Pular para o conteúdo principal

Como conectar uma placa ADK e um aplicativo Android de forma indolor

Bom dia.

Neste pequeno artigo pretendo mostrar como é fácil e rápido codificar um Arduino com suporte a ADK e um smartphone para ambos se reconhecerem. Em um próximo artigo pretendo mostrar como funciona a troca de dados. Porém, vamos em partes.

Inicialmente precisamos definir o ADK e, nada melhor que pedir ajuda a criadora desta plataforma, o nosso ilustríssimo Google. Na página de desenvolvedores Android encontrei a seguinte definição: The Android Open Accessory Development Kit (ADK) is a reference implementation of an Android Open Accessory, based on the Arduino open source electronics prototyping platform.Ou seja, é um Arduino Mega com um protocolo Android específico.

Neste link encontram-se duas coisas valiosas. A primeira, encontrada no link com o texto "ADK package download", é o código para a placa ADK e o código para o aplicativo Android utilizado no famoso ADK DemoKit, mostrado em 99% das palestras sobre a tecnologia.

Mas, para iniciantes, talvez não seja uma boa idéia estudar este código, pode confundir um pouco as coisas. Então, porque não começar com o código mais simples possível. Uma espécie de esqueleto, o DNA da comuicação ADK-Aplicativo.

Começamos pela parte mais fácil, a do Arduino ADK. Vejam o código:

#include <Max3421e.h>
#include <Usb.h>
#include <AndroidAccessory.h>

AndroidAccessory acc("Fabricante", "Modelo", "Descricao", "Versao", "URI", "Serial");
void setup() {
  Serial.begin(115200);
  acc.powerOn();
}

void loop() {
  if (acc.isConnected()) {
    //fazer algo
  }
  delay(250);
}


Essencialmente temos apenas três linhas além do já tradicional código Arduino, que necessita dos métodos setup e loop. Além dos includes, mas esses serão sempre fixos então não precisam de tanta atenção.

Inicialmente é necessário criar um objeto AndroidAccessory. Os parâmetros passados são como uma identificação do ADK. Os mais importantes são o fabricante, o modelo e a versão. A URI também pode ser de grande utilidade, isso porque, se o Android não encontrar um aplicativo capaz de lidar com aquele ADK, ele pode pegar esta URI e mandar para a Google Play por exemplo.

No setup temos uma chamada ao método powerOn, que muda o estado do ADK para ativo. No método loop é feito um teste lógico para saber se o ADK já está conectado ao smartphone. Caso afirmativo, podemos iniciar a troca de informações entre o ADK e a aplicação Android. Mas isso é assunto para os próximos artigos.

E o código Android, será tão fácil quanto este? Sim.

A primeira mudança é no AndroidManifest.xml. Deve ser informada o uso da biblioteca com.android.future.usb.accessory.

<uses-library android:name="com.android.future.usb.accessory" />

Ainda no mesmo arquivo, vamos acrescentar mais um IntentFilter para a única tela da aplicação, o famoso Hello World.

<activity
            android:name="com.example.firstappadk.MainActivity"
            android:label="@string/app_name" >
            <intent-filter>
                <action android:name="android.intent.action.MAIN" />

                <category android:name="android.intent.category.LAUNCHER" />
            </intent-filter>
            <intent-filter>
                <action android:name="android.hardware.usb.action.USB_ACCESSORY_ATTACHED" />
            </intent-filter>

            <meta-data
                android:name="android.hardware.usb.action.USB_ACCESSORY_ATTACHED"
                android:resource="@xml/accessory_filter" />

</activity>

As mudanças ficaram em negrito. O filtro adicional responde a ação android.hardware.usb.action.USB_ATTACHED. Além disso, é necessário um meta-data, com um nome sempre fixo e a identificação de um recurso xml. No exemplo ele foi colocado dentro da pasta res, subpasta xml, arquivo accessory_filter.xml.

E o que encontramos neste XML? Veja abaixo:

<?xml version="1.0" encoding="utf-8"?>
<resources>
<usb-accessory manufacturer="Fabricante" model="Modelo" version="Versao" />
</resources>


Perceba que os dados de fabricante, modelo e versão são os mesmos informados no código do Arduino. Por este motivo uma placa ADK pode ser construída especificamente para um aplicativo. E isso é fantástico, abre infinitas possibilidades de customização, de uso massivo de internet das coisas, internet física e todos estes termos inovadores.

Bem, em relação ao código é só isso. Sim, já acabou.

O leitor pode estar se perguntando, mas como eu sei qual Arduino é um ADK. Neste link você encontra esta listagem. Eu estou usando para testes o ADK da Seeed Studio, mais especificamente o ADK Dash Kit. E smartphones tenho o Galaxy Note 8 e o Motorola Razr I .Uma observação importante. Já testei em outros aparelhos Samsung, como o S3 e S4, e sempre funcionou. O único que me deixou na mão é o Razr I. Minhas suspeitas são em relação ao chip Intel do Razr, os outros que testei tem chips ARM.

Veja o vídeo do código em execução:
Dúvidas? Pergunte nos comentários. E aguarde os próximos posts.

E, último lembrete. A Academia Android da Globalcode tem um módulo que fala só de Arduino, Android e ADK. 

Att.
Ricardo Oglliari

Comentários

Matheus Gomes disse…
Sensacional cara! Inovação na madrugada é show de bola! Espero em breve ter Oportunidade/Projeto para desenvolver uma solução ou aplicação com essa base de ADK... chega a ser lindo pensar em 'Internet das Coisas' e saber que já sei como posso desenvolver!!!!
Arduino Team disse…
Hehehee.

É a mes a sensação que eu tenho. É como fazer parte de uma grande mudança na sociedade.

Quando criar algo quero ver post também hein, heheh

Postagens mais visitadas deste blog

Melhorando Performance de JPA com Spring Web Flow

No TDC2009 realizado pela Globalcode em São Paulo foi apresentado um Lightning Talk sobre um problema específico de performance em aplicações Web com JPA e uma possível solução usando o Spring Web Flow . Num período de 15 minutos, os slides a seguir foram apresentados e seguidos de alguns vídeos de demonstração de uma aplicação Web em execução. Melhorando performance do JPA com Spring Web Flow View more presentations from Dr. Spock . Nesta apresentação foi dito que temos encontrado problemas de performance em aplicações Web que utilizam as tecnologias JSF + JPA + Ajax quando precisamos gerenciar um contexto de persistência (EntityManager). Estes problemas se manifestam quando aplicamos uma resposta errada para a pergunta: Como gerenciar o contexto de persistência numa aplicação Web? Se as aplicações não usam Ajax e limitam-se ao modelo orientado a requisições, a solução mais comum é o uso do design pattern chamado "Open Session In View Filter". Através deste design

Dica rápida: Apagando registros duplicados no MySQL

Ola pessoal, Sei que vocês estão acostumados a ver posts meus sobre tecnologia móvel ou algo relacionado, mas hoje vou falar sobre um pequeno "truque" que usei esse final de semana com o MySQL. Eu estava desenvolvendo o lado servidor de uma nova aplicação mobile (ahh, então "tem a ver" com mobile hehe), e quando fui fazer alguns testes percebi que tinha quase 7 mil registros duplicados (!!!) na minha base de dados! Bom, o meu primeiro reflexo como programador foi pensar em fazer um "programinha" Java para buscar e deletar todos esses registros duplicados. Mas ai, resolvi tirar as teias de aranha dos neurônios e usar os vários anos de experiência que passei com SQL e criar uma query que fizesse esse trabalho todo de uma vez!! E a query ficou assim: delete from TABLE_NAME USING  TABLE_NAME, TABLE_NAME  AS  auxtable WHERE   ( NOT  TABLE_NAME.id  =  auxtable.id ) AND   ( TABLE_NAME.name  =  auxtable.name ) Explicação direta: TABLE_NAME

O que é Lógica de programação?

Este é o segundo de uma série de posts voltados aos leitores do blog que estão dando início à carreira de desenvolvimento de software. O assunto de hoje é a lógica de programação. Para ler antes: Entendendo como funciona a programação de computadores: linguagens de programação, lógica, banco de dados A lógica de programação é um pré-requisito para quem quer se tornar um desenvolvedor de software, independente da linguagem de programação que se pretende utilizar. Mas o que é de fato a Lógica de Programação e como saber se eu tenho esse pré-requisito? A lógica de programação nada mais é do que a organização coerente das instruções do programa para que seu objetivo seja alcançado. Para criar essa organização, instruções simples do programa, como mudar o valor de uma variável ou desenhar uma imagem na tela do computador, são interconectadas a estruturas lógicas que guiam o fluxo da execução do programa. Isso é muito próximo ao que usamos em nosso cotidiano para realizar atividad

Devo fazer um curso ou ler um livro?

Acredito que todos os instrutores ou professores, independentemente da área, escola ou centro de treinamento, já devam ter recebido essa pergunta alguma vez na vida: devo fazer um curso ou ler um livro? Para responder a essa pergunta, precisamos avaliar os prós e contras de cada opção. Trabalho com treinamento há algum tempo e, hoje, recebi essa pergunta de um aluno. Não adianta responder a ou b sem argumentar, demonstrando as opções conforme a situação do aluno. O conteúdo, a forma de transmissão e a capacidade de assimilação do indivíduo são chaves para haver benefício maior de aprendizado. Tanto em um bom curso quanto em um bom livro, o conteúdo é a premissa básica . Por conteúdo entendemos: se está organizado; se respeita pré-requisitos; se promove o aprendizado guiado e incremental; se aborda de forma satisfatória os principais pontos; se tem bom balanço entre teoria, exemplos e prática (favorecendo exemplos e prática); se tem como premissa a acessibilidade possível (e cabível) pa

JavaLi no Lançamento mundial do JDK7 em São Paulo

O Lançamento mundial do JDK7 foi realizado no dia 7/7 em três cidades simultaneamente: São Paulo (SouJava), Londres (London User Group) e São Francisco (Oracle) com transmissão ao vivo via satélite! Evidentemente as cidades não foram escolhidas por acaso, e podemos enxergar a escolha da cidade de São Paulo como um sinal de reconhecimento à comunidade Java Brasileira, ao SouJava e à Globalcode. Com certeza houveram várias pessoas fundamentais para isto, como o Bruno Souza e o Mauricio Leal responsáveis pela organização e realização do Mês de Java! Veja a entrevista com o JavaLi no TDC2011: Veja também as fotos do Lançamento do JDK7 na cobertura realizada aqui no Globalcoders. É isso aí pessoal, próxima parada ? Trilha Java TDC2011 Goiânia! E você, já se inscreveu? Participe, colabore, divulgue esta iniciativa. []s Yara Senger http://twitter.com/yarasenger

JavaMail: Enviando mensagem HTML com anexos

Introdução Depois do post "JavaMail: Enviando e-mail com Java" , que apresentava como enviar um e-mail com Java, resolvi complementar a assunto apresentando como enviar uma mensagem formatada, em HTML , e também como realizar o envio de anexos. Bibliotecas Além da biblioteca JavaMail, veja mais no post anterior , é necessário incluir o JavaBeans Activation Framework (JAF), apenas se a versão utilizada for anterior ao JSE 6.0 , que já tem o JAF incluso. O JAF está disponível em http://www.oracle.com/technetwork/java/javase/downloads/index-135046.html , e neste download encontramos, alguns exemplos na pasta demo , documentação, incluindo javadocs, na pasta docs e a biblioteca activation.jar , que deve ser acrescentada no classpath da aplicação para versões anteriores ao JSE 6.0. Exemplo Primeiramente devemos realizar a configuração da javax.mail.Session e da javax.mail.internet.MimeMessage , estes passos podem ser vistos no post anterior . Agora vamos montar um