Pular para o conteúdo principal

Aprenda diversos conceitos interagindo com o mascote do Android



No mundo da programação, geralmente nos deparamos com diversos conceitos, siglas e plataformas que ainda não faziam parte do nosso vocabulário. Mesmos os desenvolvedores mais experientes passam por esta etapa. Ainda mais quando uma nova onda invade o ambiente de estudo: a internet das coisas. Junto com ela, o conceito de make yourself, placas de prototipação como arduino e diversos mini-pcs, o mais famosos deles o Raspberry Pi.
Neste pequeno artigo pretendo mostrar de forma prática o que são e para que servem estas 4 palavras: arduino, adk, protoboard e sensores. Para tornar o aprendizado mais animador proponho um código que irá ligar os olhos do robozinho verde símbolo da plataforma Android.
Começaremos pelo arduino. Esta placa, usada principalmente para prototipação de projetos eletrônicos , teve um enorme sucesso. Prova disso é o recente interesse da gigante Intel, e a criação do Intel Galileo, baseado justamente neste produto italiano criado por Mássimo Banzi.
O arduino é um projeto open-source e open-hardware, resultante da união entre uma placa antecessora chamada Wiring e uma linguagem de programação chamada de Processing. Na figura abaixo temos o Arduino Uno na parte inferior e o Iteaduino ADK na parte superior.

O Arduino Uno é baseado no microcontrolador ATMega 328, um dos mais comuns no mercado. Perceba que na parte superior encontram-se 14 portas digitais mais um terra (gnd) e um aref. Na parte inferior a esquerda temos portas de entrada de energia, mais dois terras e reset. Na parte inferior a direita temos 6 portas analógicas.
Porém, perceba que uma placa arduino sem nenhum componente adicional não tem nenhuma utilidade. É neste momento que entram os sensores. Estes, captam dados e informações do mundo externo, propiciando que programadores desenvolvam uma lógica computacional encima dos mesmos. Por exemplo, com um sensor de luz e um sensor de presença podemos criar um sistema de alarme residencial extremamente confiável.
Dependendo do sensor a ser utilizado saberemos quais portas devemos utilizar. Por exemplo, um simples LED usa uma porta digital e uma porta terra. Já um sensor de luz, por exemplo, é um sensor analógico e deve ser ligado nos pinos mencionados na parte inferior direita do Arduino Uno.
Voltando a imagem anterior, na parte superior temos um Arduino Mega. Visualmente já percebemos uma quantidade muito maior de portas analógicas e digitais. Além disso, ele também tem um microcontrolador ATMega 2560, e também podemos encontra-lo usando o ATMega 1258. A mudança é na memória ROM Flash. O 328 tem 32Kb, o 2560 tem 256Kb.
O Arduino Mega também é a base para o Adk (Accessory Development Kit), uma placa criada pelo Google para que desenvolvedores criassem hardware para smartphones Android. O ADK possui um protocolo específico (AOA Protocol) que pode ser usado para troca de dados via serial ou bluetooth entre um aplicativo Android e a placa Arduino.
Para unir todos estes conceitos vamos à codificação da placa. Será usado um sensor de presença ultrassônico, semelhante ao mostrado abaixo. A idéia é que ao aproximarmos algum objeto do sensor os olhos do mascote do Android, desenhado no ADK, se acendam.

Perceba que ele tem quatro “perninhas”, nomeadas com VCC, Trig, Echo e GND. O VCC é o sinal de 5V, o Echo e o Trig devem ser colocados em portas digitais. E o GND é o ground, ou terra. O problema é que no arduino estas portas não estão localizadas lado a lado, para que possamos simplesmente acoplar o sensor na placa. É neste momento que entra em ação a protoboard.
A protoboard é mostrada na figura abaixo. Ela apresenta diversos tamanhos e formatos. Neste projeto utilizei a versão mini. Mas independente da versão, todas apresentam furos conectados verticalmente, como mostra a Figura.

Agora veja como conectamos o sensor de proximidade a protoboard e esta, por sua vez, ao arduino adk.

O fio preto está ligando o terra do sensor a porta terra do adk. Os dois fios azuis estão ligando o echo e o trigger as portas digitais 11 e 12. O fio laranja liga o VCC do sensor ao pino 5 volts do ADK.
Depois disso veja o código Arduino (para baixar a ide acesse www.arduino.cc).

#include <NewPing.h>
#define TRIGGER_PIN  12
#define ECHO_PIN     11
#define MAX_DISTANCE 200

NewPing sonar(TRIGGER_PIN, ECHO_PIN, MAX_DISTANCE);

unsigned int distancias[5];
int qtdLeu = 0;

void setup() {
  pinMode(18, OUTPUT);
  pinMode(19, OUTPUT);
}

void loop() {
  unsigned int uS = sonar.ping();
  unsigned int cm = (uS / US_ROUNDTRIP_CM);
 
  if (qtdLeu < 3){
    distancias[qtdLeu] = cm;
    qtdLeu++;
  } else {
    distancias[0] = distancias[1];
    distancias[1] = distancias[2];
    distancias[2] = distancias[3];
    distancias[3] = distancias[4];
    distancias[4] = cm;
   
    int media = (distancias[0] + distancias[1] + distancias[2] + distancias[3] + distancias[4]) / 5;
   
    if (media < 15){
      digitalWrite(18, HIGH);
      digitalWrite(19, HIGH);
    } else {
      digitalWrite(18, LOW);
      digitalWrite(19, LOW);
    }
  }
}

O experimento em funcionamento pode ser visto neste link.
Espero ter demonstrado de forma prática o que significa cada palavra mencionada no início deste pequeno artigo. Qualquer dúvida ou sugestão comente o post que respondo assim que possível. Obrigado
Att - Ricardo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

2º Bate Papo do SP-GTUG - Divulgação

Pessoal, Para aqueles que já estiveram presentes nas atividades do SP-GTUG (encontros ou bate papos na Globalcode), e para os que ainda não puderam estar presentes, teremos um novo bate papo acerca de mais duas tecnologias do Google: AdSense e Python no GAE. Este será o nosso segundo bate papo do SP-GTUG, nos mesmos moldes dos minicursos da Globalcode . Local e data O bate papo acontecerá no dia 27/03/10, das 10:00 às 13:00 na Globalcode. Para fazer sua inscrição e participar acesse a home da Globalcode e vá até a parte de "Minicursos Gratuitos da Semana ". Conteúdo das apresentações Abaixo seguem as descrições passadas pelos palestrantes: Título: "Algoritmos em Python" Resumo: Python é uma linguagem considerada frugal, simples, sem ser simplória! Entenda como construir algoritmos ninjas com essa linguagem, adotada pela Google e pelo MIT. Veremos muito, muito código, desde algoritmos clássicos até tutoriais do

10 reasons why we love JSF

1. One-slide technology: it's so simple that I can explain basic JSF with one slide. 2. Easy to extend: components, listeners, render kit, Events, Controller, etc. 3. Real-world adoption: JBoss, Exadel, Oracle, IBM, ... 4. Architecture model: you can choose between more than 100 different architecture. 5. Open-mind community: using JSF you are going to meet very interesting people. 6. We are using JSF the last 5 years and we found very good market for JSF in Brazil 7. Progress: look to JSf 1.1 to JSF 1.2, JSF 1.2 to JSF 2.0. People are working really hard! 8. Many professionals now available 9. It's a standard. It's JCP. Before complain, report and help! 10. Ed Burns, spec leader, is an old Globalcode community friend! EXTRA: My wife is specialist in JSF. She's my F1 for JSF :) Nice job JSF community! -Vinicius Senger

JSF 2 - Composite Components, você não precisa mais ser um ninja

Estamos em uma nova era da computação, os dados não estão mais localizados em um banco dentro de sua empresa, vivemos a explosão de redes sociais, informações são geradas a todo instante, e se torna essencial que sua aplicação conheça os serviços disponíveis na web e consumam suas APIs geralmente disponíveis por serviços REST. Legal, mas como ficam meus aplicativos Java EE neste novo cenário? Para quem vem acompanhando a evolução da plataforma, é notório que todo esforço vem sendo utilizado para aumentar a produtividade e a integração com novos serviços. Basicamente duas especificações surgem com muita força para atender este cenário, a JSR - 314 (JSF-2) e JSR - 311 (JAX-RS), neste post exploraremos a JSR-314 (JSF2) e sua nova forma de criar Composite Components. Uma das grandes queixas dos desenvolvedores JSF era a complexidade em criar composite components, era necessário um vasto conhecimento sobre o ciclo de vida de uma aplicação JSF. Agora, você não precisa ser mais um “ninja” em

Gosta de informática e sonha ser programador Java um dia ?

A Globalcode está procurando jovens que queiram ser programadores no futuro, para fazer parte de sua equipe de vendas e operacional na unidade Paraíso em São Paulo somente. O grande diferencial é o planejamento para carreira de programador. O planejamento de cursos do portifólio da Globalcode: Academia do Programador, Academia Java, Academia Web, Robótica, Eletrônica, etc, será realizado periodicamente de acordo com o desempenho e interesse individual. Atenção : Este não é um estágio para trabalhar com Java, são duas vagas CLT administrativas para pessoas que queiram ser programadores no futuro. Perfil : Conhecimentos de informática básica, saber lidar com pessoas e trabalhar em equipe. Deve ter concluído o ensino médio, ter boa escrita, ser organizado, responsável, comprometido e dinâmico. Interesse por computação, programação, internet, robótica, eletrônica,... Temos duas vagas para jovem-aprendiz abertas: 1) Setor operacional No dia a dia Serviços externos Controle de estoqu

JavaMail: Enviando mensagem HTML com anexos

Introdução Depois do post "JavaMail: Enviando e-mail com Java" , que apresentava como enviar um e-mail com Java, resolvi complementar a assunto apresentando como enviar uma mensagem formatada, em HTML , e também como realizar o envio de anexos. Bibliotecas Além da biblioteca JavaMail, veja mais no post anterior , é necessário incluir o JavaBeans Activation Framework (JAF), apenas se a versão utilizada for anterior ao JSE 6.0 , que já tem o JAF incluso. O JAF está disponível em http://www.oracle.com/technetwork/java/javase/downloads/index-135046.html , e neste download encontramos, alguns exemplos na pasta demo , documentação, incluindo javadocs, na pasta docs e a biblioteca activation.jar , que deve ser acrescentada no classpath da aplicação para versões anteriores ao JSE 6.0. Exemplo Primeiramente devemos realizar a configuração da javax.mail.Session e da javax.mail.internet.MimeMessage , estes passos podem ser vistos no post anterior . Agora vamos montar um

TDC INNOVATION lança University Pass

Modalidade de ingresso tem como objetivo ajudar na capacitação dos universitários Uma pesquisa realizada em 2020 pela Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom) diz que até o ano de 2024 o Brasil precisará de cerca de 420 mil profissionais na área de Tecnologia da Informação. Porém, por ano, a mesma pesquisa diz que o país forma apenas 46 mil profissionais capacitados no nicho. Pensando nisso, para ajudar na formação e capacitação desses jovens profissionais, o TDC INNOVATION, segunda edição do ano do The Developer's Conference, lança o University Pass, modalidade de ingresso que possibilita aceso digital gratuito a todas as palestras do evento, ou com 50% de desconto para quem preferir ir pessoalmente. Com o tema central “Desafios para a criação do futuro Digital”, o TDC INNOVATION ocorrerá entre 1 e 3 de junho, de forma híbrida: presencialmente no Centro de Convenções CentroSul, em Florianópolis, e com transmissão simultaneamente pela