Pular para o conteúdo principal

O novo try no Java 7, por uma linguagem mais simples

O Java 7, lançado em Julho, além de reviver mudanças no Java também trouxe novas características afim de tornar a linguagem um pouco mais simples e menos verbosa, ou seja, as instruções podem ser escritas com um volume menor de código.

Nós da Globalcode adoramos novidades, ainda mais relacionada ao Java, usamos e incentivamos nossos alunos e clientes a experimentarem o Java 7. Nesse post vou comentar sobre as características do novo bloco try do Java.

Para começar, primeiro, vamos analisar uma demonstração simples de um programa Java que lê o conteúdo de arquivo texto linha a linha:
import java.io.*;

public class DemoTryAntigo {

  public static void main(String[] args) {
    FileReader in = null;
    BufferedReader buff = null;
        
    try {
      in = new FileReader("/home/yaw/teste.txt"); //caminho do arquivo
      buff = new BufferedReader(in, 1024);
            
      StringBuilder builder = new StringBuilder();
      String s = null;
      while ((s = buff.readLine()) != null) {
        builder.append(s).append("\n");
      }      
      System.out.println("Conteudo do arquivo:\n\n"+builder);
    } catch(IOException iox) {
      System.out.println("Falha ao ler arquivo: "+iox.getMessage());
    } finally {
      if (buff != null) {
        try {
          buff.close();
        } catch(IOException bufx) {
          System.out.println("Falha ao fechar buffer: "+bufx.getMessage());
        }
      }
      if (in != null) {
        try {
          in.close();
        } catch(IOException inx) {
          System.out.println("Falha ao fechar arquivo: "+inx.getMessage());
        }
      }
    }
  }

}

Nenhuma complexidade nesse exemplo, o ponto negativo é o excesso de código (linhas 22 a 35) no bloco finally necessário para liberar os recursos de I/O utilizados na leitura do arquivo. O programa escrito dessa forma compila e funciona no Java 7, mas a partir do Java 7 podemos tirar proveito do try-with-resources: um recurso é um objeto que deve ser encerrado quando o bloco try for concluído. Veja como ficaria o mesmo programa utilizando essa funcionalidade do Java 7:
import java.io.*;

public class DemoNovoTry {

  public static void main(String[] args) {
    try (FileReader in = new FileReader("/home/yaw/teste.txt");
         BufferedReader buff = new BufferedReader(in, 1024)) {

      StringBuilder builder = new StringBuilder();
      String s = null;
      while ((s = buff.readLine()) != null) {
        builder.append(s).append("\n");
      }
      System.out.println("Conteudo do arquivo:\n\n"+builder);
    } catch(IOException iox) {
      System.out.println("Falha ao ler arquivo: "+iox.getMessage());
    }
  }

}

O código ficou bem mais limpo! Uma regra importante sobre o try-with-resources é que o objeto (recurso) definido no try deve implementar ou interface java.lang.AutoCloseable (nova) ou java.io.Closeable, qualquer outro conteúdo o compilador não irá aceitar. No exemplo demonstrado ambas FileReader e BufferedReader implementam AutoCloseable, essa foi uma das mudanças na API de I/O ocorridas no Java7.

Na verdade, nos bastidores, o Java faz o trabalho “sujo” de implementar o bloco de finalização para garantir que os recursos sejam encerrados, omitindo o código aos programadores. O Java transforma cada recurso declarado no try em uma variável final e, define um bloco try-finally aninhado a declaração desse recurso. Outra característica importante é que em casos com mais de um recurso definido no try (o nosso exemplo cai nessa situação) o Java encerra os recursos na ordem inversa em que são definidos, garantindo que todos os recursos serão devidamente encerrados. A seguir o código que o compilador do Java 7 utiliza para gerar o byte code:
import java.io.*;

public class DemoNovoTry {

  public static void main(String[] args) {
    try {
      final FileReader in = new FileReader("/home/yaw/teste.txt");
      /*synthetic*/ Throwable primaryException0$ = null;
      try {
        final BufferedReader buff = new BufferedReader(in, 1024);
        /*synthetic*/ Throwable primaryException1$ = null;
        try {
          StringBuilder builder = new StringBuilder();
          String s = null;
          while ((s = buff.readLine()) != null) {
            builder.append(s).append("\n");
          }
          System.out.println("Conteudo do arquivo:\n\n" + builder);
        } catch (/*synthetic*/ final Throwable t$) {
          primaryException1$ = t$;
          throw t$;
        } finally {
          if (buff != null)
            if (primaryException1$ != null) 
              try {
                buff.close();
              } catch (Throwable x2) {
                primaryException1$.addSuppressed(x2);
              }
            else
              buff.close();
        }
      } catch (/*synthetic*/ final Throwable t$) {
        primaryException0$ = t$;
        throw t$;
      } finally {
        if (in != null) 
          if (primaryException0$ != null)
            try {
              in.close();
            } catch (Throwable x2) {
              primaryException0$.addSuppressed(x2);
            }
          else
            in.close();
      }
    } catch (IOException iox) {
      System.out.println("Falha ao ler arquivo: " + iox.getMessage());
    }
  }

}

Analisando cuidadosamente o código acima, é possível identificar as mudanças realizadas na estrutura de exceções do Java 7: o método addSuppressed na classe Throwable, que permite que uma exceção secundária seja vinculada a outra exceção primária. Veja o trecho com o finally do BufferedReader (linhas 22 a 32), ao fechar o buffer o programa verifica se existe alguma exceção gerada durante a leitura do buffer, dessa forma se ocorrer alguma exceção durante o close do buffer essa será vinculada a exceção primária lançada do try.

Outro método novo em Throwable é o getSuppressed, que retorna um array com exceções vinculadas a exceção principal, um novo construtor da classe também foi criado no Java 7.

A API do JDBC, versão 4, foi ajustada no Java 7 para respeitar o AutoCloseable. A seguir um programa Java abre uma conexão com uma base de dados MySQL e executa uma instrução SQL.
(Importante: ao testar garanta que o driver esteja configurado; o caminho, usuário e senha do banco de dados estejam corretos; e a existência da tabela clientes)

import java.sql.*;

public class DemoTryJDBC {

  public static void main(String[] args) throws SQLException, Exception {
     Class.forName("com.mysql.jdbc.Driver");
     String query = "select nome, cpf from clientes";
     String urlDB = "jdbc:mysql://localhost:3306/testdb";

     try (Connection con = DriverManager.getConnection(urlDB,"user","user");
       Statement stmt = con.createStatement();
       ResultSet rs = stmt.executeQuery(query)) {

       while (rs.next()) {
         String nome = rs.getString("nome");
         String cpf = rs.getString("cpf");
         
         System.out.printf("Nome:%s\t Cpf:%s %n", nome, cpf);
       }
     }
  }
    
}

Outra novidade do Java 7, ainda no escopo do bloco try, é a possibilidade de definir o mesmo tratamento de erro para diversos tipos de exceções utilizando o multicatch. O próximo o utilizo a API de reflexão do Java para criar uma String, veja que o catch determina o mesmo tratamento para as exceções: ClassNotFoundException, InstantiationException ou IllegalAccessException.
public class DemoMulticatch {
    
  public static void main(String[] args) {
    Object o = null;
    try {
      Class clazz = Class.forName("java.lang.String");
      o = clazz.newInstance();
      System.out.println(o.getClass());
    } catch (ClassNotFoundException | InstantiationException | IllegalAccessException ex) {
      System.err.println("Erro na criação do objeto: "+ex.getMessage());
    }
  }

}

Sobre o multicatch, uma regra importante é que o compilador não aceita a declaração utilizando exceções polimórficas, com relacionamento via herança. Por exemplo, não é permitido utilizar o tipo Exception dentro dessa instrução catch. Também não é permitido definir checked exceptions que não são lançadas dentro do try, no exemplo acima uma IOException não seria aceita dentro do catch. Para uncheked exceptions (Runtime) o compilador é flexível, seria permitido declarar uma NullPointerException naquele catch.

Durante o TDC2011 edição São Paulo e Florianópolis, falamos bastante sobre o Java 7! Na próxima edição, em Goiânia, não poderia ser diferente, no sábado (29/10) vai rolar a palestra Tirando proveito dos novos recursos do Java 7 na trilha Java.

O Java 7 disponibiliza outros recursos que deixam a linguagem mais sucinta, para saber mais sobre essas outras novidades ou características relacionadas acesse os links abaixo:

[]s
Eder Magalhães
www.yaw.com.br
twitter.com/youandwe
twitter.com/edermag


Comentários

Yara Senger disse…
Parabéns pelo artigo Eder! Que energia para fazer coisas, postar noticias, palestras! Show de bola!

Postagens mais visitadas deste blog

Você já pensou em ser palestrante em algum evento ?

Você já deve ter participado de algum evento e pensado como deve ser legal ser palestrante... E para falar a verdade, é muito bom mesmo. Eu adoro, o Vinicius adora e conheço muitas pessoas que curtem cada minuto da participação no evento como palestrante. Com certeza é uma responsabilidade a mais. Você sente medo, adrenalina, tem que se preparar. Literalmente coloca a cara a tapa para qualquer pessoa te avaliar em todos os sentidos. Qual o seu tom de voz?  Seus slides são legais? Você manja mesmo ?  Seu português está ok?  E as palavras em inglês ?  Teve algum deslize técnico? E MUITO mais.  Mas é claro que a exposição tem dois lados... e os resultados podem ser ótimos. Normalmente conhecemos mais pessoas como palestrantes e podem surgir boas oportunidades de negócio. É sempre positivo ter uma nova referência positiva quando as pessoas buscam nosso nome no Google, podemos fazer a diferença para quem está assistindo a palestra e muito mais.  No The Developer's

TDC ONLINE: SUA PLATAFORMA DE PALESTRAS GRAVADAS DO TDC DISPONÍVEL

Além do conteúdo ao vivo transmitido online nas edições do TDC, agora você pode ter acesso à centenas de palestras gravadas, através da nossa nova plataforma de vídeos - o TDC Online, que reúne todas as Trilhas premium, Stadium e Salas dos Patrocinadores das edições anteriores de 2022, TDC Innovation e TDC Connections.  Para acessar, basta clicar na edição em que você participou ( TDC Innovation ou TDC Connections ); Fazer o mesmo login (com e-mail e senha) cadastrados na hora de adquirir ou resgatar o seu ingresso no TDC; E clicar na Trilha de sua opção, e de acordo com a modalidade do seu ingresso. Logo em seguida, você será direcionado para a seguinte página com a lista de todas as palestras por Trilha: Pronto! Agora você tem acesso à centenas de palestras gravadas da sua área de interesse, para assistir como e quando quiser! Caso tenha esquecido a senha, clique na opção "Esqueci a senha" , insira o e-mail que você realizou para o cadastro no evento, e aparecerá a op

TDC INNOVATION lança University Pass

Modalidade de ingresso tem como objetivo ajudar na capacitação dos universitários Uma pesquisa realizada em 2020 pela Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom) diz que até o ano de 2024 o Brasil precisará de cerca de 420 mil profissionais na área de Tecnologia da Informação. Porém, por ano, a mesma pesquisa diz que o país forma apenas 46 mil profissionais capacitados no nicho. Pensando nisso, para ajudar na formação e capacitação desses jovens profissionais, o TDC INNOVATION, segunda edição do ano do The Developer's Conference, lança o University Pass, modalidade de ingresso que possibilita aceso digital gratuito a todas as palestras do evento, ou com 50% de desconto para quem preferir ir pessoalmente. Com o tema central “Desafios para a criação do futuro Digital”, o TDC INNOVATION ocorrerá entre 1 e 3 de junho, de forma híbrida: presencialmente no Centro de Convenções CentroSul, em Florianópolis, e com transmissão simultaneamente pela

Segurança da informação no alvo: o que esperar do futuro?

A segurança da informação não se trata apenas de proteger os dados contra acesso não autorizado. Na prática, refere-se aos recursos que impedem: uso; registro; inspeção; divulgação; interrupção; modificação; destruição de dados. O uso de dados pode abranger desde um perfil nas redes sociais a detalhes financeiros, biometrias ou novos projetos. Por isso, a preocupação com a proteção dos dados é crescente, tanto para empresas quanto clientes. Para muitas pessoas, a coleta de dados é considerada invasão de privacidade, criando desconfiança do titular dos dados, pois o uso dos dados pode ser facilmente corrompido, utilizado para fins não declarados. Apesar de o uso dos dados terem impulsionado os avanços tecnológicos na última década, as organizações lidam com o desafio de distinguir dados de informações pessoais de modo a proteger a privacidade e as preferências dos clientes. Neste artigo, abordaremos o impacto da segurança da informação e o que esperar do futuro. Confira casos conhecido

TDC Digital: o que você precisa saber para transformar sua carreira em 2022

O TDC Digital é o maior evento de TI do mercado e proporciona crescimento profissional a partir de palestras com especialistas e oportunidades de networking com o mundo todo, direto da sua casa. Através da escolha individual de cada participante é possível obter experiências imersivas e transformadoras conforme o tema-chave de cada trilha.  O evento também é o lugar ideal para ajudar no desenvolvimento de carreiras, permitindo que qualquer pessoa com vontade — e um tema interessante — seja palestrante e compartilhe suas experiências e conhecimentos. Para aqueles que querem  participar como ouvinte a plataforma do TDC favorece conferências dinâmicas, e o encontro de diversas comunidades e ecossistemas de TI. E, após a escolha de uma trilha, fica mais fácil acompanhar especialistas para aprender e se inspirar. Em 2021, o The Developer’s Conference (TDC) foi 100% digital e, em três dias de evento, contou com mais de 300 horas de conteúdos , incluindo: Agile; Testes; Design; Web e Mobile;

Inscrever sua equipe em eventos de TI vale a pena? Entenda aqui

Os eventos de TI são importantes para o aprendizado contínuo, especialmente em uma área tão dinâmica, como a de tecnologia. A necessidade de estar sempre por dentro das tendências pode esbarrar em algumas objeções, como investir em especializações pouco práticas ou opções pulverizadas de mercado. Por isso, participar de conferências e assistir palestras de especialistas é uma excelente oportunidade para sua equipe se desenvolver. O melhor de participar de eventos de TI é expandir os conhecimentos e habilidades independentemente da experiência específica, seja um desenvolvedor web ou full stack, por exemplo, as conferências de tecnologia podem ajudar o profissional a se aperfeiçoar. Isso ocorre devido ao contato com outros especialistas e colegas da mesma área. Além disso, é possível descobrir novas soluções e fazer networking . Neste artigo, você conhecerá as vantagens da sua equipe participar em eventos de TI. Aproveite a leitura! Vantagens de participar de eventos de TI Se o seu ob