Pular para o conteúdo principal

Certificação SCJA - curiosidades e dicas

No mês passado eu compartilhei algumas curiosidades e dicas sobre a certificação SCJP 6 (Sun Certified Java Programmer), e agora chegou a vez da SCJA (Sun Certified Java Associate).
A SCJA também não tem nenhum outro exame como pré-requisito. Mas diferente da SCJP, a SCJA não é pré-requisito para nenhum outro exame, o que diminui muito o interesse por essa certificação.
Mas eu acho uma certificação muito interessante, pois é mais voltada para iniciantes no mundo Java, normalmente estudantes ou profissionais que estão mudando de tecnologia, funcionando como uma porta de entrada para as demais certificações e acelerando o ingresso ao mercado Java. Ou para aqueles que não são ou não pretendem ser especialistas Java, mas estão envolvidos com a linguagem de alguma forma, normalmente gestores, líderes de equipes, analista de negócio, etc.
Mas para quem já possui a certificação SCJP, acho pouco interessante obter a certificação SCJA.
A SCJA é um pouco mais básica, mas com uma cobertura maior de assuntos, portanto além de conhecer o básico de programação Java, também será necessário conhecer o básico de UML, JavaME, EJB, RMI, Servlets, JSP, JNDI, Swing, entre outros.
É muito importante estar afiado nos conceitos básicos de UML e da linguagem Java, isso já irá garantir boa parte da prova. E para os demais assuntos precisa saber apenas alguns pontos teóricos.
Eu fiz a prova a algumas semanas e fui bem (84%). Como achei a prova bem fácil, pensei que iria melhor, mas da mesma forma que a SCJP as pegadinhas são muitas e precisa estar bem atento.
Vou mostrar algumas dicas que coletei durante meus estudos por objetivo:
Conceitos Fundamentais de Orientação a Objetos.
  • Ao analisar métodos implementados de uma interface, tenha certeza de ver o modificador public, pois por default os métodos da interface são públicos.
  • Uma classe extende (extends) outra classe, implementa (implements) uma interface. Mas uma interface extende (extends) outras interfaces.
  • Classes abstratas podem ter construtores, enquanto interfaces não podem.
  • Uma classe final não pode ser extendida, portanto não pode ser abstrata.
Representação UML de Conceitos de Orientação a Objetos.
  • Java não permite herança multipla, portanto fique atento para marcar um diagrama com essa caracteristica como inválido.
  • Uma interface também pode ser representada pela notação pirulito (lollipop).
Implementação Java de Conceitos de Orientação a Objetos.
  • Enumerations não podem conter métodos abstratos e não podem ser definidos dentro de métodos.
  • Um método abstrato não pode ser declarado como final, privado ou estático.
  • Variáveis locais não possuem valores default, portanto precisam ser inicializadas antes do uso.
  • Não confundir o atributo estático length do array com o método length() da classe String.
  • Conhecer os conceitos de encapsulamento e polimorfismo.
  • Conhecer a ordem de execução dos construtores. E a ordem entre construtores, blocos de código e blocos estáticos.
Projeto e Implementação de Algoritmos.
  • A variável de iteração do laço for-each precisa ser declarada dentro da instrução.
  • Qualquer uma das três seções do laço for podem ser omitidas, ex: for( ; ; ) {} // laço infinito
  • O corpo do laço while não pode não ser executado, ex: while(false){} // erro compilação
  • No switch, a clausula default pode vir em qualquer posição.
  • Pode esperar muitas questões sobre a classe String, esteja certo de conhecer cada método mencionado no objetivo.
  • Lembre-se de analisar o escopo de uma variável declarada dentro de um for, while, método, etc.
  • Conhecer as diferenças entre os operadores de incremente pós-fixado e pre-fixado.
Fundamentos de Desenvolvimento Java.
  • Em um arquivo fonte pode haver apenas uma classe pública e o nome do arquivo deve bater com essa classe.
  • Lembre-se da ordem das instruções de um código fonte. Primeiro package, imports e por fim class.
  • Conheça os caminhos para configurar o classpath através dos comandos javac e java.
Tecnologias Java de Plataforma e Integração.
  • Aplicações JavaME desenvolvidas para um dispositivo não necessariamente funcionam em outros dispositivos.
  • JavaSE é incluida em todos ambientes JavaEE, portanto classes JavaSE funcionam em um ambiente JavaEE.
  • Para o JavaME, vá direto para a arquitetura, camadas e tipo de configuração.
  • Conheça exatamente os pacotes que contém as APIs JDBC, JMS, Servlet, RMI, etc.
Tecnologias Cliente.
  • Conhecer os seguintes comparativos:
Swing e AWT
Servlets e JSPs
RMI e Socket
Applet, MIDlet, Javascript e HTML

Tecnologias Servidor.
  • Conhecer em alto nível os tópicos de Web Services: SOAP, UDDI, WSDL e JAX-RPC.
  • Conhecer os componentes existentes de cada camada em uma aplicação JavaEE.
Faremos uma revisão teórica desses assuntos no novo minicurso Dicas para a certificação SCJA que acontecerá no dia 10/11/2009, terça das 19 às 22hs. E para finalizar, alguns links de simulados:
Abraço amigos javeiros e boa sorte.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Melhorando Performance de JPA com Spring Web Flow

No TDC2009 realizado pela Globalcode em São Paulo foi apresentado um Lightning Talk sobre um problema específico de performance em aplicações Web com JPA e uma possível solução usando o Spring Web Flow . Num período de 15 minutos, os slides a seguir foram apresentados e seguidos de alguns vídeos de demonstração de uma aplicação Web em execução. Melhorando performance do JPA com Spring Web Flow View more presentations from Dr. Spock . Nesta apresentação foi dito que temos encontrado problemas de performance em aplicações Web que utilizam as tecnologias JSF + JPA + Ajax quando precisamos gerenciar um contexto de persistência (EntityManager). Estes problemas se manifestam quando aplicamos uma resposta errada para a pergunta: Como gerenciar o contexto de persistência numa aplicação Web? Se as aplicações não usam Ajax e limitam-se ao modelo orientado a requisições, a solução mais comum é o uso do design pattern chamado "Open Session In View Filter". Através deste design

TDC ONLINE: SUA PLATAFORMA DE PALESTRAS GRAVADAS DO TDC DISPONÍVEL

Além do conteúdo ao vivo transmitido online nas edições do TDC, agora você pode ter acesso à centenas de palestras gravadas, através da nossa nova plataforma de vídeos - o TDC Online, que reúne todas as Trilhas premium, Stadium e Salas dos Patrocinadores das edições anteriores de 2022, TDC Innovation e TDC Connections.  Para acessar, basta clicar na edição em que você participou ( TDC Innovation ou TDC Connections ); Fazer o mesmo login (com e-mail e senha) cadastrados na hora de adquirir ou resgatar o seu ingresso no TDC; E clicar na Trilha de sua opção, e de acordo com a modalidade do seu ingresso. Logo em seguida, você será direcionado para a seguinte página com a lista de todas as palestras por Trilha: Pronto! Agora você tem acesso à centenas de palestras gravadas da sua área de interesse, para assistir como e quando quiser! Caso tenha esquecido a senha, clique na opção "Esqueci a senha" , insira o e-mail que você realizou para o cadastro no evento, e aparecerá a op

O que é Lógica de programação?

Este é o segundo de uma série de posts voltados aos leitores do blog que estão dando início à carreira de desenvolvimento de software. O assunto de hoje é a lógica de programação. Para ler antes: Entendendo como funciona a programação de computadores: linguagens de programação, lógica, banco de dados A lógica de programação é um pré-requisito para quem quer se tornar um desenvolvedor de software, independente da linguagem de programação que se pretende utilizar. Mas o que é de fato a Lógica de Programação e como saber se eu tenho esse pré-requisito? A lógica de programação nada mais é do que a organização coerente das instruções do programa para que seu objetivo seja alcançado. Para criar essa organização, instruções simples do programa, como mudar o valor de uma variável ou desenhar uma imagem na tela do computador, são interconectadas a estruturas lógicas que guiam o fluxo da execução do programa. Isso é muito próximo ao que usamos em nosso cotidiano para realizar atividad

Dica rápida: Apagando registros duplicados no MySQL

Ola pessoal, Sei que vocês estão acostumados a ver posts meus sobre tecnologia móvel ou algo relacionado, mas hoje vou falar sobre um pequeno "truque" que usei esse final de semana com o MySQL. Eu estava desenvolvendo o lado servidor de uma nova aplicação mobile (ahh, então "tem a ver" com mobile hehe), e quando fui fazer alguns testes percebi que tinha quase 7 mil registros duplicados (!!!) na minha base de dados! Bom, o meu primeiro reflexo como programador foi pensar em fazer um "programinha" Java para buscar e deletar todos esses registros duplicados. Mas ai, resolvi tirar as teias de aranha dos neurônios e usar os vários anos de experiência que passei com SQL e criar uma query que fizesse esse trabalho todo de uma vez!! E a query ficou assim: delete from TABLE_NAME USING  TABLE_NAME, TABLE_NAME  AS  auxtable WHERE   ( NOT  TABLE_NAME.id  =  auxtable.id ) AND   ( TABLE_NAME.name  =  auxtable.name ) Explicação direta: TABLE_NAME

JavaMail: Enviando mensagem HTML com anexos

Introdução Depois do post "JavaMail: Enviando e-mail com Java" , que apresentava como enviar um e-mail com Java, resolvi complementar a assunto apresentando como enviar uma mensagem formatada, em HTML , e também como realizar o envio de anexos. Bibliotecas Além da biblioteca JavaMail, veja mais no post anterior , é necessário incluir o JavaBeans Activation Framework (JAF), apenas se a versão utilizada for anterior ao JSE 6.0 , que já tem o JAF incluso. O JAF está disponível em http://www.oracle.com/technetwork/java/javase/downloads/index-135046.html , e neste download encontramos, alguns exemplos na pasta demo , documentação, incluindo javadocs, na pasta docs e a biblioteca activation.jar , que deve ser acrescentada no classpath da aplicação para versões anteriores ao JSE 6.0. Exemplo Primeiramente devemos realizar a configuração da javax.mail.Session e da javax.mail.internet.MimeMessage , estes passos podem ser vistos no post anterior . Agora vamos montar um

Devo fazer um curso ou ler um livro?

Acredito que todos os instrutores ou professores, independentemente da área, escola ou centro de treinamento, já devam ter recebido essa pergunta alguma vez na vida: devo fazer um curso ou ler um livro? Para responder a essa pergunta, precisamos avaliar os prós e contras de cada opção. Trabalho com treinamento há algum tempo e, hoje, recebi essa pergunta de um aluno. Não adianta responder a ou b sem argumentar, demonstrando as opções conforme a situação do aluno. O conteúdo, a forma de transmissão e a capacidade de assimilação do indivíduo são chaves para haver benefício maior de aprendizado. Tanto em um bom curso quanto em um bom livro, o conteúdo é a premissa básica . Por conteúdo entendemos: se está organizado; se respeita pré-requisitos; se promove o aprendizado guiado e incremental; se aborda de forma satisfatória os principais pontos; se tem bom balanço entre teoria, exemplos e prática (favorecendo exemplos e prática); se tem como premissa a acessibilidade possível (e cabível) pa