas características fundamentais criam um modelo de execução facilmente desacoplável, facilitando a distribuição do processamento por vários núcleos, processadores ou mesmo distribuídos entre servidores distintos. A característica de imutabilidade e o não compartilhamento de variáveis (shared memory) evitam locks e race condition de dados, que são de longe os mais complexos problemas de serem diagnosticados em sistemas concorrentes.

A penetração desta linguagem é crescente e sua integração com outras linguagens é bem suportada. A conexão com Java pode ser obtida através do JInterface e um bom artigo sobre esta integração pode ser encontrado no TheServerSide.com.

Para aqueles descrentes que só se interessam por algo depois de lhes serem apresentados casos de sucesso, podemos citar que as mensagens instantâneas do Facebook e o Yahoo! BOSS como sendo alguns exemplos de produtos que tem componentes críticos implementados nesta linguagem.

ErLang talvez não seja a solução mais adequada para tudo. É provável que problemas computacionais de processamento intenso possam obter melhores resultados através do uso de bibliotecas como o MPI, TBB ou de alguma outra linguagem de domínio especifico. Mas ErLang certamente trás um arsenal eficiente e consistente que direcionam os esforços de implantação para desafios mais nobres, permitindo ao desenvolvedor se focar estritamente em problemas do domínio da aplicação e não tanto em infra-estrutura.

Comentários

Yara Senger disse…
Olá Bene, linguagens funcionais como Earlang tiram maior proveito de máquinas com multiplos processadores do que Java mesmo considerando a implementação com multi thread ? ou é uma questão de facilidade / produtividade ?

[]s
Yara
Julio Viegas disse…
Yara,

Para usar mais de um nucleo o runtime precisa suportar isso. E o sistema operacional tb. Por exemplo, no linux isso eh feito pelo suporte SMP. As versoes recentes do Hotspot(JVM Sun) tb suportam o uso de mais de um nucleo.

O paradigma de funcionamento do Erlang eh um pouco diferente... No mundo Java eh algo proximo de um JMS assincrono utilizando Queue + correlation_id... Porem imagine isso implementado jah na linguagem, sem API ou provider de messageria.

Eh uma questao de facilidade inerente a linguagem. Existem outras coisas legais como hotswap de codigo a quente. No java precisamos utilizar OSGi e ainda assim definir modulos...

Erlang eh fantastico, pena que eh pouco difundido... Eu particularmente ainda me sinto mais a vontade com java.util.concurrent... ;)

Abs,
JV -- julioviegas.com
Unknown disse…
Excelente assunto Bene!

Aproveitando o gancho da Yara e do Julio, imaginando uma linguagem funcional e o mundo Java, me vem na cabeça Scala.

[]s
Eder
Ola Yara, Julio e Eder,

Yara, creio que o Julio já tenha respondido a todas as questões que você levantou, acrescentando que em ErLang, a aplicação já nasce concorrente e que o desenvolvedor é implelido a isso nesse ambiente. Em outras liguagens, concorrência é por muitas vezes uma opção arquitetural ou é utilizada devido a algum requisito funcional.
Eder, eu falhei não citando Scala na lista mas gostaria de destacar que a minha intenção não é criar uma guerra entre linguagens, nem promover alguma em especial.
Meu interesse continua sendo escalabilidade, confiabilidade e eficiencia. Erlang me atrai pelo modo em como esses tópicos são endereçados.
Os mecanismos tradicionais de sincronização tornam o programa complexo e dificílimo de depurar. Locks, semáfaros e mesmo soluções de mais alto nivel como transactional memory mostram suas deficiências em certas condições de carga.

[]s,

Bene.

Postagens mais visitadas deste blog

O que é Lógica de programação?

Este é o segundo de uma série de posts voltados aos leitores do blog que estão dando início à carreira de desenvolvimento de software. O assunto de hoje é a lógica de programação. Para ler antes: Entendendo como funciona a programação de computadores: linguagens de programação, lógica, banco de dados A lógica de programação é um pré-requisito para quem quer se tornar um desenvolvedor de software, independente da linguagem de programação que se pretende utilizar. Mas o que é de fato a Lógica de Programação e como saber se eu tenho esse pré-requisito? A lógica de programação nada mais é do que a organização coerente das instruções do programa para que seu objetivo seja alcançado. Para criar essa organização, instruções simples do programa, como mudar o valor de uma variável ou desenhar uma imagem na tela do computador, são interconectadas a estruturas lógicas que guiam o fluxo da execução do programa. Isso é muito próximo ao que usamos em nosso cotidiano para realizar atividad

Devo fazer um curso ou ler um livro?

Acredito que todos os instrutores ou professores, independentemente da área, escola ou centro de treinamento, já devam ter recebido essa pergunta alguma vez na vida: devo fazer um curso ou ler um livro? Para responder a essa pergunta, precisamos avaliar os prós e contras de cada opção. Trabalho com treinamento há algum tempo e, hoje, recebi essa pergunta de um aluno. Não adianta responder a ou b sem argumentar, demonstrando as opções conforme a situação do aluno. O conteúdo, a forma de transmissão e a capacidade de assimilação do indivíduo são chaves para haver benefício maior de aprendizado. Tanto em um bom curso quanto em um bom livro, o conteúdo é a premissa básica . Por conteúdo entendemos: se está organizado; se respeita pré-requisitos; se promove o aprendizado guiado e incremental; se aborda de forma satisfatória os principais pontos; se tem bom balanço entre teoria, exemplos e prática (favorecendo exemplos e prática); se tem como premissa a acessibilidade possível (e cabível) pa

TDC ONLINE: SUA PLATAFORMA DE PALESTRAS GRAVADAS DO TDC DISPONÍVEL

Além do conteúdo ao vivo transmitido online nas edições do TDC, agora você pode ter acesso à centenas de palestras gravadas, através da nossa nova plataforma de vídeos - o TDC Online, que reúne todas as Trilhas premium, Stadium e Salas dos Patrocinadores das edições anteriores de 2022, TDC Innovation e TDC Connections.  Para acessar, basta clicar na edição em que você participou ( TDC Innovation ou TDC Connections ); Fazer o mesmo login (com e-mail e senha) cadastrados na hora de adquirir ou resgatar o seu ingresso no TDC; E clicar na Trilha de sua opção, e de acordo com a modalidade do seu ingresso. Logo em seguida, você será direcionado para a seguinte página com a lista de todas as palestras por Trilha: Pronto! Agora você tem acesso à centenas de palestras gravadas da sua área de interesse, para assistir como e quando quiser! Caso tenha esquecido a senha, clique na opção "Esqueci a senha" , insira o e-mail que você realizou para o cadastro no evento, e aparecerá a op

10 reasons why we love JSF

1. One-slide technology: it's so simple that I can explain basic JSF with one slide. 2. Easy to extend: components, listeners, render kit, Events, Controller, etc. 3. Real-world adoption: JBoss, Exadel, Oracle, IBM, ... 4. Architecture model: you can choose between more than 100 different architecture. 5. Open-mind community: using JSF you are going to meet very interesting people. 6. We are using JSF the last 5 years and we found very good market for JSF in Brazil 7. Progress: look to JSf 1.1 to JSF 1.2, JSF 1.2 to JSF 2.0. People are working really hard! 8. Many professionals now available 9. It's a standard. It's JCP. Before complain, report and help! 10. Ed Burns, spec leader, is an old Globalcode community friend! EXTRA: My wife is specialist in JSF. She's my F1 for JSF :) Nice job JSF community! -Vinicius Senger

Lançamento do JDK 7 no TDC2011 em São Paulo

O The Developer's Conference foi realmente um grande momento para toda comunidade de desenvolvedores, um encontro de comunidades de TI onde foi possível interagir com pessoas incríveis das comunidades .NET, PHP, Python, Cloud, Games e tantas outras. Com mais de 200 palestrantes e 25 coordenadores é difícil até citar nomes sem ser injusta. Neste post gostaria de falar um pouco sobre um acontecimento muito especial para a comunidade Java, o Lançamento mundial do JDK 7! A história toda começou há muito tempo atrás, num relacionamento construído ao longo de vários anos de atuação dos membros do SouJava, participando do JavaOne, das JSRs e muito networking. Mas, durante o último JustJava conversamos com Roger Brinkley e Bruno Souza, e tivemos a felicidade de ter o TDC2011 exatamente no dia planejado para o Lançamento Mundial do JDK7. O grande mérito foi do SouJava e do amigo Bruno Souza (JavaMan). Com a participação formal no Executive Committeé do JCP estamos ficando cada vez ma

Saiba como programar para Arduino sem ter nenhum hardware disponível

O Arduino já é uma tecnologia muito difundida entre os amantes de tecnologia. É difícil encontrar um profissional da computação que não brincou um pouco com esta ferramenta de prototipagem ou, que gostaria de fazer isso. Porém, em alguns casos, o programador quer conhecer o arduino mas não dispõe de nenhum hardware, nem mesmo da placa. Como isso poderia ser resolvido? A primeira resposta seria aquela mais simples e direta: ir as compras. Isso pode ser feito em uma loja física ou pela internet. No meu caso, por exemplo, tive a felicidade de encontrar em um site (não me lembro qual) um kit arduino, com um conjunto de sensores e um DVD com 41 vídeo aulas. Mas digamos que o profissional não esteja passando por um bom momento financeiro, ou ainda, simplesmente não queira comprar o Arduino sem antes conhecê-lo um pouco melhor. Para a última situação também já existe uma resposta, e diga-se de passagem, uma excelente resposta. Trata-se do site 123D Circuits.io . Depois de criar seu u