Pular para o conteúdo principal

Geração de classes persistentes com a engenharia reversa no SpringRoo

Fechando uma série com 3 posts que descrevem algumas características do Spring Roo  para a camada de persistência, neste último post vou demonstrar como criar entidades persistentes a partir de uma base de dados relacional, utilizando engenharia reversa via o add-on DBRE (Database Reverse Engineering) do Spring Roo.

O diferencial do Roo, em relação a outras ferramentas de engenharia reversa, é a possibilidade de re-utilizar essa funcionalidade durante todo o ciclo de desenvolvimento, não se limitando apenas na fase inicial de codificação.

Modelo de dados
Vou usar o mesmo projeto demonstração dos outros dois posts, um CRUD de produtos, no MySQL com as seguintes tabelas:

Projeto Roo
Para experimentar a engenharia reversa do Spring Roo é interessante começar um projeto novo. A seguir, as instruções necessárias para montar o projeto:
roo> project --topLevelPackage br.com.yaw.produtos
roo> persistence setup --provider HIBERNATE --database MYSQL --databaseName roodb 
  --hostName localhost --userName roo --password roo
Importante: os parâmetros databaseName, hostName, userName e password mudam conforme a instalação realizada no banco.

Metadata no Banco de dados
O DBRE do Roo precisa de uma conexão com o banco de dados para consultar a estrutura das tabelas (metadados). Isso é feito através da interface DatabaseMetadata implementada pelo driver JDBC subjacente. Essas informações são mantidas pelo Roo em formato XML, e a partir deles o Roo gera o código das entidades persistentes.

Para utilizar o DBRE pela primeira vez, são necessários alguns comandos para configurar o add-on. Para quem já testou o DBRE esses passos podem ser ignorados. Primeiro é necessário instalar o driver JDBC do MySQL, por isso consultamos o seu id na lista de add-ons:
roo> addon list
roo> addon install id --searchResultId 39
Sobre o último comando, esse efetivamente instala o driver e 39 é id do #jdbcdriver do MySQL.

Pronto, agora para consultar a estrutura das tabelas no banco de dados e listar as informações no Shell basta executar a seguinte instrução:
roo> database introspect --schema roodb
<database name="no-schema-required">
  <table name="categoria">
    <column name="id" primaryKey="true" required="true" size="10" 
      type="4,INT"/>
    <column name="nome" primaryKey="false" required="true" size="50" 
      type="12,VARCHAR"/>
    <foreign-key foreignTable="produto" name="fk_categoria" onDelete="none" 
      onUpdate="none">
      <option key="exported" value="true"/>
      <reference foreign="categoria" local="id"/>
    </foreign-key>
    <unique name="PRIMARY">
        <unique-column name="id"/>
    </unique>
  </table>
  <table name="produto">
    <column name="id" primaryKey="true" required="true" size="10" 
      type="4,INT"/>
    <column name="descricao" primaryKey="false" required="true" size="60" 
      type="12,VARCHAR"/>
    <column name="preco" primaryKey="false" required="true" size="22" 
      type="8,DOUBLE"/>
    <column name="categoria" primaryKey="false" required="true" size="10" 
      type="4,INT"/>
    <foreign-key foreignTable="categoria" name="fk_categoria" onDelete="none" 
      onUpdate="none">
      <option key="exported" value="false"/>
      <reference foreign="id" local="categoria"/>
    </foreign-key>
    <unique name="PRIMARY">
      <unique-column name="id"/>
    </unique>
    <index name="fk_categoria">
      <index-column name="categoria"/>
    </index>
  </table>
</database>
Outras opções para executar esse comando:
  • schema no-schema-required: uma opção ao invés do nome do schema.
  • enableViews: habilita a engenharia reversa para visões do banco de dados (View).
  • file: guarda a pesquisa de metadados em arquivo XML.

Geração de Entidades
A geração do código das entidades ocorre através do comando database reverse engineer. A opção package é opcional e indica em qual pacote as classes devem ser geradas. Veja:
roo> database reverse engineer --schema roodb --package ~.model

Created SRC_MAIN_JAVA/br/com/yaw/produtos/model
Created SRC_MAIN_JAVA/br/com/yaw/produtos/model/Categoria.java
Created SRC_MAIN_JAVA/br/com/yaw/produtos/model/Produto.java
Updated SRC_MAIN_RESOURCES/META-INF/persistence.xml
Created SRC_MAIN_JAVA/br/com/yaw/produtos/model/Produto_Roo_ToString.aj
Created SRC_MAIN_JAVA/br/com/yaw/produtos/model/Produto_Roo_DbManaged.aj
Created SRC_MAIN_JAVA/br/com/yaw/produtos/model/Categoria_Roo_DbManaged.aj
Created SRC_MAIN_JAVA/br/com/yaw/produtos/model/Produto_Roo_Configurable.aj
Created SRC_MAIN_JAVA/br/com/yaw/produtos/model/Categoria_Roo_Entity.aj
Created SRC_MAIN_JAVA/br/com/yaw/produtos/model/Produto_Roo_Entity.aj
Created SRC_MAIN_JAVA/br/com/yaw/produtos/model/Categoria_Roo_ToString.aj
Created SRC_MAIN_JAVA/br/com/yaw/produtos/model/Categoria_Roo_Configurable.aj
Created ROOT/.roo-dbre

Depois de executar esse comando o Roo cria o arquivo .roo-dbre com a estrutura do banco e, as classes Categoria e Produto. Para cada classe o Roo também cria três aspectos, que foram apresentados no primeiro post: _Roo_Configurable, _Roo_Entity e _Roo_ToString.

Porém, com o DBRE o Roo marca a entidade com a anotação @RooDbManaged e cria um quarto tipo de aspecto: _Roo_DbManaged. Nesse aspecto o Roo coloca o código de mapeamento JPA gerado pela engenharia reversa. Veja o exemplo do aspecto Produto_Roo_DbManaged:
//...
privileged aspect Produto_Roo_DbManaged {
    
  @ManyToOne
  @JoinColumn(name = "categoria", referencedColumnName = "id", nullable = false)
  private Categoria Produto.categoria;
    
  @Column(name = "descricao", columnDefinition = "VARCHAR", length = 60)
  @NotNull
  private String Produto.descricao;
    
  @Column(name = "preco", columnDefinition = "DOUBLE")
  @NotNull
  private Double Produto.preco;
  
  public Categoria Produto.getCategoria() {
    return this.categoria;
  }
    
  public void Produto.setCategoria(Categoria categoria) {
    this.categoria = categoria;
  }
    
  public String Produto.getDescricao() {
    return this.descricao;
  }
    
  public void Produto.setDescricao(String descricao) {
      this.descricao = descricao;
  }
    
  public Double Produto.getPreco() {
      return this.preco;
  }
    
  public void Produto.setPreco(Double preco) {
      this.preco = preco;
  }
}

As classes Produto e Categoria ficam praticamente sem código, só com as anotações do Roo. A intenção do Roo é inferir o mínimo possível no código Java sem tirar a autonomia do programador, que pode a qualquer momento sobrescrever na própria entidade um atributo ou remover a marcação @RooDbManaged.

Outras opções também podem ser utilizadas com o comando database reverse engineer:
  • testAutomatically: cria o código de teste de integração para as entidades.
  • enableViews: habilita a engenharia reversa para Visões (View).
  • includeTables: filtra as tabelas que serão processadas, por exemplo as tabelas com o prefixo prod: --includeTables "prod*"
  • excludeTables: opção para restringir tabelas, por exemplo tabelas com prefixo sys: --excludeTables "sys*"

Com mais dois comandos e aplicação já pode ser testada:
roo> controller all --package ~.web
roo> perform package
Caso a tabela sofra alguma modificação, uma nova coluna por exemplo, é possível em qualquer momento executar novamente o comando database reverse engineer que o resto do trabalho é feito pelo Roo.


Relacionamentos
O DBRE compreende o relacionamento entre entidades através das chaves estrangeiras (foreign key) existentes no banco de  dados. No exemplo utilizado aqui, o Roo resolve com associção many-valued bidirecional sendo o Produto relacionado (ManyToOne) a uma Categoria. Já a Categoria com um conjunto de Produtos (OneToMany).

A geração do código seria diferente se, por exemplo, o campo categoria da tabela produto fosse a chave primária. Dessa forma o Roo montaria o relacionamento OneToOne da Categoria com o Produto, nesse caso unidirecional na classe Categoria.

O Roo também suporta a definição de chave primária com duas ou mais colunas, maiores detalhes estam disponíveis na documentação.


Padrão de nomes
O Roo define um algoritmo simples para definir o nome das classes e atributos a partir das tabelas e colunas. Para a tabela os caracteres "_", "-" ou "\" são separadores de nome, veja exemplos:
  • Tabela produto > Classe Produto
  • Tabela produto_categoria > ProdutoCategoria
  • Tabela PRODUTO-ITEM > ProdutoItem

O comportamento é parecido para as colunas:
  • Coluna preco > Atributo preco
  • Coluna codigo_produto > Atributo codigoProduto
É isso!

Outras referências:
[]s
Eder Magalhães
www.yaw.com.br
twitter.com/youandwe
twitter.com/edermag

Comentários

Adriano disse…
Parabéns pelo Post. Você sabe como criar novas anotações para o ROO? Se é possível criarmos um código java e criarmos uma anotação referente a este código, para que seja gerenciado pelo Roo. Tem indicação de material?
Abraço
Alan D Avila disse…
Muito bom o post, é exatamente o que eu estou precisando. Parabéns pela iniciativa e pelo blog.

Postagens mais visitadas deste blog

Você já pensou em ser palestrante em algum evento ?

Você já deve ter participado de algum evento e pensado como deve ser legal ser palestrante... E para falar a verdade, é muito bom mesmo. Eu adoro, o Vinicius adora e conheço muitas pessoas que curtem cada minuto da participação no evento como palestrante. Com certeza é uma responsabilidade a mais. Você sente medo, adrenalina, tem que se preparar. Literalmente coloca a cara a tapa para qualquer pessoa te avaliar em todos os sentidos. Qual o seu tom de voz?  Seus slides são legais? Você manja mesmo ?  Seu português está ok?  E as palavras em inglês ?  Teve algum deslize técnico? E MUITO mais.  Mas é claro que a exposição tem dois lados... e os resultados podem ser ótimos. Normalmente conhecemos mais pessoas como palestrantes e podem surgir boas oportunidades de negócio. É sempre positivo ter uma nova referência positiva quando as pessoas buscam nosso nome no Google, podemos fazer a diferença para quem está assistindo a palestra e muito mais.  No The Developer's

TDC ONLINE: SUA PLATAFORMA DE PALESTRAS GRAVADAS DO TDC DISPONÍVEL

Além do conteúdo ao vivo transmitido online nas edições do TDC, agora você pode ter acesso à centenas de palestras gravadas, através da nossa nova plataforma de vídeos - o TDC Online, que reúne todas as Trilhas premium, Stadium e Salas dos Patrocinadores das edições anteriores de 2022, TDC Innovation e TDC Connections.  Para acessar, basta clicar na edição em que você participou ( TDC Innovation ou TDC Connections ); Fazer o mesmo login (com e-mail e senha) cadastrados na hora de adquirir ou resgatar o seu ingresso no TDC; E clicar na Trilha de sua opção, e de acordo com a modalidade do seu ingresso. Logo em seguida, você será direcionado para a seguinte página com a lista de todas as palestras por Trilha: Pronto! Agora você tem acesso à centenas de palestras gravadas da sua área de interesse, para assistir como e quando quiser! Caso tenha esquecido a senha, clique na opção "Esqueci a senha" , insira o e-mail que você realizou para o cadastro no evento, e aparecerá a op

TDC INNOVATION lança University Pass

Modalidade de ingresso tem como objetivo ajudar na capacitação dos universitários Uma pesquisa realizada em 2020 pela Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom) diz que até o ano de 2024 o Brasil precisará de cerca de 420 mil profissionais na área de Tecnologia da Informação. Porém, por ano, a mesma pesquisa diz que o país forma apenas 46 mil profissionais capacitados no nicho. Pensando nisso, para ajudar na formação e capacitação desses jovens profissionais, o TDC INNOVATION, segunda edição do ano do The Developer's Conference, lança o University Pass, modalidade de ingresso que possibilita aceso digital gratuito a todas as palestras do evento, ou com 50% de desconto para quem preferir ir pessoalmente. Com o tema central “Desafios para a criação do futuro Digital”, o TDC INNOVATION ocorrerá entre 1 e 3 de junho, de forma híbrida: presencialmente no Centro de Convenções CentroSul, em Florianópolis, e com transmissão simultaneamente pela

TDC Digital: o que você precisa saber para transformar sua carreira em 2022

O TDC Digital é o maior evento de TI do mercado e proporciona crescimento profissional a partir de palestras com especialistas e oportunidades de networking com o mundo todo, direto da sua casa. Através da escolha individual de cada participante é possível obter experiências imersivas e transformadoras conforme o tema-chave de cada trilha.  O evento também é o lugar ideal para ajudar no desenvolvimento de carreiras, permitindo que qualquer pessoa com vontade — e um tema interessante — seja palestrante e compartilhe suas experiências e conhecimentos. Para aqueles que querem  participar como ouvinte a plataforma do TDC favorece conferências dinâmicas, e o encontro de diversas comunidades e ecossistemas de TI. E, após a escolha de uma trilha, fica mais fácil acompanhar especialistas para aprender e se inspirar. Em 2021, o The Developer’s Conference (TDC) foi 100% digital e, em três dias de evento, contou com mais de 300 horas de conteúdos , incluindo: Agile; Testes; Design; Web e Mobile;

Segurança da informação no alvo: o que esperar do futuro?

A segurança da informação não se trata apenas de proteger os dados contra acesso não autorizado. Na prática, refere-se aos recursos que impedem: uso; registro; inspeção; divulgação; interrupção; modificação; destruição de dados. O uso de dados pode abranger desde um perfil nas redes sociais a detalhes financeiros, biometrias ou novos projetos. Por isso, a preocupação com a proteção dos dados é crescente, tanto para empresas quanto clientes. Para muitas pessoas, a coleta de dados é considerada invasão de privacidade, criando desconfiança do titular dos dados, pois o uso dos dados pode ser facilmente corrompido, utilizado para fins não declarados. Apesar de o uso dos dados terem impulsionado os avanços tecnológicos na última década, as organizações lidam com o desafio de distinguir dados de informações pessoais de modo a proteger a privacidade e as preferências dos clientes. Neste artigo, abordaremos o impacto da segurança da informação e o que esperar do futuro. Confira casos conhecido

Inspire a mudança com a liderança ágil

A liderança ágil é essencial para que uma organização realize mudanças de negócios significativas. Ser líder é uma tarefa desafiadora, especialmente em um cenário de constantes transformações, principalmente na forma de lidar com a relação empresa e pessoal. Pesquisas sobre liderança na era digital revelam que algumas soft skills têm sido substituídas por outras, o profundo conhecimento na área de negócio, ser referência nas tecnologias utilizadas, ter foco total no prazo e nas entregas e conhecer um arsenal de técnicas e ferramentas, têm dado espaço a habilidades, como: empatia; adaptabilidade; visão e propósito; engajamento constante; senso de equipe.   A colaboração entre pessoas de todos os níveis hierárquicos são vitais, afinal, as equipes estão trabalhando para o mesmo objetivo: o encantamento e atendimento das necessidades do cliente que proporcionarão um crescimento sustentável da organização. Com propósito claro, estratégia e prioridades definidas, os times desfrutam de uma