Pular para o conteúdo principal

Bastidores do Spring Roo: A camada de persistência

Como funciona a criação e manutenção da camada de persistência de uma aplicação desenvolvida com Roo?

Esse post demonstra como o Spring Roo configura a camada de persistência, descreve os comandos de persistência e como eles funcionam, além de esclarecer como o Spring Roo atua sob as entidades no decorrer do desenvolvimento. Esse texto complementa o conteúdo postado em Aventuras com Spring Roo no mundo real.


O Spring Roo é uma ferramenta RAD (Rapid Application Development) para desenvolvimento de aplicativos para Web, usando a linguagem Java. Se você nunca ouviu falar sobre o Spring Roo, leia Hello Roo.


Projeto demo
O exemplo usado como demonstração é bem simples, um CRUD de Produtos usando o HSQLDB, em poucos passos e sem burocracia o aplicativo poderá ser testado.  Considerando que a instalação e configuração do Roo já foram concluídas, para criar o projeto basta executar no shell do Roo:
roo> project --topLevelPackage br.com.yaw.produtos


Configuração da persistência
O Roo resolve o mapeamento objeto relacional através da JPA, habilitamos o mecanismo de persistência através do comando persistence setup.

Atributos do comando persistence setup:
  • database: indica qual é o Banco de Dados, as opções são MySQL, Oracle, DB2, PostgreSQL e outros.
  • provider: o provedor JPA que será utilizado, as opções são: EclipseLink, OpenJPA e Data Nucleus.
  • databaseName: indica o nome (instância) do banco de dados;
  • userName e password: nome e senha do usuário de banco de dados;
  • hostName: endereço da máquina com o banco de dados;
  • jndiDataSource: indica o nome do DataSource armazenado no JNDI;
  • persistenceUnit: nome da unidade persistência JPA (persistence.xml);
  • applicationId: identificador o aplicativo no Google App Engine, caso o projeto venha a ser executado na infra-estrutura de Cloud do Google;
Na demonstração usaremos a alternativa mais simples:
roo> persistence setup --database HYPERSONIC_IN_MEMORY --provider HIBERNATE

Com essa instrução o Roo altera e cria alguns arquivos de configuração. Veja:
  • pom.xml: configura as dependências do Maven, isso inclui: API JPA, provedor JPA, driver do banco de dados, Spring ORM, Spring JDBC, Commons DBCP e Commons Pool.
  • applicationContext.xml: adiciona as configurações de beans (do Spring) para DataSource, LocalContainerEntityManagerFactoryBean e ativa o Spring Transaction.
  • persistence.xml: cria o arquivo com as configurações da JPA.
  • database.properties: esse arquivo contém as configurações de conexão com o banco de dados.

Esses arquivos podem ser alterados diretamente em qualquer editor de texto a qualquer momento, sem o uso do Shell do Roo. Mas o Roo suporta alteração das propriedades através do comando properties set. A seguir um exemplo para mudar o nome do usuário do banco:
roo> properties set --path SRC_MAIN_RESOURCES --name /META-INF/spring/database.properties --key database.username --value teste

Outra forma de configurar propriedades do banco de dados é através do comando database properties set. O exemplo a seguir lista todas as propriedades contidas no arquivo database.properties:
roo> database properties list

O comando persistence setup pode ser executado a qualquer momento durante o desenvolvimento e quantas vezes necessário. Imagine a seguinte situação: no início de um projeto, como prova de conceito, o HSQLDB era uma opção interessante, mas no decorrer do projeto o restante da implementação deve ocorrer no MySQL.


Entidades
As entidades de domínio, Pojos que representam o modelo da aplicação, na verdade são a origem para geração de código no Spring Roo. A partir de uma entidade o Roo gera o Mapeamento Objeto Relacional e o código para os componentes Controller e View, seguindo o modelo Scaffold.

A seguir os comandos para criação da entidade Produto e dos campos Descrição e Preço. O mecanismo validação foi ativado através dos atributos notNull e min, o Spring Roo suporta a JSR 303.
roo> entity --class ~.model.Produto
roo> field string descricao --notNull
roo> field number --type java.lang.Double --fieldName preco --min 1

As entidades seguem o pattern ActiveRecord, onde cada entidade resolve o código CRUD para a tabela mapeada. Com o Spring Roo não usamos o pattern Data Access Object (DAO).


Mágica
A estratégia utilizada pelo Roo para implementar meta-programação em Java é através de Aspectos, com o AspectJ, popular implementação de AOP na plataforma Java. O código Java da classe Produto é extremamente pequeno, até os getters e setters são gerados por aspecto!

O Roo gera o arquivo Produto.java e demarcada a classe com 3 annotations e ainda gera 4 aspectos.

1. Produto_Roo_Entity.aj
Principal aspecto, define o ORM comum em todas as entidades, os atributos @Id e @Version. Esse aspecto implementa o código ActiveRecord com os métodos: persist, remove, flush e merge.

O aspecto implementa alguns métodos para consultas contra a base dados: findProduto, findAllProdutos, findProdutoEntries e countProdutos. Para não engessar a camada de persistência, esse aspecto também cria o método entityManager para expor o gestor de persistência fora do contexto de aspectos. Criado a partir da annotation @RooEntity.

2. Produto_Roo_Configurable.aj
Habilita a Injeção de Dependência do EntityManager via Spring IoC, através da annotation @Configurable.

3. Produto_Roo_JavaBean.aj
Esse aspecto cria o método get e o método set de cada atributo definido na entidade. Criado a partir da annotation @RooJavaBean.

4. Produto_Roo_ToString.aj
Gera o método toString concatenando os atributos em uma String. Criado a partir da annotation @RooToString.

Uma restrição importante do Roo: NUNCA manipule o código dos aspectos, afinal esse conteúdo é gerado pela ferramenta. A proposta do Roo é inferir o mínimo possível no código Java. O Roo demarca as classes com annotations e gera o código através de aspectos.



O driagrama acima ilustra como o Roo trabalha desde de a geração do código até a compilação da classe. O Roo monitora o arquivo Produto.java, qualquer modificação pode refletir nos aspectos, por fim o compilador AspectJ unifica o conteúdo dos aspectos com Java para gerar Produto.class


Transação
No Roo o controle do escopo transacional com o banco de dados é realizado pelo Spring Transaction. Nas entidades, seguindo a linha Active Record, os métodos persist, remove, flush e merge são demarcados com a annotation @Transactional. Na camada Controller, gerada pelo Roo, esses métodos serão invocados em transações isoladas. 

O desenvolvedor tem autonomia para aumentar o escopo transacional de uma requisição demarcando o método da Controller com @Transactional. Dessa forma todas as operações CRUD acionadas a partir desse método irão pertencer a mesma transação.

Em algumas situações pode fazer mais sentido criar um método na própria entidade para agrupar a execução de outros métodos na mesma transação, um exemplo disso poderia ocorrer no relacionamento master-detail. Basta marcar esse método com @Transactional, a única restrição é de que este método não pode ser static.


Terminando a demo
Para concluir e rodar a aplicação demonstração basta executar os seguintes comandos:
roo> controller all --package ~.web
roo> perform package
roo> quit
$ mvn tomcat:run

Dica: os comandos executados no Shell do Roo ficam armazenados no arquivlo log.roo no diretório raiz da aplicação.

O Roo contém outros dois comandos que também envolvem a camada de persistência, finder e database reverser engineer. Mas deixo esses dois comandos para o próximo post!

Outras referências

[]s
Eder Magalhães
www.yaw.com.br
twitter.com/youandwe
twitter.com/edermag

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Melhorando Performance de JPA com Spring Web Flow

No TDC2009 realizado pela Globalcode em São Paulo foi apresentado um Lightning Talk sobre um problema específico de performance em aplicações Web com JPA e uma possível solução usando o Spring Web Flow . Num período de 15 minutos, os slides a seguir foram apresentados e seguidos de alguns vídeos de demonstração de uma aplicação Web em execução. Melhorando performance do JPA com Spring Web Flow View more presentations from Dr. Spock . Nesta apresentação foi dito que temos encontrado problemas de performance em aplicações Web que utilizam as tecnologias JSF + JPA + Ajax quando precisamos gerenciar um contexto de persistência (EntityManager). Estes problemas se manifestam quando aplicamos uma resposta errada para a pergunta: Como gerenciar o contexto de persistência numa aplicação Web? Se as aplicações não usam Ajax e limitam-se ao modelo orientado a requisições, a solução mais comum é o uso do design pattern chamado "Open Session In View Filter". Através deste design

Dica rápida: Apagando registros duplicados no MySQL

Ola pessoal, Sei que vocês estão acostumados a ver posts meus sobre tecnologia móvel ou algo relacionado, mas hoje vou falar sobre um pequeno "truque" que usei esse final de semana com o MySQL. Eu estava desenvolvendo o lado servidor de uma nova aplicação mobile (ahh, então "tem a ver" com mobile hehe), e quando fui fazer alguns testes percebi que tinha quase 7 mil registros duplicados (!!!) na minha base de dados! Bom, o meu primeiro reflexo como programador foi pensar em fazer um "programinha" Java para buscar e deletar todos esses registros duplicados. Mas ai, resolvi tirar as teias de aranha dos neurônios e usar os vários anos de experiência que passei com SQL e criar uma query que fizesse esse trabalho todo de uma vez!! E a query ficou assim: delete from TABLE_NAME USING  TABLE_NAME, TABLE_NAME  AS  auxtable WHERE   ( NOT  TABLE_NAME.id  =  auxtable.id ) AND   ( TABLE_NAME.name  =  auxtable.name ) Explicação direta: TABLE_NAME

O que é Lógica de programação?

Este é o segundo de uma série de posts voltados aos leitores do blog que estão dando início à carreira de desenvolvimento de software. O assunto de hoje é a lógica de programação. Para ler antes: Entendendo como funciona a programação de computadores: linguagens de programação, lógica, banco de dados A lógica de programação é um pré-requisito para quem quer se tornar um desenvolvedor de software, independente da linguagem de programação que se pretende utilizar. Mas o que é de fato a Lógica de Programação e como saber se eu tenho esse pré-requisito? A lógica de programação nada mais é do que a organização coerente das instruções do programa para que seu objetivo seja alcançado. Para criar essa organização, instruções simples do programa, como mudar o valor de uma variável ou desenhar uma imagem na tela do computador, são interconectadas a estruturas lógicas que guiam o fluxo da execução do programa. Isso é muito próximo ao que usamos em nosso cotidiano para realizar atividad

10 reasons why we love JSF

1. One-slide technology: it's so simple that I can explain basic JSF with one slide. 2. Easy to extend: components, listeners, render kit, Events, Controller, etc. 3. Real-world adoption: JBoss, Exadel, Oracle, IBM, ... 4. Architecture model: you can choose between more than 100 different architecture. 5. Open-mind community: using JSF you are going to meet very interesting people. 6. We are using JSF the last 5 years and we found very good market for JSF in Brazil 7. Progress: look to JSf 1.1 to JSF 1.2, JSF 1.2 to JSF 2.0. People are working really hard! 8. Many professionals now available 9. It's a standard. It's JCP. Before complain, report and help! 10. Ed Burns, spec leader, is an old Globalcode community friend! EXTRA: My wife is specialist in JSF. She's my F1 for JSF :) Nice job JSF community! -Vinicius Senger

Devo fazer um curso ou ler um livro?

Acredito que todos os instrutores ou professores, independentemente da área, escola ou centro de treinamento, já devam ter recebido essa pergunta alguma vez na vida: devo fazer um curso ou ler um livro? Para responder a essa pergunta, precisamos avaliar os prós e contras de cada opção. Trabalho com treinamento há algum tempo e, hoje, recebi essa pergunta de um aluno. Não adianta responder a ou b sem argumentar, demonstrando as opções conforme a situação do aluno. O conteúdo, a forma de transmissão e a capacidade de assimilação do indivíduo são chaves para haver benefício maior de aprendizado. Tanto em um bom curso quanto em um bom livro, o conteúdo é a premissa básica . Por conteúdo entendemos: se está organizado; se respeita pré-requisitos; se promove o aprendizado guiado e incremental; se aborda de forma satisfatória os principais pontos; se tem bom balanço entre teoria, exemplos e prática (favorecendo exemplos e prática); se tem como premissa a acessibilidade possível (e cabível) pa

JavaMail: Enviando mensagem HTML com anexos

Introdução Depois do post "JavaMail: Enviando e-mail com Java" , que apresentava como enviar um e-mail com Java, resolvi complementar a assunto apresentando como enviar uma mensagem formatada, em HTML , e também como realizar o envio de anexos. Bibliotecas Além da biblioteca JavaMail, veja mais no post anterior , é necessário incluir o JavaBeans Activation Framework (JAF), apenas se a versão utilizada for anterior ao JSE 6.0 , que já tem o JAF incluso. O JAF está disponível em http://www.oracle.com/technetwork/java/javase/downloads/index-135046.html , e neste download encontramos, alguns exemplos na pasta demo , documentação, incluindo javadocs, na pasta docs e a biblioteca activation.jar , que deve ser acrescentada no classpath da aplicação para versões anteriores ao JSE 6.0. Exemplo Primeiramente devemos realizar a configuração da javax.mail.Session e da javax.mail.internet.MimeMessage , estes passos podem ser vistos no post anterior . Agora vamos montar um